segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Meu palmeiras vai jogar, junto dele sempre estou



Alma Palestrina retrata com o olhar apaixonado de um palmeirense a vida esportiva de outro tempo. Um tempo em que a voz do coração valia mais que o doce encanto das liras estrangeiras.


Imagine um jogador de futebol que também teve sucesso na prática do atletismo, do vôlei, do basquete e do tênis de mesa, sempre defendendo as cores de um mesmo clube. E mais, depois de tudo isso se tornou árbitro, tendo sido convidado para apitar a partida inaugural do Estádio do Pacaembu. Conhece alguém com esse perfil? Talvez para os tempos atuais seja inimaginável uma pessoa conseguir essa proeza, mas a torcida de um dos times mais vencedores do Brasil pode se orgulhar de ter tido um esportista assim presente em sua história.
Trata-se de Ettore Marcelino Domingues, ou só Heitor, como ficou conhecido pela torcida do Palmeiras, clube do qual é o maior artilheiro de todos os tempos, com 284 gols. Foi o primeiro grande ídolo do time, nas décadas de 1920 e 30, quando este ainda se chamava Palestra Itália.
Mas apesar de tantos feitos, o nome ainda é desconhecido por grande parte da massa palestrina. Heitor viveu em um período no qual a cobertura esportiva ainda era incipiente, razão pela qual há poucos registros sobre sua história, apesar de ter-se eternizado no coração de um povo. Com o objetivo de preservar essa memória, o fanático palmeirense Fernando Razzo Galuppo publica agora pelo selo “Paixão entre Linhas, da Editora Leitura”, Alma Palestrina.
Mais do que uma biografia do genial Heitor, Alma Palestrina é uma forma de gratidão a quem começou uma história gloriosa nos gramados do mundo inteiro. E, como diria o autor Galuppo, uma homenagem a um exemplo de disciplina, dedicação e superação, qualidades que definem a chamada conduta palestrina, perpetuada ao longo das gerações pelas famílias palmeirenses.
E essa transmissão do amor pelo Palmeiras de pai para filho, seguindo a indicação do avô, é bem retratada em outro livro sobre o Verdão. Por Nosso Alviverde Inteiro é uma história em quadrinhos, destinada às crianças, na qual cinco jovens palmeirenses narram toda a história palestrina. Feito na medida para aqueles que estão dando seus primeiros passos no Estádio Palestra Itália.
Mas a trajetória alviverde é esmiuçada mesmo, de Heitor a Marcos, em O Time do Meu Coração. Também organizado por Fernando Razzo Galuppo, este pocket book é um verdadeiro guia que trás todas as informações essenciais sobre o Verdão. Com capítulos dispostos de uma maneira que facilita a leitura, a obra oferece ao leitor todo o histórico do clube, década a década, fichas dos principais jogos, todos os títulos, atletas que mais defenderam o time, maiores artilheiros, patrimônio e muitas curiosidades.
Alma Palestrina, Por Nosso Alviverde Inteiro e O Time do Meu Coração fazem parte da coleção de estreia do selo Paixão entre Linhas. São obras que podem ser compradas juntas, em um kit, ou separadamente, e transmitem a memória do Palmeiras a torcedores-leitores de todas as gerações e diferentes gostos.
_______________________________________________________________________________________

