quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A POESIA DA CABALA - LIVRO DE HIDERALDO MONTENEGRO

INDISFARÇÁVEL

Mas, a língua que toca
o céu
da tua boca
embota
a fala
que se espalha
nos teus olhos
- sala aberta da palavra



CANTO

Uma palavra com gosto de passa
que vem e encaixa no céu
a asa é fala
instiga e não cala


A POESIA DA CABALA


Uma incursão poética ao universo da Cabala. Um mergulho metafísico no mundo abstrato do ser humano, tendo a criação como busca da compreensão existencial. A elaboração poética sustentada pela busca espiritual e a consciência como alvo do crescimento humano. Uma poética voltada para o despertar através de uma poesia centrada, sintética, abstrata e simbólica, forjada por meio de imagens e metáforas.


PARA ADQUIRIR O LIVRO ACESSE:
http://www.artexpressaeditora.com.br/produtos.asp?produto=109

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A PSICOPATIA ESTÁ NO AR

 

"A psicopatia está no ar!", revelou a psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva, na sua obra "Mentes Perigosas". Lendo esse livro entendi, afinal, que o preconceito racial e sexual; o maltrato aos animais; as guerras e até brigas de futebol: tudo é desculpa para a satisfação dos psicopatas.

A psicopatia ganha aliados nos filmes de violência e "entretenimentos", que torturam animais. As cenas recentes de agressão e assassinato tendo como desculpa o futebol é um exemplo.

Se os órgãos públicos responsáveis não bloquearem toda e qualquer manifestação psicopática, disfarçada de entretenimento, teremos um futuro estarrecedor. Afinal, é um dever dos governantes proteger a sociedade.


NAIR LÚCIA DE BRITTO

Jornalista



Quer fazer a bateria do seu notebook render mais? Clique aqui e descubra como.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Evento contará com os colaboradores da obra e com o ex-jogador Pepe, companheiro de Pelé nas épocas áureas do Santos

           Será lançado no próximo dia 6 de março, às 17h, na livraria Cultura do Shopping Bourbon, em São Paulo (SP), o livro Pelé 70, em homenagem ao aniversário de 70 anos do Rei, em 23 de outubro. Idealizado por José Luiz Tahan, da Editora Realejo, e Pedro Saad, da Editora Brasileira, a obra mostra imagens raras da carreira do Rei com depoimentos marcantes de personalidades que acompanharam de perto passagens históricas do maior jogador de futebol de todos os tempos.

        Além dos editores, estarão presentes os jornalistas Michel Laurence, Roberto Muylaert e Xico Sá, colaboradores da publicação, e também o ex-jogador José Macia, o Pepe, segundo maior artilheiro da história do Santos, que também registrou sua marca na publicação com uma história sobre o primeiro encontro que teve com Pelé na Vila Belmiro.

Para o editor José Luiz Tahan, que tem experiência no mercado editorial como livreiro há 20 anos, a fotobiografia pode ser considerada uma obra de arte. “Pelé 70 tem formato totalmente diferenciado, com fotos e fatos inéditos da carreira dele, alguns inusitados e que surpreenderam até mesmo o próprio Pelé”, disse. 

“No ano de Copa do Mundo na África do Sul, um sonho do Rei,  do aniversário de 40 anos do tricampeonato do Brasil em 70, nada mais apropriado do que uma fotobiografia do maior do mundo como um presente para o povo brasileiro, que é apaixonado por futebol”, explica José Luiz Tahan, editor da Realejo, e idealizador da Tarrafa Literária. “Como Pelé é querido mundialmente, Pelé 70 já sai em edição bilíngüe”, completa Tahan. Durante o evento, escritores, editores e colaboradores autografarão exemplares da obra, que terão a opção de dez capas diferentes. 

Serviço:

Evento: Lançamento Livro Pelé 70

Editoras: Realejo e Brasileira (Santos)

Idealizador: José Luiz Tahan e Pedro Saad

Preço: R$ 149,90

Data: 6 de março

Horário: 17h00

Local: Livraria Cultura do Shopping Bourbon

Endereço: Rua Turiassu, 2100, Pompéia, São Paulo

Fotos: Tres das dez opções de capas disponíveis

Crédito: Divulgação

Museu do Futebol apresenta série "Brasil nas Copas"

 

Museu do Futebol apresenta série “Brasil nas Copas”

 

De fevereiro a maio, oito encontros discutirão a participação brasileira nas Copas, desde 1930 até 2006.

 

O Museu do Futebol – instituição do Governo do Estado de S. Paulo, localizado no Estádio do Pacaembu - inicia no dia 27 de fevereiro a série Brasil nas Copas, um ciclo de atividades que discute a participação do Brasil em cada uma das 17 Copas do Mundo disputadas pela seleção canarinho. A série conta com a presença de jornalistas e pesquisadores que irão debater o tema em oito sessões. Os encontros também contam com a exibição de filmes ligados ao assunto.

