sábado, 28 de fevereiro de 2009

AAAHHH (CONHEÇA NOSSOS MEMBROS...)

AAAHHH (CONHEÇA NOSSOS MEMBROS...)
(Autor: Antonio Brás Constante)

O anonimato faz parte do cotidiano das pessoas. Nos chats, por exemplo, o default é “anônimo”, mas se você quiser pode se identificar com algum outro nick que ache conveniente, tipo: “político honesto”, “canibal vegetariano”, ”Gordinho anoréxico”, “coelhinho felpudo”, etc.

Existem associações voltadas para o tratamento de casos de pessoas que sofrem anonimamente de vários males. Temos os alcoólicos anônimos, os dependentes químicos anônimos, os comilões anônimos, os solitários anônimos, todos logrando muito êxito na recuperação de pessoas que precisam de apoio. E assim a comunidade recebe em seu seio (devidamente coberto ou encoberto), pessoas que são ex-fumantes, ou mesmo ex-alcoólatras, ex-drogados, ex-presidiários e até ex-padres. Porém, o que nunca se escuta é que alguém conheça um ex-gay.

Às vezes acontece o contrário, um homem ou mulher acabam mudando de lado e, em muitos casos, são até casados e pais de família, que experimentam o lado “homo” e não querem mais saber de voltar, mudando de posição e assim dando as costas para sua vida anterior.

Sendo assim, está sendo proposta a criação da Associação dos Amigos Anônimos de Homens Homossexuais Honestos (Já é difícil ser aceito na sociedade sendo gay, pior ainda se for desonesto). A sigla usada seria “AAAHHH” e, por favor, a encarem como uma sigla séria e não como um mero gritinho afrescalhado.

Se você conhece alguém nesta situação, nos avise e iremos com nossos membros atrás dele. Para isto basta pegar o telefone, discar e dizer: “AAAHHH, preciso muito de vocês”. Sem medo ou culpa, o importante é você entrar nesta luta, pegando pesado e firme, mas com amor.

Pense que com este gesto você poderá estar curando um amigo “sensível” e trazendo-o ao mundo como um novo homem, quem sabe até, por exemplo, como um Ricardão (neste caso aconselho a ficar de olho na sua esposa e em caso de recaídas dele, cuide de sua retaguarda também).

Nós do AAAHHH damos tudo que podemos para levantar quem estiver nesta situação, não medindo esforços para que o homem possa voltar ao seu papel de homem na sociedade, forte, vigoroso, másculo e machão.

Afinal, com tantas mulheres e homossexuais no mundo, a concorrência está muito acirrada, não é, santa? Poderoooosa!

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

[Posto 4] MISS - MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SANTOS - VENHA FAZER UMA VIAGEM NO TEMPO




Ditamole, ditadura ou ditabranda?

O que pretende a Folha de São Paulo, sua direção, é ameaçar todos os que se oponham à sua visão de mundo e aos seus objetivos.....

http://www.brasildefato.com.br/v01/agencia/analise/de-rabo-preso-com-quem

Caminhão de lixo !!!! (colaboração da leitora Rosali dos Santos)

Lei do Caminhão de Lixo.
Um dia peguei um táxi e fomos direto para o aeroporto. Estávamos rodando na faixa certa quando de repente um carro preto saltou do estacionamento na nossa frente. O motorista do táxi pisou no freio, deslizou e escapou do outro carro por um triz! O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós. O motorista do táxi apenas sorriu e acenou para o cara. E eu quero dizer que ele o fez bastante amigavelmente. Assim eu perguntei:

'Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro e nos manda para o hospital!' Foi quando o motorista do táxi me ensinou o que eu agora chamo "A Lei do Caminhão de Lixo".
º Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo. Andam por aí carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, e de desapontamento. À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Não tome isso pessoalmente.

º Apenas sorria, acene, deseje-lhes bem, e vá em frente. Não pegue o lixo delas e espalhe sobre outras pessoas no trabalho, em casa, ou nas ruas. O princípio disso é que pessoas bem sucedidas não deixam os caminhões de lixo estragar o seu dia. A vida é muito curta para levantar de manhã com sentimentos ruins, assim... Ame as pessoas que te tratam bem. Ore pelas que não o fazem. A vida é dez por cento os que você faz dela e noventa por cento a maneira como você a recebe!

sábado, 21 de fevereiro de 2009

CARNAVAL MIRIM




BRINCAR CARNAVAL




Brincar carnaval, brincar carnaval,
cantar e dançar,
alegria total!

Uma pinturinha no rosto
ou máscara e fantasia,
vou seguindo brincando muito,
batendo palmas,
me entregando ao banho de espumas!

Brincar carnaval, brincar carnaval,
cantar e dançar,
alegria total!

Tem urso, fada e borboletinha
sambando perto da flor.
Tem confete, tem serpentina,
tem muitas cores em meu amor!

Brincar carnaval, brincar carnaval,
cantar e dançar,
alegria total!




_______

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Mulheres

Todas as religiões oprimem a mulher’, diz a feminista egípcia Nawal El Saadawi

Só nova eleição salva Maranhão

O julgamento desta quinta-feira (19) do governador do Maranhão Jackson Lago no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que tirou o Governo de suas mãos, não acaba com as disputas eleitorais no estado. Quer mais???
O relator do processo contra Lago, ministro Eros Grau, e a Procuradoria Geral Eleitoral (PGE) do TSE terão que julgar um processo contra a segunda colocada na disputa, a senadora Roseana Sarney (aquela mesma filho do Presidente do Senado). Trata-se do agravo de instrumento 10625, que acusa Roseana de abuso de poder econômico e de ter pago as despesas eleitorais da coligação União Democrática Independente, formada pelo PSL, PTC e PCdoB (Lenin está tremendo no Mausoléu...)