Entrevista de Fernando Razzo Galuppo, autor do livro Alma Palestrina

O que faz do Palmeiras um clube diferente de todos os outros? Por que o torcedor do Verdão deve ter orgulho de seu clube?
O volume de conquistas nas mais de 36 modalidades ao longo dos seus 95 anos é o que mais diferencia o Palmeiras das demais equipes brasileiras e mundiais. O Palmeiras é um sonho olímpico que ultrapassa gerações, além de estar entre as principais equipes do futebol mundial. Para se ter uma ideia, o Verdão foi aclamado no ano 2000 como o Clube Campeão do Século XX tanto no futebol quanto no futebol de salão, por haver conquistado os principais títulos oficiais que disputou. O Palmeiras é o único clube mundial que vestiu a camisa da seleção nacional do seu país no basquete, futsal, hóquei e futebol. O orgulho de ser palmeirense começa a partir do momento em que o clube supera duas Guerras Mundiais, crises internas e externas, pressões políticas e perseguições pela sua ascendência e raiz italiana na sua iluminada fundação, que levaram a instituição a mudar de nome de Palestra Itália para Palmeiras. Para o palmeirense, o seu clube está além da esfera esportiva. É um estado de espírito que está acima de ganhar ou de perder. É uma tradição que se renova de pai para filho. Ele vive o Palmeiras 24 horas por dia de modo visceral e apaixonado. Para o palmeirense não existe o meio termo. Ou estamos no céu. Ou estamos no inferno. Nunca inertes. Sempre inovando através do seu característico pioneirismo, seja nas arquibancadas ou nas ações promovidas pela instituição.

Cite um jogo inesquecível na trajetória do Palmeiras.
Não dá para citar apenas um jogo marcante na vida do Palmeiras. Todo jogo do Palmeiras é inesquecível. Mas, para constar: Palmeiras 4 a 0 no Corinthians em 12/6/1993. Vitória épica que tive o imenso prazer de assistir ao lado do meu querido pai no estádio do Morumbi. Ao longo da história, gostaria de estar presente no estádio nos seguintes jogos: Palestra Itália 2 a 0 no Savoia em 1915, Palestra Itália 2 a 1 no Paulistano em 1920, Palestra Itália 8 a 0 no Corinthians em 1933, Palmeiras 3 a 1 São Paulo em 1942, Palmeiras 2 a 2 Juventus da Itália em 1951 e Palmeiras 3 a 0 Seleção do Uruguai em 1965.

Quais os maiores ídolos da história do clube?

Os meus ídolos palmeirenses que nunca tive o prazer de vê-los jogar, e daria tudo nesta vida para ter este privilégio, são: Heitor, Ministrinho, Lima, Junqueira, Waldemar Fiume, Oberdan Cattani, Dudu e Ademir da Guia. Já aqueles que acompanhei como torcedor no campo são: Velloso (meu primeiro grande ídolo), Careca Bianchesi, Cesar Sampaio, Evair, Edmundo, Zinho, Galeano, Edmundo, Arce, Marcos, Vagner, Valdivia  e Kleber.

No processo de elaboração do livro, houve alguma informação sobre o clube que o surpreendeu?
Sem dúvida que sim. A riqueza moral, social e esportiva da gente palestrina-palmeirense no período pesquisado [décadas de 10, 20 e 30] é algo que nos faz repensar a nossa conduta nos tempos atuais. A cordialidade. A harmonia.  A perseverança. O amor. A superação. O espírito combativo e empreendedor daquela gente é o maior patrimônio que nos foi legado. Resgatar estas premissas é missão de fé de todos aqueles que respeitam e amam o Palmeiras, para que os nossos filhos e netos possam sentir este mesmo orgulho que senti – e sinto – quando mergulho naquela época.

Qual o episódio mais curioso da história do Palmeiras?
São diversos. Mas o mais emblemático é a conquista palmeirense do Mundial Interclubes em 1951. Creio que ali é o ápice de um sonho alimentado durante anos e anos por aquele grupo de imigrantes italianos que fundaram o Palestra Itália nos idos tempos e tiveram a dignidade e o mérito de superar todos os obstáculos que lhes foram impostos e colocaram o nome do Palmeiras  em letras douradas no patamar mais alto da esfera esportiva.