 

Para inaugurar a série Brasil nas Copas, o jornalista e pesquisador Max Gehringer comanda um debate sobre o tema “Copas do Pré-Guerra”, abordando o desempenho brasileiro nos três primeiros mundiais da história do futebol: 1930, 1934 e 1938. Todos os encontros são abertos ao público e terão distribuição de senhas 30 minutos antes do início.

 

Sobre o Museu do Futebol – O Museu do Futebol é uma organização social vinculada à Secretaria de Cultura do Governo do Estado. Sua realização se deu com recursos do próprio Governo do Estado e da Prefeitura de São Paulo – por meio da Secretaria de Esportes e da São Paulo Turismo – a partir de projeto concebido pela Fundação Roberto Marinho em parceria com Telefonica, Ambev, Visanet, Santander e Rede Globo, sob os auspícios da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura. 

 

 

Programação completa – Brasil nas Copas:

 

27/02

Tema: Copas do Pré-Guerra (Copas de 1930, 1934 e 1938)

Horário: 10 às 12 horas

Convidados: Max Gehringer

 

06/03

Tema: Complexo de Vira-Lata (Copas de 1950 e 1954)

Horário: 10 às 12 horas

Convidados: Roberto Muylaert e Geneton Moraes Neto

 

20/03

Tema: O Bicampeonato (Copas de 1958 e 1962)

Horário: 10 às 12 horas

Convidados: Francisco Michielin e José Carlos Asberg

 

27/03

Tema: A Volta Por Cima (Copas de 1966 e 1970)

Horário: 10 às 12 horas

Convidados: Antônio Carlos Napoleão (a confirmar)  e Ivan Soter 

 

10/04

Tema: Nos Tempos da Ditadura (Copas de 1974 e 1978)

Horário: 10 às 12 horas

Convidados: Valmir Storti e Rafael Casé

 

24/04

Tema: A Era Telê (Copas de 1982 e 1986)

Horário: 10 às 12 horas

Convidados: André Fontenelle e Marcelo Unti

 

08/05

Tema: A Era Dunga (Copas de 1990, 1994 e 1998)

Horário: 10 às 12 horas

Convidados: Maurício Noriega (a confirmar) e Gustavo Carvalho

 

29/05

Tema: Século XXI (Copas de 2002, 2006 e 2010)

Horário: 10 às 12 horas

Convidados: Vladir Lemos e Milton Leite (a confirmar)

 

 

Serviço:

Série “Brasil nas Copas” no Museu do Futebol

Data: 27/02 – sábado

Horário: das 10 às 12 horas

Local: Auditório Armando Nogueira (Museu do Futebol – Praça Charles Miller, s/nº)

Entrada gratuita (senhas serão distribuídas 30 minutos antes)

Site: www.museudofutebol.org.br

Telefone: (11) 3664-3848

Economia e a Política

Correio da Cidadania

 

Economia e a Política

Escrito por Waldemar Rossi

12-Fev-2010

Entramos em 2010, ano das eleições nacionais e estaduais, e já deu pra notar que a mídia burguesa já nos impôs sua pauta: através das "pesquisas eleitorais" os meios de comunicação estão condicionando o povo a conversar sobre quem será o próximo presidente ou governador. Discute-se a superficialidade dessa gangorra chamada "Pesquisa de intenção de voto", uma verdadeira isca que esconde o anzol que vai camuflado. E o povo vai beliscando a isca pouco a pouco até o momento de engoli-la por inteiro, e aí estará fatalmente fisgado.

Desde há muito os processos eleitorais são uma farsa, um verdadeiro processo de despolitização das massas, que passam a jogar no tabuleiro dos interesses do capital: escolher quais os políticos que irão gerenciar a economia nacional ou estadual direcionadas para atender aos interesses das grandes empresas da construção, do agronegócio, das montadoras, do petróleo e seus derivados e, sobretudo, dos grandes bancos privados e ou privatizados.

O que mais nos faz lamentar tal situação é a disposição da chamada militância partidária em nos enfiar goela abaixo seus candidatos, sem o menor escrúpulo, sem o menor interesse pela verdadeira educação política. Cada um desses "cabos eleitorais" tentará convencer os eleitores de que seu candidato é "o bom" e que o outro "tem uma prática política ruim". Sem explicar o que é ser bom ou o que é ter uma prática política ruim. Pura adjetivação, meros chavões desprovidos de conteúdos.