Exposição de Máscaras Venezianas


Os famosos Bailes de Máscaras de Veneza foram os precursores do Baile à Fantasia e do Carnaval e, para comemorar a época de folia, o Shopping Center 3 promove a Exposição “Máscaras Venezianas” entre os dias 17 de fevereiro e 02 de março.

Peça principal do típico Carnaval da cidade italiana, as máscaras, geralmente, de rosto inteiro são reconhecidas mundialmente pela perfeição de seus detalhes técnicos e estéticos, além de seu valor histórico cultural. Segundo pesquisas o mais antigo documento sobre uso de máscaras data de 1268.

Os frequentadores poderão conhecer máscaras tradicionais como a Pulcinella – máscara napolitana mais famosa, do típico servo, simpático e oportunista com nariz adunco e uma corcunda, a de Arlechino – mais popular máscara italiana, do personagem muito astuto e mentiroso, imagem do serviçal bobo e falante de Veneza, ou ainda a de Pantaglione – velho mercante avarento de nariz comprido, mesquinho e tirano, entre muitas outras. Serão 13 peças belíssimas.



Serviço

Exposição de Máscaras Venezianas

Quando? De 17 de Fev. a 2 de março

Horário: das 8 às 22 horas de segunda a sábado e aos domingos das 10 às 20horas

Local: Shopping Center 3 – Av. Paulista, 2064

www.shoppingcenter3.com.br

MEU VIZINHO EXTRATERRESTRE

MEU VIZINHO EXTRATERRESTRE
(Autor: Antonio Brás Constante)

A probabilidade de não estarmos sozinhos ganha força a cada dia, tanto que até o vaticano já anda admitindo esta possibilidade. Caso isto realmente venha a se comprovar, muitas coisas vão acabar mudando por aqui. A começar pela tecnologia, pois finalmente poderemos viajar pelo universo graças aos avanços tecnológicos recebidos de seres extraterrestres, ou pelo menos porque eles vão acabar concordando em colocar um ponto de ônibus ou de táxi espacial aqui no nosso orbe azul.

Nessas viagens interestelares, é sempre bom conferir se você terá como pagar pela corrida, pois em caso de calote o taxista poderá acabar comendo você (literalmente). Poderemos pressupor que o turismo será bem diversificado. Para os naturalistas, ao invés de se ir a uma praia de nudismo, haverá planetas de nudismo, com preços que deixarão qualquer vivente peladinho. Os aventureiros poderão ir fazer um safári em um sistema solar selvagem, onde primeiro se disputa no cara-e-coroa quem vai ser a caça e o caçador.

Vivemos em um cantinho isolado e pacato da galáxia, quase como se estivéssemos em um ranchinho bem afastado das grandes metrópoles, e como possivelmente ainda não dispomos de algo que realmente desperte o interesse de qualquer civilização estelar a ponto de eles quererem puxar conversa conosco, o jeito é esperar. Ao menos até avançarmos o suficiente no ramo da genética para conseguir clonar a Gisele Bündchen, dispondo assim de uma inigualável moeda de troca com outros seres inteligentes (que mesmo se não for à moeda de maior valor no universo, ainda assim tenderá a ser a mais bonita).

Para as religiões, de um modo geral, um contato com novas civilizações será uma ótima chance de aumentar o número de fiéis. Por outro lado às inúmeras crenças que já não se entendem aqui terão de aprender a conviver com infinitas outras crenças de origem interplanetária. Em todo caso, é sempre bom e saudável pregar que é extremamente pecaminoso a qualquer raça alienígena o consumo de carne humana.

O sistema político também mudará, pois necessitaremos de um governante mundial para tratar dos assuntos em terras além-vácuo. Se os alienígenas forem realmente inteligentes, vão influenciar neste tipo de decisão, evitando que o eleito seja aquele que possuir a maior coleção de bombas, optando por alguém que se mostre disposto a pensar no bem-estar de todos.

Enfim, a confirmação de vida alienígena inteligente e avançada, com certeza trará muitas mudanças em nosso modo de agir, pensar e viver. Porém, na eventualidade de se ocorrer este contato, o mais importante agora é ficarmos na torcida para que ele aconteça de um jeito totalmente diferente daquele que ocorreu na própria história da humanidade, quando o homem então no papel de desbravador, trouxe junto com o descobrimento de novas terras, as doenças, a miséria, as guerras, e tantas outras desgraças para os povos nativos que tiveram a infelicidade de se deparar com eles. Pois tudo isto, infelizmente, nós já temos.

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Medo

Temos medo de assalto, de seqüestro relâmpago, do pit bull do vizinho... Tememos a violência! Estamos sempre com medo de alguém, que algum comportamento violento nos seja direcionado. Nos preocupamos em nos proteger de terceiros. O nosso medo sempre é direcionado para o exterior. E quando a nossa segurança depende em grande parte de comportamentos simples nossos?
Quantas vezes nos arriscamos, colocamos em risco a nossa integridade física e psicológica? Se temos tanto desejo em nos preservar, em não nos machucar, por que será que tantas vezes, não cuidamos de nós? Quando, por exemplo, dirigimos em alta velocidade, ou ainda, saímos de alguma festa, e mesmo após termos bebido um tanto além da conta, mesmo sentindo os efeitos da nossa embriaguez, ainda insistimos em dirigir o nosso carro?
Por que, em muitas situações, mesmo tendo plena consciência que estamos colocando em risco a nossa integridade física, o nosso bem estar psicológico, não acionamos o nosso desejo de proteção? Por que nestas ocasiões, ignoramos o nosso medo?