Para terminar, o que acha da dobradinha entre futebol e literatura?
Acho vital. A literatura é uma ferramenta imprescindível para elevarmos a cultura do nosso povo. O futebol é uma linguagem universal que toca o coração dos brasileiros. Ter o privilégio de unir estes dois hemisférios é algo gratificante. Pois, além de um resgate histórico, estamos plantando uma semente que poderá germinar e mudar toda a humanidade. O homem sem a sabedoria contida nos livros estaria relegado a um destino errante.
_______________________________________________________________________________________
 

PALMEIRAS MEMÓRIA
Autor: FERNANDO RAZZO GALUPPO
Gênero: LITERATURA ESPORTIVA
Preço: 29,00
Acabamento: CAPA 4 CORES COM VERNIZ LOCALIZADO / MIOLO OFFSET 1x1
Formato: 16 x 23
N° de Páginas: 296
N° de ISBN: 9788573589290

 




PALMEIRAS POCKET
Autor: FERNANDO RAZZO GALUPPO
Gênero: POCKET BOOK ESPORTIVO
Preço: 12,90
Acabamento: CAPA 4 CORES COM VERNIZ LOCALIZADO / MIOLO OFFSET 1x1
Formato: 13,5 x 17
N° de Páginas: 104
N° de ISBN: 9788573589283
 

ARTIGO - ESQUEÇAM O QUE EU FIZ - Por Newton Lima Neto

 
 ESQUEÇAM O QUE EU FIZ

* Newton Lima Neto 

Madre Cristina foi uma religiosa doce e corajosa, que teve participação ativa na resistência à ditadura militar. Foi ela que, em 1963, conduziu José Serra, então estudante da Escola Politécnica da USP, à sua primeira disputa política: a Presidência da União Nacional dos Estudantes (UNE). A madre viveu o suficiente para ver seu pupilo voltar do exílio imposto pelo golpe militar de 1964 e brilhar na política nacional, mas não para vê-lo se eleger governador do estado mais rico do país: ela morreu em 1997, aos 81 anos de idade. Madre Cristina se decepcionaria ao ver o ex-líder estudantil mandando a tropa de choque para enfrentar manifestações estudantis na USP, em junho último, numa greve de funcionários da universidade. E ela também teria muita dificuldade de entender a recente decisão do governador tucano, de ignorar uma vontade majoritária da USP e nomear como reitor o segundo mais votado da lista tríplice do Conselho Universitário, o diretor da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, João Grandino Rodas.

Ao contrariar o desejo da maioria, Serra não feriu nenhuma lei, já que o governador não é obrigado a indicar o mais votado pelo Conselho Universitário. Isso posto, convém notar que o tucano quebrou uma tradição que vinha sendo seguida desde que os brasileiros recuperaram o direito de escolher seus governadores pelo voto direto, em 1982, quando foi eleito André Franco Montoro, homem conhecido pela tolerância e de quem, aliás, Serra viria a ser secretário da Fazenda. Antes de Serra, a última vez que um mandatário paulista ignorou solenemente o vencedor da lista tríplice da USP foi em 1981, em plena ditadura, quando o governador biônico (como eram conhecidos os mandatários que não eram eleitos diretamente) Paulo Salim Maluf escolheu como reitor da USP Antônio Hélio Vieira, o quarto entre seis nomes.

Em contraste com seu passado combativo, o governador Serra vem se mostrando pouco afeito ao diálogo com a comunidade universitária. Já em 2007, ele baixou um decreto determinando que os recursos orçamentários das universidades públicas estaduais deveriam ser sujeitos à liberação pela Secretaria Especial de Ensino Superior, controlada pelo próprio governador. Foi uma afronta à autonomia universitária, um status que havia sido arrancado pela ditadura militar e que foi reconquistado a duras penas no processo de redemocratização do país. Como os alunos ocuparam o prédio da Reitoria da USP em protesto, o governador acionou tropas da Polícia Militar para cumprir um mandado de reintegração de posse expedido pela Fazenda Pública. A situação só não se deteriorou porque a reitora Suely Vilela preferiu o caminho da negociação. E ela foi muito criticada por integrantes da entourage do Palácio dos Bandeirantes por não ter permitido que a polícia entrasse no campus.