Algo que tais cabos eleitorais não fazem, porque não conhecem, é o fornecer aos eleitores o esclarecimento do papel da economia na vida política nacional ou estadual e na qualidade de vida do próprio povo. Não abordarão as questões centrais dos desvios do dinheiro dos orçamentos (nacional ou estadual) para fins criminosos, como pagamento da agiotagem da "dívida" pública, financiamento de empresas em via de falência, sustentação do agronegócio exportador, construção de hospitais e escolas particulares, mensalões, e outros "ões" mais. Não vão explicar que esse dinheiro sai do nosso bolso e que deveria voltar para o povo em forma de saúde e educação públicas de qualidade e em quantidade necessária ao atendimento universal (isto é, para todos). Não explicarão que esse dinheiro que vem sendo desviado deveria retornar ao povo em forma de transporte nacional ferroviário, em reforma agrária, em saneamento básico. Mas irão justificar a construção de estádios de futebol e de ginásios esportivos para o circo da Copa do Mundo e das Olim"piadas"- que nada mudarão nas estruturas política, econômica, social e cultural deste país. Os candidatos e seus cabos eleitorais farão mil e uma promessas que, já sabemos muito bem, jamais se cumprirão.

Assim, aos poucos, envolvidos emocionalmente pela propaganda eleitoral acabarão torcendo por este ou aquele candidato, sem jamais entender o porquê dessa "escolha" que vai lhes sendo impingida, enfiada goela abaixo.

Não sabe, a imensa maioria dos nossos eleitores, que a base de um governo está no seu projeto de política econômica, se esse projeto está voltado para o atendimento às necessidades vitais do povo, voltado para resolver os gargalos que impedem o verdadeiro desenvolvimento econômico e social do país. E não sabe por que não foi educado a entender minimante de economia política. Muito pelo contrário: vem sendo "educado" há anos para pensar que é incapaz de entender de economia, vem sendo "educado" para ser ignorante e ter complexo de inferioridade. Assim, escolhe entre aqueles que os "sabidos" lhes apresentam como "os bons".

É chegada a hora, o momento histórico de ajudarmos nosso povo a compreender que "economia não é bicho de sete cabeças"; que, se cada um dedicar alguns preciosos minutos diários e ler sobre economia política, se participar de alguns debates com gente séria e entendida, em pouco tempo passará a saber o básico, o essencial da política e da economia política e, com tal entendimento, terá forças para se unir a tantas outras pessoas que também estarão fazendo tal aprendizado, passará a exigir, com o conhecimento adquirido, tudo o que é direito do povo e dever do Estado.

Em bom e oportuno momento, as Igrejas Ecumênicas lançaram – este ano – a Campanha da Fraternidade com o tema "Economia e Vida", um Texto Base que fornece ótimos instrumentos para fazer o intróito nesse suposto labirinto da economia e a sua relação com a vida do povo. Oxalá todos os clérigos e cristãos mais conscientes dediquem bons momentos de estudos e reflexões sobre o tema e propiciem oportunidades a que os seus irmãos na fé se apropriem do conteúdo. Oxalá muitos políticos de carteirinha façam o mesmo com seus eleitores. Para o bem do povo. Pois, como diz o lema da CF-10, Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro.

Waldemar Rossi é metalúrgico aposentado e coordenador da Pastoral Operária da Arquidiocese de São Paulo.





Senhores pais, familiares, professores e amigos das crianças :
*Pela vivência, erramos, acertamos e estamos aprendendo sempre!
Com muito menos experiência, o mesmo acontece no universo infantil
e é por isso que os pequeninos dependem de conteúdos pedagógicos,
da linha didática que desenvolve os valores essenciais à humanidade,
do espelhamento que devemos ser para cada um deles!
Para que sejam melhores do que um dia fomos!
PARTES MIRIM

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

MUSEU AFRO BRASIL ABRE INSCRIÇÕES PARA O FÓRUM SOBRE RELAÇÕES RACIAS

 

 

Museu Afro Brasil: Fórum sobre relações étnico-raciais destaca a comemoração do Mês da História do Negro Americano

 

Evento: Fórum "Uma Visão Comparada das Atuais Relações Raciais nos EUA e Brasil"

Data: 24 de fevereiro, das 14 às 17 horas

Local: Museu Afro Brasil - Auditório Ruth de Souza

Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Parque Ibirapuera

Inscrição: Gratuíta

Informações: (11) 5579-0593

 

São Paulo - O Museu Afro Brasil em parceria com o Consulado Geral dos Estados Unidos promove no próximo dia 24 de fevereiro, das 14 às 17 horas, o Fórum Uma Visão Comparada das Atuais Relações Raciais nos EUA e Brasil. O evento destaca as comemorações do Black History Month (Mês da História do Negro Americano), que todo mês de fevereiro mobiliza a comunidade afro-americana. O evento reunirá especialistas convidados dos dois países para compartilhar experiências e discutir sobre o tema. O Cônsul Geral, Thomas White e o Diretor-Curador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araujo falarão na abertura do evento.

O painel de discussão contará com as participações de seis convidados: Dr. David Brooks,  Cônsul Político – Professor de História; Dr. Calvin Watlington,  Cônsul Administrativo - Advogado; Deneyse A Kirkpatrick, Vice-Cônsul-   Mestre em Administração de Negocios da Universidade de Howard e Mestre em Administração da Universidade de Georgetown; Prof. Luiz Carlos dos Santos, Sociólogo e Pesquisador de Relações Raciais no Brasil; e Jackline Romio, pesquisadora USP/UFBA. A mediação será da Dra. Ligia Ferreira, presidente do Conselho do Museu Afro Brasil.