Maria Aparecida Francisquini

Por que o adolescente precisa desafiar o adulto

 
Por Bruno Weinberg*
Tornar-se adulto não é uma tarefa fácil. Pelo contrário, envolve muitos descobrimentos e transformações cheios de sensações conflitantes: dor, alívio, sofrimento, alegria, tristeza etc. A passagem da infância para a vida adulta, a adolescência, é uma grande aventura cheia de desafios, enigmas, turbulências, angústias e medos. É uma etapa fundamental e saudável do processo de crescimento.

A questão central do adolescente é a busca do Eu. Num primeiro momento, sua função principal é a de se contrapor ao conhecido: a família. Ser eu é não ser você. Já que nega a família, busca no grupo de pares os contornos que procura. Fortalece, assim, algo diferente do conhecido. Mais tarde, essas questões mudam e ele pode se identificar com a família, seus valores e outras características.

Esta etapa de vida é angustiante, pois ele se vê diante de um futuro que não sabe o que vem. O que ficou para trás não serve e o que vem pela frente ele não sabe se vai ser capaz. Então, o adolescente começa a questionar sua vida, as pessoas que estão a sua volta, os seus valores e princípios.

Escutamos com frequência de pais e de professores a queixa de estarem sendo testados o tempo todo pelos adolescentes. De fato, eles nos fazem passar por situações que desafiam nossos limites. Situações como estas nos deixam irritados, nervosos e até mesmo perdemos a paciência. É isso mesmo o que ele quer: saber até quando aguentamos suas provocações.

Devemos ter claro que determinados comportamentos não são tolerados. Isso não quer dizer que ele é rejeitado, mas, sim sua atitude. Existe uma grande diferença entre "isto que você fez é horrível" e "você é horrível". Horrível é a atitude tomada e não a pessoa. Os adolescentes devem saber que os pais estão lá como uma proteção, um "paraquedas", em que ele pode contar no momento da necessidade.

Os pais acabam, também, virando "saco de pancadas". Sobreviver aos ataques e tolerar apenas as atitudes aceitáveis dependerá dos adultos, que com isso contribuirão para seu crescimento saudável. Não é uma trabalho fácil. Ao contrário, é difícil estar neste papel.

Em casa ou na escola, muitos conflitos surgem quando o adulto não sabe quais são seus limites. Um pai ou professor, por exemplo, permite em alguns momentos que seu filho ou aluno o chame de b#%!@ e ri com isso. Em outros, se irrita com este chamado e dá a maior bronca no menino. O que será que ele pensa a respeito disso? Posso ou não posso chamá-lo desse jeito? Na escola ou em casa ser pai ou professor é diferente de ser amigo; e é aí que muitos problemas começam.

Também é comum professores novos serem submetidos por uma turma a esses desafios. Apenas quando conseguem posicionar-se, a turma os acolherá e respeitará. Caso contrário, estes professores terão grandes chances de fracassar nos seus objetivos.

Ter um filho adolescente é um desafio não só para o filho, mas para os pais que, além de se transformarem, têm que repensar seu papel. Ser "saco-de-pancadas", "paraquedas", não é nada fácil, mas fundamental para o desenvolvimento do filho. Se saírem desta etapa, todos sairão enriquecidos.

Ser pai é uma tarefa árdua, com desafios constantes, mas que gera crescimento.


*Bruno Weinberg é psicólogo e orientador educacional do Colégio I.L.Peretz, em São Paulo.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Projeto determina a obrigatoriedade de os agentes públicos eleitos matricularem seus filhos e demais dependentes em escolas públicas até 2014.

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº , DE 2007
Determina a obrigatoriedade de os agentes públicos eleitos
matricularem seus filhos e demais dependentes em escolas públicas até
2014.
O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Os agentes públicos eleitos para os Poderes Executivo e Legislativo federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal são obrigados a matricular seus filhos e demais dependentes em escolas públicas de educação básica.

Art. 2º Esta Lei deverá estar em vigor em todo o Brasil até, no máximo, 1º de janeiro de 2014.Parágrafo Único. As Câmaras de Vereadores e Assembléias Legislativas Estaduais poderão antecipar este prazo para suas unidades respectivas.


JUSTIFICAÇÃO No Brasil, os filhos dos dirigentes políticos estudam a educação básica em escolas privadas. Isto mostra, em primeiro lugar, a má qualidade da escola pública brasileira, e, em segundo lugar, o descaso dos dirigentes para com o ensino público. Talvez não haja maior prova do desapreço para com a educação das crianças do povo, do que ter os filhos dos dirigentes brasileiros, salvo raras exceções,
estudando em escolas privadas. Esta é uma forma de corrupção discreta da elite dirigente que, ao invés de resolver os problemas nacionais, busca proteger-se contra as tragédias do povo, criando privilégios.

Além de deixarem as escolas públicas abandonadas, ao se ampararem nas escolas privadas, as autoridades brasileiras criaram a possibilidade de se beneficiarem de descontos no Imposto de Renda para financiar os custos da educação privada de seus filhos.