Se o confronto foi evitado em 2007, em junho deste ano, infelizmente, voltamos a assistir cenas que não víamos desde os tempos dos "anos de chumbo": a tropa de choque da Polícia Militar jogando bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha contra estudantes no campus da USP, que revidavam atirando pedras contra os policiais. Foi por ocasião de uma greve de funcionários que recebeu a adesão dos alunos. A paralisação teve fim depois de 57 dias, com o atendimento parcial das reivindicações dos funcionários. Mas o confronto poderia ter sido evitado se o governador tivesse mostrado mais disposição para o diálogo ou maior habilidade política para enfrentar a crise. É preciso reconhecer que, entre as virtudes de José Serra, não consta a de ser um hábil negociador. 

Talvez o governador pudesse aprender com o professor Aloísio Teixeira, reitor da UFRJ. Em 1998, ele foi o mais votado para ocupar o cargo reitor, mas o então ministro da Educação, Paulo Renato – hoje secretário de Educação de José Serra –, não o indicou para o cargo. Em 2003, Teixeira foi novamente o mais votado e, desta feita, foi nomeado. Encontrou uma universidade em pé de guerra, mas soube pacificá-la sem precisar chamar a polícia. Em 2007, o professor Teixeira foi reeleito com 89% dos votos. Serra também poderia ter a humildade de aprender com o presidente Lula, que procura auscultar a comunidade acadêmica e faz reuniões periódicas com os reitores das universidades federais.

Mas não. Ao preterir o nome que tinha apoio maciço do Conselho Universitário, o do professor Glaucius Oliva, o governador agiu à maneira dos czares da Rússia, que baixavam ucases (decretos sumários) sem considerar os interesses da comunidade. É lamentável que alguém que um dia foi presidente da UNE e que tenha sido obrigado a se exilar pelos militares tenha chegado a esse ponto. É como se Serra dissesse: "esqueçam o que eu fiz". Madre Cristina não merecia mesmo ter um desgosto desses.

(*) Reitor da UFSCar (1992/1996) e prefeito de São Carlos/SP pelo PT (2001/2008)

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

SUCESSO EM TODAS AS ATIVIDADES DO SEU DIA!

rosinha.gif

SUCESSO EM TODAS AS ATIVIDADES DO SEU DIA!







SUCESSO EM TODAS AS ATIVIDADES
DO SEU DIA!

IMAGINE QUE O SEGREDO PARA SUCESSO DAS SUAS REALIZAÇÕES ESTÁ

NO CONJUNTO DA SUA VIVÊNCIA,

NO MODO COMO CONQUISTA OS SEGUNDOS DOS SEUS DIAS.

IMAGINE QUE O SOM MAIS BONITO É A TRANQUILIDADE,

O SILÊNCIO, O SECRETO DA SUA ALMA FELIZ E SATISFEITA.

NEM TUDO É PERFEITO, ENTÃO, PARA O SEU DIA SER MELHOR, SEJA MELHOR TAMBÉM!

DESDE O SEU ACORDAR...

FAÇA O MÁXIMO DE SI E RECEBA SUCESSO!

EM TODAS AS ATIVIDADES DO SEU DIA!

PARTES MIRIM

rosinha.gif

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Museu do Futebol inaugura a exposição "Ora, Bolas! O Futebol Pelo Mundo"

 
 

Museu do Futebol inaugura a exposição "Ora, Bolas! O Futebol Pelo Mundo"

 

Mostra inédita leva ao público mais de 50 imagens de registros do futebol ao redor do mundo. Vídeos e uma vitrine com bolas oficiais das Copas desde 1970 completam a exibição.

 

 

No dia 05/12, o Museu do Futebol – instituição do Governo do Estado de São Paulo, localizado no Estádio do Pacaembu – inaugura a mostra "Ora, Bolas! O Futebol Pelo Mundo". Com patrocínio da adidas, a exposição traz 51 fotos que mostram como um jogo de futebol pode ser improvisado em plena Muralha da China ou em um mosteiro budista em Mianmar.