No encerramento do evento os participantes farão uma visita orientada à Exposição "Eu Tenho um Sonho: De King a Obama - A Saga Negra do Norte", aberta em novembro de 2009.

O evento é dirigido aos funcionários do Consulado Geral dos Estados Unidos, estudantes da USP  e de outras instituições  e interessados nas questões raciais no Brasil. 

 

Mês da História do Negro Americano - Todo mês de fevereiro é  dedicado à História do Negro Americano. Nos EUA são rendidas homenagens às lutas e triunfos de milhões de cidadãos americanos diante dos mais difíceis obstáculos, como a escravidão, o preconceito, a pobreza, bem como às suas contribuições à vida cultural e política da nação.

     O Mês da História do Negro Americano foi uma  inspiração de Carter G. Woodson,  acadêmico e historiador notável,  que instituiu a Semana da História do Negro em 1926. Ele escolheu a segunda semana de fevereiro por coincidir com o aniversário do presidente Abraham Lincoln e do abolicionista Frederick Douglass.

De acordo com o censo, há mais de 41 milhões de habitantes negros nos Estados Unidos, incluindo os de mais de uma raça. Eles formam 13.5 por cento da população total norte-americana.

 

 

Serviço:

Museu Afro Brasil – Organização Social de Cultura
Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Parque Ibirapuera – Portão 10
Funcionamento: de terça a domingo – das 10 às 17 horas (permanência até às 18 horas)
Estacionamento: Portão 3 – Parque Ibirapuera (Zona Azul)
Entrada: Grátis
Informações: (11) 5579-0593

 

 

"CARTÃO DE PÁSCOA"_"MENSAGEM PASCAL"

cartodepscoadoprojetode.jpg

apresentaopscoa.jpg

mensagempascal.jpg

mensagempascoa.jpg

1mensagempascoa1.jpg

mensagempascoa2.jpg


"AULA DA PÁSCOA"_"ARTESANATO COM BALÕES"_"CHAMADINHA ESCOLAR COM CENOURA DE E.V.A LARANJA E FOLHA COM PAPEL CREPOM! BOA PÁSCOA, COM JESUS NO CORAÇÃO!

projetox.jpgprticadoartesanato.jpg


bunnyridingbikeschoolsm.gifBOA PÁSCOA NO RENASCIMENTO, NA PAZ DE CRISTO!


aulinhadepscoa.jpg

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

TEXTO_ música, rima e quadrinha_"BRINCAR CARNAVAL"




BRINCAR CARNAVAL


Brincar carnaval, brincar carnaval,
cantar e dançar,
alegria total!

Uma pinturinha no rosto
ou máscara e fantasia,
vou seguindo brincando muito,
batendo palmas,
me entregando ao banho de espumas!

Brincar carnaval, brincar carnaval,
cantar e dançar,
alegria total!

Tem urso, fada e borboletinha
sambando perto da flor.
Tem confete, tem serpentina,
tem muitas cores em meu amor!

Brincar carnaval, brincar carnaval,
cantar e dançar,
alegria total!

PARTES MIRIM


_

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

ATIVIDADE DE CRIANÇA: "MÁSCARA DE CARNAVAL OU LEMBRANÇA DE COELHO DA PÁSCOA EM E.V.A"



ESSA DICA É BACANA MESMO!

PODE ESCOLHER CONFECCIONAR UMA MÁSCARA DE CARNAVAL

OU LEMBRANÇA DE COELHO DA PÁSCOA!

UM RECURSO SIMPLES, BARATO E LINDO!



mascaradecarnavaloulemb.jpg





DICAS





LEMBRANÇA DE COELHO DA PÁSCOA em E.V.A

MEDIDA total- 30 cm (O tamanho de uma régua comum).



*O modelo da foto está em E.V.A laranja.

É o coelho suporte para mini ovinho. (cestinha)

Fiz rapidinho para a finalidade de modelo mesmo,

te ajudando a ver que as partes precisam ser iguais,

porque aparece a diferença.



Então você faz o molde do seu contorno do coelho

em 15 cm e corta duplo, tá?



*Faz o seu coelhinho branco, que fica lindo!

*O coelho é fechado com fita no pescoço.







*Na confecção da MÁSCARA DE CARNAVAL,

basta enfeitar com colagens diversas, brilhos, botões espelhados,etc.

Fazer o furo nas laterais e amarrar com elástico.

Lembrando que o local para a abertura do olho,

fica entre os "9 e 13 cm" DA RÉGUA.

Em corte duplo, os dois espaços dos olhos ficam certinho!





*Espero que tenham gostado!






quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

ATIVIDADE DE JARDIM DE INFÂNCIA

ATIVIDADE JÓIA PARA FAZER NO JARDIM DE INFÂNCIA!