Pode-se estimar que os 64.810 ocupantes de cargos eleitorais - vereadores, prefeitos e vice-prefeitos, deputados estaduais, federais, senadores e seus suplentes, governadores e vice-governadores, Presidente e Vice-Presidente da República - deduzam um valor total de mais de 150 milhões de reais nas suas respectivas declarações de imposto de renda, com o fim de financiar a escola privada de seus
filhos alcançando a dedução de R$ 2.373,84 inclusive no exterior.
Considerando apenas um dependente por ocupante de cargo eleitoras. O presente Projeto de Lei permitirá que se alcance, entre outros, os seguintes objetivos:
a) ético: comprometerá o representante do povo com a escola que atende
ao povo; - b) político: certamente provocará um maior interesse das autoridades para com a educação pública com a conseqüente melhoria da qualidade dessas escolas. - c) financeiro: evitará a "evasão legal" de mais de 12 milhões de reais por mês, o que aumentaria a disponibilidade de recursos fiscais à disposição do setor público,
inclusive para a educação; d) estratégica: os governantes sentirão diretamente a urgência de, em sete anos, desenvolver a qualidade da educação pública no Brasil.


Se esta proposta tivesse sido adotada no momento da Proclamação da República, como um gesto republicano, a realidade social brasileira seria hoje completamente diferente. Entretanto, a tradição de 118 anos de uma República que separa as massas e a elite, uma sem direitos e a outra com privilégios, não permite a implementação imediata desta decisão. Ficou escolhido por isto o ano de 2014, quando a República
estará completando 125 anos de sua proclamação. É um prazo muito longo desde 1889, mas suficiente para que as escolas públicas brasileiras tenham a qualidade que a elite dirigente exige para a escola de seus filhos.

Seria injustificado, depois de tanto tempo, que o Brasil ainda tivesse duas educações - uma para os filhos de seus dirigentes e outra para os filhos do povo -, como nos mais antigos sistemas monárquicos, onde a educação era reservada para os nobres.
Diante do exposto, solicitamos o apoio dos ilustres colegas para a aprovação deste projeto.

Sala das Sessões,Senador CRISTOVAM BUARQUE
http://www.senado.gov.br/sf/atividade/Materia/detalhes.asp?p_cod_mate=82166

Sono, URINA e cura...

SONO, URINA E CURA
(AUTOR: Antonio Brás Constante)

Paulo tinha um grave problema. Sofria do mal do sono. Não importava o quanto dormisse, sempre estava caindo de sono. Já tentara de tudo: Remédios, médicos, tratamentos, hipnose e nada.

Perdera a conta de quantos empregos, estudos e namoros ele arruinou. Tudo por não conseguir controlar sua sonolência. Mas, após muito penar finalmente descobriu um curandeiro índio no interior do estado, conhecido como “Pajé”, que resolvia todos os males.

Meio incrédulo chegou ao lugar. Um casebre no meio do mato. Dificílimo de encontrar. Para piorar a situação, havia um gago esperando na sua frente à “consulta”. Um tal de Pablo, que tentava puxar conversa a todo custo, porém, como Paulo não entendia quase nada do que o homem falava, deu graças a Deus quando a criatura foi chamada.

Quarenta minutos depois foi acordado pelo mesmo gago, agora falando perfeitamente normal e dizendo que o Pajé estava lhe esperando. Paulo entrou cheio de esperanças no local indicado. Era uma sala enfeitada com amuletos e estatuetas estranhas. Possuía várias prateleiras repletas de vidrinhos com líquidos amarelados. O ambiente exalava um odor nauseante de urina.

O índio olhou bem para Paulo e pediu para descrever seu mal, enquanto mexia com um pedaço de pau uma poção dentro de um tipo de caldeirão de barro. Disse para falar bem alto, pois era meio surdo. Depois de escutar um breve resumo do problema, o pajé murmurou alguns encantamentos. Olhou novamente para Paulo e perguntou se era aquilo mesmo que ele queria, pois não seria bom mudar de idéia depois. Este afirmou que sim.

Paulo recebeu então uma poção de ervas, sendo orientado pelo índio que bebesse apenas um gole, mas à vontade de se curar era tanta que ele bebeu todo conteúdo da caneca, aproveitando que o Pajé estava distraído procurando um vidro vazio em uma das prateleiras. A poção tinha um gosto amargo e forte. Antes que o índio se virasse, Paulo encheu novamente a caneca com mais poção.

O Pajé pediu que ele esperasse um pouco que logo a poção faria efeito. Passados uns dez minutos, Paulo passou a sentir uma forte vontade urinar. O pajé disse que era um bom sinal. Mandou ele urinar em um frasco igual ao das prateleiras que se encontravam ali, e escrever seu nome no rótulo com a data da visita.

Paulo sentiu uma sensação estranha ao mijar no frasco. Quando terminou de encher o vidrinho, percebeu que não sentia mais sono. Estava curado. Aquilo era maravilhoso, não seria mais um escravo do sono.

O que Paulo não sabia é que perdera todo sono. No inicio foi perfeito, podia ver os filmes sem cochilar. Ler e fazer todas as atividades que queria. Mas não conseguia mais dormir, por mais cansado que estivesse o sono nunca vinha. O que parecia uma benção aos poucos foi se tornando em um pesadelo.

Ele passou quase um mês sem conseguir dormir um único dia ou noite. Começou a ter todos os problemas causados pela falta de sono. Parecia um zumbi. Já estava a beira da loucura quando resolveu retornar ao Pajé.

Chegando lá implorou para que o índio desfizesse o feitiço. Estava em tal situação que nem conseguia falar direito. Tentava explicar sem muito sucesso que não suportava mais a circunstância na qual se encontrava.