 

Das imagens reunidas, 37 são do fotógrafo Caio Vilela, que pela primeira vez terá suas fotos expostas. As outras fazem parte das coleções editoriais e criativas da Getty Images Brasil, uma das mais respeitadas agências de criação e distribuição de conteúdo visual e multimídia. A mostra conta também com o apoio da Epson do Brasil para a impressão das fotos e fornecimento dos projetores utilizados na exposição.

 

Vídeos e textos levam aos visitantes informações e curiosidades sobre o futebol jogado em 24 países, como Iemên, Suazilândia, Camboja, entre outros. Quem for à exposição também terá a oportunidade de conferir uma vitrine com os modelos das 11 bolas, fabricadas pela adidas, das Copas do Mundo de 1970 até 2010.

 

As imagens retratam como a paixão pelo futebol é capaz de unir diferentes povos. "Não é difícil entender por que o futebol é um fenômeno mundial", diz Caio Vilela. "Jogar ou assistir, xingar ou aplaudir, brilhar ou trapacear. Há várias formas de participar", completa.

 

Caio começou a registrar o futebol de rua há cinco anos, durante suas viagens como jornalista da área de turismo. Durante esse tempo, flagrou curiosidades do esporte pelos cinco continentes. Suas fotos foram publicadas no livro "Futebol sem Fronteiras" (Panda Books), e tem seu lançamento marcado para o mesmo dia da abertura da mostra.

 

Para completar a mostra, a artista convidada Regina Silveira terá sua obra "O Jogador" (1981) exposta ao público. Professora da ECA-USP, a artista é conhecida desde a década de 1980 por obras que exploram perspectivas e sombras a partir do uso de diversos materiais.

 

A exposição pretende trazer ao visitante a cultura e os costumes de outros países e mostrar como o esporte aproxima as sociedades. A curadoria fica a cargo do jornalista esportivo e apresentador da Espn, Marcelo Duarte e do designer e editor de arte de diversas publicações, Augusto Lins Soares.

   

CONTRA A PEC DOS PRECATÓRIOS

 

A PEC 12 se aprovada pela Câmara dos Deputados mudará a forma de pagamento daqueles que têm precatórios (alimentares/trabalhistas e desapropriações) a receber dos Estados e Municípios.

Vamos fazer um grande Manifesto e enviar para a Câmara dos Deputados e Senado o nosso descontentamento e repudia a idéia que tem por objetivo:

  1. Ofender Direitos Constitucionais garantidos por Cláusula Pétrea, que não pode ser revogada pelo legislador ordinário "não constituinte";
  2. Confiscar direitos adquiridos na justiça e limitar o pagamento a uma ínfima parte dos seus orçamentos;
  3. Quebrar a ordem cronológica definida pelo judiciário;
  4. Utilizar índices de correção das dívidas bem inferiores aqueles praticados pelo mercado;
  5. E o pior de tudo, criar um leilão ao contrário, que só receberá primeiro aquele que der o maior desconto;

Este Abaixo Assinado engloba não só os cidadãos que vivem, há anos, este terrível problema, (Precatórios Alimentares/Trabalhistas e Desapropriados pelos Estados e Municípios) bem como para aqueles que ainda poderão vir a sofrê-lo, uma vez que você ainda poderá ter um precatório.


  precatórios, a chamada PEC do calote......repasse....

 entrem no site
     www.abaixosassinado.com.br

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

CAMPANHA PLC 122 (HOMOFOBIA)

PELO AMOR DE DEUS! É PRECISO FAZER JUSTIÇA COM URGÊNCIA!
ACABAR COM ESSA VIOLÊNCIA ABSURDA, MACABRA E IMPERDOÁVEL!!!!
 
VOTEM! EU JÁ VOTEI!
 