TEM PINTURA, TEM COORDENAÇÃO MOTORA FINA DE PAPEL

PICADO E AMASSADINHO,TEM COLAGEM, TEM LETRA INICIAL

PARA APRENDER "O SOM DA COR"







PARA FAZER O SEU CADERNO DE SOM E COR,

COM O DEDO OU COM PINCEL, PINTE A FOLHA

DE UMA SÓ COR E ESPERE SECAR. DEPOIS,

AMASSE PEDACINHOS DE PAPEL, FAZENDO BOLINHAS

PARA COLAR SOBRE O TRAÇADO DA LETRA QUE A

SUA PROFESSORA DESENHAR.

AMARELO começa com "A"

AZUL começa com "A"

VERMELHO começa com "V"

VERDE começa com "V"

PARABÉNS! A SUA FAMÍLIA IRÁ GOSTAR!

TENHO CERTEZA QUE O SEU TRABALHO

É LINDO QUANDO VOCÊ APRENDE MAIS.



coreseaprendizagem.jpg

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Estádios da Copa de 2014 serão arenas multiuso

 

Campos esportivos promoverão cultura, turismo, esporte e lazer antes, durante e depois dos jogos

 

São Paulo (09/02/10) O que é uma arena de futebol? Há uma diferença conceitual que as singulariza diante dos estádios que hoje o Brasil conhece. Além do uso básico e fundamental, garantir espaço para as partidas das seleções, as arenas viabilizam diversos espectros econômicos que sustentam o fluxo de visitantes durante os jogos de futebol.

 

Um dos setores que serão impulsionados por essas novas estruturas é o turismo, segundo Rodolfo Torres, Gerente do Departamento de Desenvolvimento Urbano e Regional do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Elas constituirão um novo paradigma do futebol mundial: "Sem arenas, não teremos Copa. Elas integrarão o futebol à inserção sócio-esportiva dos visitantes, além da sustentabilidade ambiental. A Copa se espalha pela economia, o que é uma oportunidade que não pode ser desperdiçada", definiu.

 

Para o BNDES, esses equipamentos esportivos são prioridade de financiamento. Por intermédio do ProCOPA Arenas, o banco visa dar suporte à "construção de campos multiuso de tamanho padrão, o que gira em torno de 45 mil lugares, e autossustentáveis do ponto de vista das operações pós-Copa e do custo de manutenção da estrutura", definiu.

 

Ao todo, o BNDES dispõe de R$ 4,8 bilhões para custeio de arenas brasileiras. O teto financiado será de R$ 400 milhões por estádio, com prazo de 15 anos para pagamento e até 3 anos de carência. A instituição financeira estima que com até R$ 530 milhões será possível erguer completamente uma arena com todas as especificações técnicas exigidas pela FIFA.

 

EXPERIÊNCIA SUL-AFRICANA

 

A cidade de Durban, na costa ocidental da África do Sul, segue a tendência de construção das novas arenas de futebol. Conforme Eric Apelgren, coordenador de relações governamentais para a Copa do Mundo 2010, o caráter multifuncional da arena municipal viabiliza a sustentabilidade econômica desse espaço, pós 2010. "Mais que ser uma estrutura moderna, o conceito permite que o estádio seja usado sete dias da semana", explicou.

 

O futebol, portanto, não será a única fonte de renda desse tipo de estádio. "Buscamos um projeto que possa gerar renda extra e que assegure às áreas de recepção o seu uso durante ou depois da Copa, em outras formas de entretenimento". Um exemplo são as áreas vip, as suítes e o teleférico, já instalado e em pleno funcionamento, que já atrai turistas ávidos pela vista completa da obra de engenharia contemporânea. "Esses espaços são comercialmente viáveis, juntamente com outras áreas públicas ali criadas. O projeto inclui um anfiteatro, área aberta, playground, pista de corrida, restaurantes. Queremos uma Copa muito maior que o próprio futebol", observou. (Mtur)

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Santos 2 x 1 São Paulo - Artigo: "FUTEBOL MOLEQUE"

 

 FUTEBOL MOLEQUE

 

Sou santista desde que me entendo por gente, nascido na cidade e torcedor do Santos FC.

Quando eu nasci, Pelé já era mais do que mundialmente consagrado - coroado “rei”, apesar de seus poucos 19 anos - e o time da Vila Belmiro, que já estava virando “a vila mais famosa do mundo” encantando até quem não torcia para o alvinegro praiano mas, principalmente, tirando o sono dos adversários mais fanáticos.

Aqueles eram tempos de futebol fácil. A única regra era matemática: ganhava quem marcava mais gols do que sofria! Outras máximas desse futebol ofensivo eram: “A melhor defesa é o ataque!” e “Quem não faz, leva!”. Simples, assim!

Com isso, ir aos estádios era pura diversão!

Pelé só saiu, já aos 34 anos, para jogar no exterior. Antes, recusou inúmeros convites para atuar em clubes famosos. E ele não era exceção: até então, dava para contar nos dedos os brasileiros que partiam para o Velho Mundo.