O índio quase não entendia o que ele dizia, mas como não aguentava ver homem chorando ou suplicando, perguntou qual era mesmo o nome dele, pois se lembrava vagamente do dia que esteve ali.

Paulo disse seu nome entre soluços e com voz chorosa. O pajé foi até sua salinha e voltou com um dos frascos de urina nas mãos. Disse que o único jeito de recuperar a doença que havia saído de seu corpo era tomando a própria urina.

Apesar da repugnância inicial que sentiu ao ser informado do que teria de fazer, dado ao grau de desespero pelo qual passava, resolveu aceitar. Fechou os olhos e colocou a borda do vidrinho na boca. O estômago embrulhou. Um mal-estar subido percorreu todo seu corpo. Ao sentir o gosto daquele líquido fétido, quase vomitou. Mas aguentou firme e bebeu todo o conteúdo do frasco.

O índio se aproximou de Paulo e perguntou com curiosidade:

- E então Pablo como está se sentindo?

- Pa-pablo? Ma-mas, me-meu no-nome é Pa-paulo!

- Ops... Desculpe, então errei o frasco.

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Jornal suíço contra-ataca e diz que Brasil é xenófobo

Os jornais suíços fizeram um duro ataque contra o Brasil, mesmo sem saber o resultado final das investigações no caso da advogada brasileira Paula Oliveira, que diz ter sofrido um aborto após ser agredida por um grupo skinhead na última segunda-feira em Zurique.
O periódico "Neue Zürcher Zeitung" ironiza o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e alerta que a mídia brasileira "regularmente publica notícias de fatos totalmente inventados, acusações que já destruíram a vida de outras pessoas".
Segundo laudo médico emitido pela polícia suíça, Paula não estava grávida. De acordo com o jornal, a gravidez inventada seria uma técnica comum no Brasil para mulheres que querem pressionar seus maridos. Para o NZZ, o Brasil seria um dos países mais xenófobos do mundo. "O país tropical está, de acordo com sondagens internacionais, entre os Estados com maior índice de xenofobia: 72% são, segundo pesquisa, contra a recepção de estrangeiros", comenta a publicação.
Fonte: MSN notícias

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Museu do Futebol comemora o Dia do Botonista

No próximo dia 15 de fevereiro, o Museu do Futebol – um equipamento de cultura do governo do Estado de São Paulo - comemora o Dia do Botonista. Durante todo o dia ocorrerão rodadas de futebol de mesa e também jogos demonstrativos com campeões da categoria. O evento é realizado em parceria com a Federação Paulista de Futebol de Mesa.

Antigamente conhecido como Celotex - material de que eram feitas as mesas em que se jogava - o futebol de mesa começou como uma brincadeira. Só a partir da década de 30 que o jogo se popularizou no Rio de Janeiro, através de Geraldo Décourt, que jogava com botões de cueca na escola. Tempos depois, ele seria o responsável pela publicação do primeiro livro de regras.

Nos anos seguintes, o jogo se difundiu por todo o país, até que em 1988, o Conselho Nacional do Desporto considerou o futebol de mesa como esporte legítimo, oficializando três modalidades: baiana, carioca e paulista. A diferença principal entre elas é de apenas uma regra, que determina a quantidade de toques que podem ser dados na bola a cada lance.

O futmesa, como é conhecido, é regulamentado pela CBFM - Confederação Brasileira de Futebol de Mesa. Atualmente existem campeonatos nacionais, estaduais, regionais e em 2005 foi criada a Copa do Brasil. Os grandes times de futebol como São Paulo e Flamengo, por exemplo, mantêm equipes de futebol de mesa.

As atividades do Dia do Botonista terão início às 11h e os jogos demonstrativos com os campeões acontecem a cada hora, com término previsto para as 17h. Mais informações no site www.museudofutebol.org.br.

 

 

Serviço:

Local: Estádio do Pacaembu (Praça Charles Miller, s/n)

Preço: R$ 6,00 (R$ 3,00 a meia entrada para estudantes e idosos)

Horário: das 10h às 18h

Bilheteria: das 10h às 17h

Site: www.museudofutebol.org.br

Telefone: (11) 3663-3848

 

sábado, 7 de fevereiro de 2009

SONS, RUIDOS E ATÉ FALAS.

SONS, RUIDOS E ATÉ FALAS.
(Autor: Antonio Brás Constante)

Os povos do mundo falam em diversos idiomas e mesmo assim desenvolveram tecnologias que lhes permitem uma comunicação quase instantânea com todo planeta. Mas apesar de tudo isto, nós ainda vivemos em uma eterna luta para conseguirmos nos entender com nossos semelhantes, pois o que o ser humano não entende é que ele próprio não se entende.

Quando um bebê nasce, seu nível de comunicação é praticamente zero. A primeira coisa que faz para interagir com as pessoas em sua volta é chorar, sendo este o período de sua vida em que mais vai se valer do choro para chamar a atenção para si (com exceção das atrizes de novelas, com ênfase nas mexicanas, que alcançam o ápice do choro na fase adulta enquanto encenam na tela o que alguns autores acreditam ser uma representação da vida real). Aos poucos as crianças vão descobrindo outros sons, tipo: “Gugu-dada”, “papa”, “mama” e quando tudo mais falha voltam ao clássico “BUAAAAA”.