(Nair Lúcia de Britto)
 
                              ****

Matthew Shep tinha 21 anos. Foi morto depois de longamente torturado e abandonado num descampado onde agonizou durante 18 horas até morrer. O seu crime?

Ser homossexual.

Ontem, nos EUA foi aprovada a Lei Matthew Sheppard que equipara a homofobia ao racismo como crimes puníveis.

 

O Senado está querendo saber a opinião dos brasileiros sobre o PLC 122, (Homofobia) perguntando se você é a favor ou contra esse projeto que pune atos de discriminação contra homossexuais. Para votar, vá à enquete deste link:

http://www.senado.gov.br/sf/senado/centralderelacionamento/sepop/

no lado direito do site.

Neste momento o "não" está prevalecendo.

Vamos reagir, repassem esse email para todos os seus amigos.

Vamos votar SIM.


REGINAveloso
um NúCleo pra chamar DirCeu 
agência de produções + centro e núcleo de criação do dirceu
skype reginafveloso
+ 55 86 8841 0604 . teresina piauí brasil
nucleododirceu.com

::... antes de imprimir pense em sua responsabilidade com o meio ambiente.



A vida na frente do computador ficou mais simples: Chegou Windows 7! Clique e Conheça

Chegou o Windows 7: Incrivelmente simples! Clique e conheça.


Veja quais são os assuntos do momento no Yahoo! + Buscados: Top 10 - Celebridades - Música - Esportes

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Artigo: Arte de (des) educar

 

Arte de (des) educar

 

* Antonio Gonçalves

Recentemente, a jovem humilhada pelos colegas na Uniban tem ocupado as páginas dos principais jornais do país. Usando vestido curto em sala de aula, a aluna foi hostilizada por centenas de alunos da Uniban e precisou sair escoltada do local. O caso atingiu grandes proporções depois que alunos filmaram e colocaram na internet a hostilização à aluna. O conselho da faculdade, por sua vez, decidiu pela expulsão da aluna. Mas acabou voltando atrás na decisão, através do reitor.

 A alegação para tal punição teria sido desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade. Quais princípios? Qual dignidade e qual moralidade? A função de uma escola é educar. O que vimos foram centenas de alunos no sentido contrário no que tange aos princípios da universidade. Logicamente e por razões óbvias que a opção por punir uma aluna é muito mais conveniente para a instituição, mas tal filosofia adotada pela universidade visou desmoralizar mais ainda a estudante, já humilhada. Mesmo com a revogação da expulsão, de que maneira a aluna poderá voltar a estudar na mesma escola? Como ela se relacionará novamente com os outros alunos? Quais as garantias de que uma nova agressão não voltará a acontecer?

A Constituição Federal é clara em garantir os direitos individuais de toda e qualquer pessoa. Nesse diapasão, temos a liberdade de ir e vir, a liberdade de crença e o princípio da dignidade da pessoa humana. Ainda assim, temos como mandamento fundamental que todos são iguais perante a lei. Mas, parece que a lei do homem não se aplica à lei da universidade em questão, pois arbitrariamente foi decidida pela expulsão da jovem baseada apenas e tão-somente em um comportamento subjetivo, centrado nos seus trajes.

Tal reação causa, no mínimo, estranheza, já que o dever de um professor é transmitir o seu conhecimento para o aluno, e a universidade em fornecer o zelo necessário para preparar a pessoa para seu futuro profissional. Este ato exageradamente repressor tem um caráter completamente contrário aos ditames educacionais, pois mais parece um julgamento moral baseado em um conflito ético.

De tal sorte que, se atitudes como essa continuarem a ocorrer, a educação ficará em segundo plano. A moral, os bons costumes e o próprio aprendizado em como se portar no convívio com os demais, deixará de ser um aprendizado para ser uma atitude discriminatória, na qual o critério será uma régua que terá a função de ser a linha tênue entre o puro e o impuro, de acordo com o comprimento de um vestido ou de uma saia.