Por conta disso, o futebol brasileiro era uma grande festa, fervilhando de craques e times maravilhosos.

Aí, lá para o final dos anos de 1970, começou o êxodo de brasileiros para o exterior: Marinho Perez, Luiz Pereira, Leivinha, Jairzinho...

O futebol brasileiro, tricampeão mundial jogando “futebol arte”, de repente achou que tinha que aprender com a retranca européia. O 4-2-4 foi morto e sepultado, os pontas foram banidos e entramos na “fila”.

Com a “porteira aberta”, os europeus continuaram a levar nossos craques, nas décadas de 1980 e 1990: Zico, Careca, Sócrates, Romário... Foi nessa época que comecei a ver crianças ostentando, orgulhosas, uniformes de times estrangeiros.

Para piorar, até alguns técnicos de seleção começaram a exortar os poucos craques que ainda estavam no Brasil a irem para o exterior.

Isso também afetou aquele ótimo time do Santos, de 2002:

Perdemos Diego, Elano, Alex e, finalmente, Robinho, o “Rei das Pedaladas”.

As investidas de europeus, asiáticos e árabes chegaram a tal limite, que jogadores juvenis passaram a ser “contratados” ainda nas fraldas. E o futebol brasileiro voltou a ser burocrático, sem graça, tanto que chegaram a importar “ídolos” argentinos, para suprir a deficiência nacional!

Repatriação? Bem, voltavam só os “rodados”, se bem que Zé Roberto ainda estava tão bem, que o chamaram de volta.

Aí, trouxeram o Ronaldo de volta... E dá-lhe marketing!

Ainda investindo no futuro, o Santos fez estrear Neymar; Paulo Henrique Ganso foi outra grata surpresa; Dorival Júnior começou a “arrumar a casa” e aí, quando ninguém esperava, Robinho voltou, antes dos 30! E dá-lhe marketing, também!

E não é de marketing que vive o negócio futebol? E negócio tem que dar “retorno”!

A estréia dele foi contra o poderoso São Paulo, que também é santo e faz dos seus milagres. Mas o time da Vila, pródigo em duplas históricas, colocou Neymar e Robinho, no segundo tempo.

Bastaram poucos minutos para o futebol moleque, simples e envolvente, ressuscitar, num jogão de bola!

E a estrela voltou a brilhar!

Bem vindo, Rrrrrobinho, com ou sem “letra”! E que outros voltem para que a magia retorne definitivamente aos gramados brasileiros!

 

Adilson Luiz Gonçalves

Mestre em Educação

Escritor, Engenheiro, Professor Universitário e Compositor

E-mails: algbr@ig.com.br e prof_adilson_luiz@yahoo.com.br

 

sábado, 6 de fevereiro de 2010

PROMOTORAS LEGAIS POPULARES

Elas são as líderes da comunidade que orientam, dão conselhos e promovem a função instrumental do direito na vida diária de mulheres que trabalham em benefício dos segmentos populares, com legitimidade e justiça.


O objetivo do trabalho dessas promotoras é criar uma consciência entre as mulheres a respeito dos seus direitos. Pois ignorando tais direitos a mulher acaba por prejudicar a si própria.


Também visa desenvolver na mulher uma consciência crítica a respeito da legislação existente e dos mecanismos disponíveis para aplicá-la de maneira a combater o Sexismo e o Elitismo.


Tem como meta levantar questões onde os educadores não são apenas aqueles que educam, mas também são educados no processo de educação. De que forma? Através de diálogos, troca de informações e outras técnicas que permitam um crescimento interior, contínuo tanto para os alunos como para os professores.


Enfim, é um projeto de cidadania com sexo, raça, etnia, orientação sexual e classe social, que teve origem numa união de forças do Instituto Brasileiro de Advocacia Pública – IBAP, da União de Mulheres de São Paulo e do Movimento do Ministério Público Democrático com a intenção de desenvolver a cidadania e igualdade de direitos.


“O curso me fez aprender que, além dos meus direitos, eu tenho os meus deveres para com a sociedade e acima de tudo com o ser humano.”

(Marcia Francisca de Souza – Promotora Legal Popular, formada em 2001, em São Paulo).


Na cidade de Santos o curso será ministrado sob a coordenação das soroptimistas da cidade, na UNISANTA. Às quartas-feiras, das 18h00 às 20h00. Informações pelo telefone:

3261-5508 (13)


NAIR LÚCIA DE BRITTO

Enquanto isso...