Dos quatro anos até aproximadamente os doze, o indivíduo passa a utilizar algumas palavras que se transformam em um mantra para conseguir quase tudo o que precisa. E assim fica repetindo do momento em que acorda até a hora de ir dormir as palavras: “MÃE”, “MAMÃE”, e esporadicamente: “Paiê... (seguido da pergunta) Cadê a mãe?”.

A partir da adolescência parece acontecer uma espécie de regressão verbal, e os jovens voltam a utilizar-se de sons ruidosos para se comunicar, tais como: “E aí”, “Só”, “Pode crê”, “tipo assim”, “Ta ligado” e “Iiisssaaaa”, entre outros. Tal linguagem de comunicação é totalmente alheia àquela apresentada nos livros de Machado de Assis que eles são muitas vezes obrigados a ler para passarem no vestibular (que é o sonho muitos pais de alunos em idade universitária - se é que existe uma idade para se cursar a universidade).

Todos estes eventos empurram o ser humano a tão esperada e desesperada fase adulta, onde toda comunicação aprendida até aquele momento é reformatada, condicionada, formalizada, de tal forma que, por precaução, mas se copia do que se cria. Agora somos adultos, com uma liberdade que nos proíbe de chorar, de ser diferentes, pois estamos sob o jugo de outros adultos que também sofrem a mesma pressão a qual somos submetidos.

Passamos a viver em um liquidificador de pretensas normas misturadas com promessas de oportunidades, no qual somos triturados e transformados em um produto que atenda as necessidades da sociedade. Muito pouco de nossos desejos, de nossos sonhos conseguem aflorar, pois já existem desejos demais, sonhos demais, sendo enfiados por nossa goela abaixo, através de produtos prontos para atender as necessidades que não temos, mas que temos que ter para conseguir seguir junto do rebanho humano do qual fazemos parte.

Forçamos nosso cérebro para que consiga desenvolver a fala, mas não ensinamos nossos ouvidos a ouvir, e nesta solidão espremida entre tantos bilhões de seres, acabamos esquecendo de que para viver e sobreviver é preciso saber conviver...

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: www.recantodasletras.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Os 200 anos de Darwin


Há 200 anos nascia Charles Darwin, o pesquisador que viria a propor uma nova forma de encarar a evolução do homem com seu estudo "A origem das espécies".
O evolucionista pauta ainda hoje as grandes questões relacionadas à vida na Terra....
O bicentenário de seu nascimento, no dia 12 de fevereiro, deve ser marcado por discussões na mída sobre a origem e a evolução das espécies, o que mostra a força da sua teoria ...

Comissões da Câmara vão realizar homenagem a Adão Pretto

As Comissões de Direitos Humanos e Minorias; e de Legislação Participativa vão realizar, na próxima quarta-feira (11), às 10 horas, ato público em homenagem ao deputado Adão Pretto (PT-RS), que morreu ontem, em Porto Alegre. A cerimônia ocorrerá no plenário 2 do anexo 2 da Câmara dos Deputados.
Adão Pretto foi um dos fundadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Rio Grande do Sul. Filiou-se ao PDT em 1980. Ingressou no PT em 1985, ano em que se elegeu deputado estadual. Em 1991, tomou posse, pela primeira vez, como deputado federal, e manteve-se no cargo, reeleito seguidamente, para outras quatro legislaturas. Ultimamente, era presidente da Comissão de Legislação Participativa.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

DVD DO TRI- HEXA: LANÇAMENTO

O São Paulo Futebol Clube, a BossaNovaFilms e a 20th Century Fox Home Entertainment apresentam o DVD do Tri-Hexa, registro histórico da conquista inédita do Tricolor Paulista no Campeonato Brasileiro de 2008. Disponível nas lojas a partir de 4 de fevereiro, o DVD traz entrevistas do comandante Muricy Ramalho, do capitão Rogério Ceni, e também de Hernanes, Borges, Zé Luís e André Dias, além do Presidente Juvenal Juvêncio e membros da Diretoria do São Paulo FC. O material ilustra a superação do Tricolor na reviravolta que possibilitou mais uma conquista são-paulina.

 

O DVD "Tri-Hexa", com direção de Thiago Dottori, é o mais recente produto de uma parceria de sucesso entre o SPFC e a BossaNovaFilms, que também foi responsável por registrar as conquistas do clube nos campeonatos de 2007 e 2006, com os DVDs  "Penta" e "Tetra" (sendo que este conquistou o certificado Ouro e de Platina por unidades produzidas e comercializadas).

 

"Tri-Hexa" terá distribuição da 20th Century Fox Home Entertainment, em parceria que potencializará não só a exposição, mas especialmente a quantidade de canais disponíveis para a venda.

 

Extras inéditos como um clipe do goleiro Rogério Ceni jogando na linha, a história do craque Hernanes no clube e comentários da diretoria do São Paulo Futebol Clube, prometem levar os torcedores ao delírio.

 

 

 

Peça indispensável na coleção de todo torcedor são-paulino, o Box Duplo Tri-Hexa está em pré-venda desde dezembro de 2008, ao preço de R$49,90, nas principais redes de varejo online, como Americanas, Saraiva e Submarino, além da própria loja online oficial do São Paulo FC, a www.saopaulomania.com.br .

 

Os compradores da pré-venda receberão um pack exclusivo, com o DVD Duplo e uma faixa tricolor comemorativa como brinde.

MEC distribui livros que valorizam as culturas indígenas e ajudam a preservar as línguas

SÃO PAULO - Os antepassados do povo ticuna, maior nação indígena do Brasil, usavam uma planta chamada wotcha para limpar os dentes. Para a função de fio dental, lançavam mão do fio de tucum, produzido a partir das folhas da palmeira de Tucumã.