A função primordial da universidade é garantir que o ser humano evolua, que adquira conhecimento e que aperfeiçoe seu modo de agir perante os demais. Logo, a medida tomada pela Uniban ocorreu em completo contrário sensu com o que dela se esperaria.

Todavia, o pior ainda estava por vir já que ao ter consciência do desmazelo de sua ação, o corpo diretivo da instituição revogou sua decisão e se o objetivo era reprimir ou restringir a liberdade da jovem, o resultado prático foi diametralmente inverso.

Ao invés da jovem ter consciência de seu erro, seu ato a transformou em uma celebridade instantânea. Resta saber se o regresso à universidade não trará ainda mais hostilidade por seus colegas por parte dessa notoriedade indevida. A função da universidade é educar e quando ocorrem desvios como esse, o desastre é inevitável. Que sirva de exemplo para ser evitado no futuro.

 

* Antonio Gonçalves é advogado e membro consultor da Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP. Pós-graduado em Direito Tributário (FGV), Direito Penal Empresarial (FGV) e Direito Penal - Teoria dos Delitos (Universidade de Salamanca - Espanha). Mestre em Filosofia do Direito e Doutorando pela PUC-SP. É especialista em Direito Penal Empresarial Europeu pela Universidade de Coimbra (Portugal); em Criminologia Internacional: ênfase em Novas armas contra o terrorismo pelo Istituto Superiore Internazionale di Scienze Criminali, Siracusa (Itália); e em Direito Ambiental Constitucional pela Escola Superior de Direito Constitucional. Fundador da banca Antonio Gonçalves Advogados Associados, é autor, co-autor e coordenador de diversas obras, entre elas, "Quando os avanços parecem retrocessos -Um estudo comparativo do Código Civil de 2002 e do Código Penal com os grandes Códigos da História" (Manole, 2007) e "A História do Direito São Paulo" (Academia Brasileira de História, Cultura, Genealogia e Heráldica, 2008).

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

15 de outubro "DIA DO PROFESSOR"




Ensino da matemática é tema de dois cursos na UERJ

O ensino da matemática é o tema de dois cursos oferecidos pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Matemática no 1° Ciclo do Ensino Fundamental, de extensão, recebe inscrições até o dia 11 de novembro, e o curso de pós-graduação Especialização em Aprendizagem em Matemática, até 13 de novembro.

Oferecido pelo Colégio de Aplicação (Cap-UERJ), o curso de extensão tem como alguns de seus objetivos caracterizar formas de conhecimento matemático na faixa etária de 6 a 8 anos e definir metas de trabalho nessa área, apropriando-se de modos de planejar, desenvolver e avaliar a ação pedagógica de maneira integradora. As aulas acontecerão em quatro sábados entre novembro e dezembro, das 7h às 17h. O valor do curso é de R$ 180,00 à vista, ou duas parcelas de R$ 100,00. As inscrições podem ser feitas no site
www.cepuerj.uerj.br.

Já a pós-graduação em Aprendizagem em Matemática é indicada para professores de Ensino Fundamental e Médio que buscam reciclagem frente à demanda por geração de ação pedagógica e sua implementação diante de procedimentos computacionais. A taxa de inscrição para a seleção de alunos é de R$ 60,00, e o valor do curso é R$ 200,00. As inscrições devem ser feitas na secretaria do Instituto de Matemática e Estatística, no Pavilhão Reitor João Lyra Filho, 6° andar, bloco D, sala 6.005 (campus Maracanã da UERJ).

Mais informações estão disponíveis no site do Centro de Produção da UERJ (
www.cepuerj.uerj.br), pelo telefone (21) 2334-0639 ou pelo e-mail cepuerj@uerj.br.

Revista Partes

http://www.partes.com.br/2017/11/01/poema-fora-de-moda/ Poema Fora de Moda Gilda E. Kluppel No vestuário comercial calças de boca de sino...