Brasília - Michel Temer é reconduzido à presidência do PMDB Foto: Antônio Cruz/ABr

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Faça já sua inscrição no Prêmio SEBRAE e concorra até 25 mil reais


Você tem até o dia 5 de março para inscrever o seu trabalho no Prêmio SEBRAE DE JORNALISMO, que vai premiar matérias e reportagens que abordam o universo das micro e pequenas empresas.
Todos os inscritos receberão uma assinatura semestral da Revista IMPRENSA e ainda podem concorrer aos seguintes prêmios:
• Para os vencedores das 4 principais categorias (Jornalismo Impresso / Radiojornalismo / Telejornalismo / Webjornalismo) o prêmio é de R$ 12.500,00.
• A mesma premiação (R$ 12.500,00) será concedida ao vencedor do Prêmio Especial do Júri, que premiará a melhor matéria inscrita sobre a pauta empreendedorismo.
• A dotação da Menção Honrosa para Fotojornalismo e Repórter Cinematográfico será de R$ 3.000,00.
• E quem conquistar o Grande Prêmio receberá R$ 25.000,00.
Não perca tempo! Selecione suas melhores matérias/reportagens, veiculadas de 1o de janeiro de 2009 até 28 de fevereiro de 2010, e faça sua inscrição no site. Não há limite de inscrição nem por veículo, nem por jornalista.
Depois é só enviar o seu trabalho via correio ou entregar na própria sede da Revista IMPRENSA, no endereço Rua Rego Freitas, 454 - 6º andar, conj. 61 - Centro - CEP: 01220-010 - São Paulo-SP.
Serviço:
Revista IMPRENSA
Fone - (11) 2117-5300
premiosebrae2@portalimprensa.com.br

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Acesso à cultura, nosso maior desafio



Por Antoninho Marmo Trevisan*

Economia forte, instituições políticas sólidas e boas perspectivas colocam o Brasil na posição de uma das nações mais promissoras do mundo neste começo de ano. No entanto, o pouco acesso à cultura continua a ser um dos nossos pontos frágeis.
Estas são as constatações que podemos subtrair dos levantamentos feitos pela revista International Living, publicação norte-americana que, desde o começo da década, elabora a medição informal do índice de desenvolvimento humano (IDH) de quase 200 países. Em 2010, os primeiros colocados são, respectivamente, França, Austrália, Suíça, Alemanha, Nova Zelândia, Luxemburgo, Estados Unidos, Bélgica, Canadá e Itália.
O Brasil aparece em 38º -- nada mal, tendo em vista que foram 194 avaliados, mas ainda assim numa posição menos honrosa que a do Uruguai (19º lugar), da Argentina (26º) e do Chile (31º). Nossas melhores pontuações ocorreram nos quesitos de liberdade e segurança (foram analisados riscos de guerra e de ataques terroristas, e não a questão da violência urbana). Nossos piores desempenhos foram em infraestrutura e acesso à cultura.
O que a International Living fez foi tabular aquilo que constatamos na prática. O Brasil é um País que incorporou os valores democráticos e que pratica a tolerância, mas ainda tem muitas lacunas a preencher. Na área de infraestrutura, um dos nossos calcanhares-de-aquiles, estamos investindo fortemente, mas continuamos distantes dos padrões que nos permitiriam suprir nossas demandas por energia, rodovias, ferrovias, hidrovias e fluxo portuário. Em habitação, nosso déficit é de aproximadamente 7 milhões de moradias.
No âmbito da Educação e da Cultura, é sabido que o Brasil superou problemas antigos, como a falta de acesso à escola. Além disso, segundo o IBGE, em 2008, 56 milhões de pessoas de dez anos ou mais de idade acessaram a internet pelo menos uma vez por meio de um computador. Esse número equivale a 34,8% da população nessa faixa etária.
A mesma pesquisa revela que o uso da internet foi maior entre os mais jovens. No grupo de 15 a 17 anos, por exemplo, a internet é usada constantemente por 62,9% dos jovens. A seguir, vem o grupo de 10 a 14 anos de idade, no qual 51,1% da população tem acesso à rede. Já o grupo de 50 anos ou mais é o time dos desconectados, com uma participação de apenas 11,2%.
O uso do celular também está cada vez mais difundido. Cerca de 53,8% da população de dez anos ou mais de idade tinham telefone celular para uso pessoal em 2008, segundo o IBGE.
Tudo isso indica que estamos acompanhando o restante do mundo em seu ganho de velocidade e no encurtamento de distâncias. Mas é triste saber que o interesse pelas novas tecnologias não se faz acompanhar por um embasamento intelectual que, no mínimo, tornariam mais interessantes e enriquecedoras as palavras que atravessam os caminhos de fibra ótica...
Temos que nos empenhar no combate à má qualidade do ensino e favorecer o acesso à cultura. E um bom começo para o enfrentamento desse problema é a expansão do número de bibliotecas públicas pelo País. Hoje, ainda faltam bibliotecas em mais de 300 municípios brasileiros. O desafio de zerar esse déficit deve ser encarado como uma dívida histórica, por todos nós.
         Além de disponibilizarem livros variados para todos os tipos de público, as bibliotecas funcionam, principalmente nas cidades de menor porte, como espaços importantes para a aquisição da cultura e o exercício da arte e da criatividade. Salas são aproveitadas para cursos de teatro, música e artesanato, e aquelas que recebem equipamentos para projeção se convertem em pequenos cinemas. Graças ao ambiente aconchegante e convidativo, as bibliotecas são opções excelentes para o convívio de crianças e de jovens que, sem essa alternativa, acabariam ficando horas e horas na rua, expostos a toda sorte de riscos e estímulos negativos.
Infelizmente, porém, ainda nos falta trabalhar o apreço pelo livro com a ênfase que ele mereceria. Talvez porque os livros não sejam promovidos por meio de comerciais na televisão, nem tenham, por trás deles, importantes marcas licenciadas a reforçar seu apelo comercial, eles só são lembrados, em boa parte dos lares brasileiros, quando os pais recebem a lista de material escolar no início do ano. Dessa forma, transformam-se em símbolos da obrigação e da rotina, e deixam de ser identificados com aquilo que eles são de fato: companheiros para todas as horas, principalmente as de lazer.
Transformar os livros em objeto de desejo é uma missão que deve ser encampada por toda a sociedade. Eles são inigualáveis na sua posição de alimentadores de corações e mentes. E é importante trabalhar essa questão com uma ênfase bastante grande junto às crianças e aos adolescentes. Coloco ênfase nos mais jovens porque é justamente nos primeiros momentos da vida que as pessoas despertam para o novo e começam a cultivar os valores e as crenças que irão acompanhá-las pelo resto de suas vidas.
Se as crianças sonharem em ganhar livros com o mesmo ardor com que desejam as pistas de corrida, as bonecas e até as pistolas de brinquedo, estaremos mais próximos da construção de um país melhor. Pois não há riqueza maior do que o conhecimento, e é desse tesouro que o Brasil mais precisa.