A história é contada no Livro de Saúde Bucal, criado por professores ticunas, habitantes das aldeias do Alto Solimões, no Amazonas, para ensinar os alunos como e por que cuidar dos dentes. A obra, que também aborda a importância dos alimentos e da mastigação para a boa saúde, integra uma série de 42 livros que o Ministério da Educação produziu para distribuir este ano.

Os livros foram elaborados nos cursos de formação de professores indígenas,

pelos próprios educadores, para usarem posteriormente em sala de aula. Além das matérias tradicionais, as obras tratam de temas como línguas, ritos, lendas e a literatura indígena, além de focar as questões ambientais.

A tiragem dos livros varia entre mil e dez mil exemplares, segundo as matrículas registradas pelo censo escolar. A primeira remessa, com 17 títulos, foi entregue entre junho e julho em escolas públicas de aldeias do Mato Grosso, Amazonas, Amapá, Pernambuco e Maranhão. O restante, cuja entrega estava prevista para acontecer até o final do ano, continua em fase de produção, de acordo com a coordenadora da Comissão Nacional de Apoio à Produção de Material Didático Indígena (Capema), Márcia Blanck. Ela diz que as obras serão distribuídas até o primeiro semestre de 2009.

Para a escolha dos livros, foram enviados à Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad), do MEC, em 2006, 64 projetos. A Capema, que funciona dentro da Secad, foi responsável por selecionar 42 deles.

Composta por 16 membros, a Capema, criada em 2005, reúne representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai), da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena e de organizações indígenas. De acordo com a sua coordenadora, os livros distribuídos pelo MEC valorizam a cultura, a identidade e as línguas indígenas, respeitando, sobretudo, as diferenças entre os cerca de 200 povos espalhados por todo o território brasileiro. "O Brasil tem 174 mil estudantes indígenas e esses livros são distribuídos desde o Ensino Fundamental até as Licenciaturas. São povos diferentes que falam cerca de 180 línguas e dialetos", explica Blanck.

A decisão de usar as línguas maternas como fontes de cultura e vínculos com a história e a trajetória dos antepassados é resultado de uma série de transformações que vem ocorrendo já há alguns anos dentro das políticas de educação praticadas pelo MEC junto aos povos indígenas. Isso porque, até os anos 80, a educação nas aldeias acontecia em escolas similares às rurais, que funcionavam como uma extensão do modelo existente nas cidades. Não existia um material específico para os índios e não era exigido curso superior dos seus professores.

A partir dos anos 90, no entanto, uma série de modificações foi implementada para tentar modificar essa realidade. Depois da substituição do monitor indígena por um professor apto à alfabetizar e educar esses povos, criou-se a necessidade de um material que atendesse às suas necessidades. "A Capema veio estruturar essa demanda", explica o escritor Daniel Munduruku, autor de mais 30 livros que já venderam cerca de um milhão de exemplares, em sua maioria com temáticas voltadas para índios.

Em línguas maternas, português ou bilíngüe, as obras distribuídas agora pelo MEC abordam diferentes temas como mitologia, lendas, histórias, meio ambiente, literatura, matemática, atividade econômica, modelos de construção de casa e calendários, entre outros. Para Munduruku, que em 2006 foi o responsável por entregar o Manifesto do Povo do Livro ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, as obras distribuídas pelo governo respeitam a diversidade da população de índios brasileiros. "Cada povo tem uma história e uma dinâmica social diferenciada. Cabe ao governo possibilitar que cada grupo reforce a sua própria identidade ancestral", explica.

Muitos conhecimentos que estão nos livros foram recolhidos em trabalhos de pesquisas feitos por professores junto a caciques, pajés e anciãos das aldeias. As pesquisas resgatam desde o vocabulário até cantigas, lendas e histórias.

Desde o lançamento do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), em 2007, a responsabilidade pela reprodução dos livros para as escolas indígenas passou a ser das secretarias estaduais de educação, apesar deles continuarem sendo selecionados e custeados pelo MEC. Dos 24 estados que têm população indígena, 18 tiveram recursos aprovados nos Planos de Ações Articuladas (PAR) para a reprodução de livros. O repasse do ministério para essa finalidade, em 2008, é de R$ 6,3 milhões.

O coordenador da Educação Escolar Indígena da Secad, Gersem dos Santos Luciano Baniwa, acredita que as obras em língua materna ajudam os povos a recuperar a autoestima. "Elas valorizam as culturas e ajudam a dar visibilidade

à diversidade do País", explica. Sobre a preservação das línguas, ele diz que isso pode acontecer de muitas formas e cita o exemplo do seu povo, o baniua, que habita terras em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. Ele conta que para conquistar os baniua no começo do século 20, missões evangélicas e protestantes aprenderam a língua e traduziram a bíblia e os cantos. "Hoje, a língua baniua é uma das mais documentadas em livros e dicionários. Junto com as línguas tucano e neehngatu, o baniua é língua co-oficial do município de São Gabriel da Cachoeira desde 2006", afirma Gersem. (Agência Brasil Que Lê)

 

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

A MÍDIA E OS CONTOS DE FADAS.

A MÍDIA E OS CONTOS DE FADAS.
(Autor: Antonio Brás Constante)

Você certamente já ouviu falar da história do rei Midas, que ficou famoso por conseguir transformar qualquer coisa em ouro com um simples toque. Mas nem mesmo o próprio Midas, se existisse, poderia acreditar que seu toque não seria nada se comparado ao toque da mídia.

Não é à-toa que a mídia é considerada por muitos como o quinto poder, atuando diretamente na mente, nos desejos, transformando inocentes telespectadores em vorazes consumidores. É de se esperar que mesmo os contos infantis entrassem nesta valsa visual, adestrando pessoas já na tenra infância, para torna-las compulsivos compradores.

Mergulhando nesta onda “criativa”, fico imaginando como poderiam ser adaptados alguns contos de fadas e até frases conhecidas para uso do pessoal do marketing. Por exemplo, a propaganda de algum artigo bucal, utilizando-se da história da chapeuzinho vermelho, que ao chegar perto da cama onde o lobo está deitado e disfarçado de vovozinha, diz ao lobo: “Nossa, que boca grande a senhora tem... Cheia de cáries... E com este bafo de quem comeu coisa velha, não dá nem para chegar muito perto... acho que esta na hora de experimentar um novo e revolucionário produto bucal..”

A historinha de João e Maria poderia ser um ótimo pano de fundo para a linha de produtos naturais: “Natural Life Food” (nomes em inglês dão um ar mais confiável aos produtos, parecendo que eles são importados, mesmo que tenham sido feitos ali no depósito da esquina). O slogan poderia ser: “deixe de se perder comendo porcarias, experimente toda linha Natural Life Food, saborosa como uma casa de pão de mel, saudável como viver em um bosque encantado”.

Até mesmo a frase: “o cão chupando manga”, poderia ser adaptada ao mundo do marketing para algo como: “o cão chupando sorvete de manga... Hummm... Um produto bom pra cachorro”. Ou “muito melhor do que um pássaro na mão ou dois voando é também poder voar através da companhia aérea Pênalti” (não é gol mas também é boa) .

E assim vamos vivendo, bombardeados por inúmeros tipos de propagandas, deste a hora em que acordamos e damos de cara com a marca de algum fabricante (gravada em nosso despertador), passando por dezenas de outdoors rumo ao serviço, ouvindo comerciais tanto na televisão quanto no rádio, etc. Tudo muito natural. Afinal, cada vez mais chegamos a conclusão que nascemos para consumir até que sejamos totalmente consumidos pelo tempo.

Enfim, a essência do marketing consiste em se pegar uma coisa qualquer e apresenta-la de tal forma a deixar o consumidor predisposto a fazer qualquer coisa para consegui-la.

A propósito: Sobre o homem que foi encontrado após estar três dias perdido no esgoto, podemos supor que ele estava esgotado?

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: www.recantodasletras.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

Brasil é destaque na maior feira de esportes do mundo

Brasil é destaque na maior feira de esportes do mundo

Começou no último domingo a ISPO 2009, o maior evento de esportes do mundo, que acontece em Munique, na Alemanha, de 31 a 4 de fevereiro, e o estande do Brasil está posicionado estrategicamente na entrada da feira. Somente hoje mais de 15.000 pessoas passaram pelo evento e o Brasil teve a oportunidade de apresentar o excelente momento que o país vive na área de negócios de esporte. As oportunidades principais são referentes aos negócios gerados pela Copa de 2014, pelos Jogos Militares de 2011 e pela candidatura do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016.

O espaço brasileiro é o resultado de uma parceria estratégica entre a ABRIESP – Associação Brasileira da Indústria do Esporte, a Câmara Brasil-Alemanha, a Apex-Brasil (Agência Promotora de Exportações) e o Ministérios dos Esportes. Amanhã as atenções do Congresso Internacional SPOBIS, que acontece em paralelo à ISPO, também estarão voltadas ao Brasil. Com palestras do arquiteto Vicente de Castro Mello, da assessora especial do Ministérios dos Esportes Cássia Damiani e do representante da Apex Internacional Boniperti Oliveira, entre outros especialistas.

Fonte: Mandarim Comunicação

Exposição "Torcedor"

Shopping apresenta exposição "Torcedor"

 

De 28 de janeiro a 15 de fevereiro, a praça de eventos do Shopping Metrô Boulevard Tatuapé vai homenagear os apaixonados pelo futebol com a exposição "Torcedor", que reúne fotografias do livro Torcedor.

 

A instalação artística é composta por sete cubos, cada um deles expressando uma emoção do  torcedor: união, frustração, tristeza, fé, angústia, paixão e alegria. Para ilustrar cada um desses sentimentos, foram escolhidas imagens feitas por Alaor Filho, Egberto Nogueira, Evandro Teixeira, Kitty Paranaguá, Mirian Fichtner, Rogério Reis e Walter Firmo.

 

No púlpito, os visitantes poderão folhear a obra, que possui  prefácio  de Luis Fernando Veríssimo e  textos de Carola Saavedra. Uma grande bola de futebol funcionará como um livro de visitas, no qual os clientes poderão deixar suas impressões sobre a mostra.

 

SERVIÇO: Exposição "Torcedor" no Shopping Metrô Boulevard Tatuapé

Endereço: Rua Gonçalves Crespo, 78 – Estação Tatuapé do Metrô

Local: Praça de Eventos – Piso Térreo

Horário: De segunda a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.

Informações: (11) 2225-7000

www.shoppingboulevardtatuape.com.br

Entrada Gratuita

Ilumideias, novo livro de haicaisde Silas Correa Leite

ILUMIDEIAS, HAICAIS – Resumo, o livro novo de Silas Correa Leite Apresentação: haicai é o denominador comum das poesias todas” Mas...