* Antoninho Marmo Trevisan é empresário, educador e consultor. Preside a Trevisan Escola de Negócios, a Trevisan Consultoria e Outsourcing e o Conselho Consultivo da BDO, e integra o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

Artigo: Acesso à cultura, nosso maior desafio.

 

Acesso à cultura, nosso maior desafio.

 

Por Antoninho Marmo Trevisan*

 

Economia forte, instituições políticas sólidas e boas perspectivas colocam o Brasil na posição de uma das nações mais promissoras do mundo neste começo de ano. No entanto, o pouco acesso à cultura continua a ser um dos nossos pontos frágeis.

Estas são as constatações que podemos subtrair dos levantamentos feitos pela revista International Living, publicação norte-americana que, desde o começo da década, elabora a medição informal do índice de desenvolvimento humano (IDH) de quase 200 países. Em 2010, os primeiros colocados são, respectivamente, França, Austrália, Suíça, Alemanha, Nova Zelândia, Luxemburgo, Estados Unidos, Bélgica, Canadá e Itália.

O Brasil aparece em 38º -- nada mal, tendo em vista que foram 194 avaliados, mas ainda assim numa posição menos honrosa que a do Uruguai (19º lugar), da Argentina (26º) e do Chile (31º). Nossas melhores pontuações ocorreram nos quesitos de liberdade e segurança (foram analisados riscos de guerra e de ataques terroristas, e não a questão da violência urbana). Nossos piores desempenhos foram em infraestrutura e acesso à cultura.

O que a International Living fez foi tabular aquilo que constatamos na prática. O Brasil é um País que incorporou os valores democráticos e que pratica a tolerância, mas ainda tem muitas lacunas a preencher. Na área de infraestrutura, um dos nossos calcanhares-de-aquiles, estamos investindo fortemente, mas continuamos distantes dos padrões que nos permitiriam suprir nossas demandas por energia, rodovias, ferrovias, hidrovias e fluxo portuário. Em habitação, nosso déficit é de aproximadamente 7 milhões de moradias.

No âmbito da Educação e da Cultura, é sabido que o Brasil superou problemas antigos, como a falta de acesso à escola. Além disso, segundo o IBGE, em 2008, 56 milhões de pessoas de dez anos ou mais de idade acessaram a internet pelo menos uma vez por meio de um computador. Esse número equivale a 34,8% da população nessa faixa etária.

A mesma pesquisa revela que o uso da internet foi maior entre os mais jovens. No grupo de 15 a 17 anos, por exemplo, a internet é usada constantemente por 62,9% dos jovens. A seguir, vem o grupo de 10 a 14 anos de idade, no qual 51,1% da população tem acesso à rede. Já o grupo de 50 anos ou mais é o time dos desconectados, com uma participação de apenas 11,2%.

O uso do celular também está cada vez mais difundido. Cerca de 53,8% da população de dez anos ou mais de idade tinham telefone celular para uso pessoal em 2008, segundo o IBGE.

Tudo isso indica que estamos acompanhando o restante do mundo em seu ganho de velocidade e no encurtamento de distâncias. Mas é triste saber que o interesse pelas novas tecnologias não se faz acompanhar por um embasamento intelectual que, no mínimo, tornariam mais interessantes e enriquecedoras as palavras que atravessam os caminhos de fibra ótica...

Temos que nos empenhar no combate à má qualidade do ensino e favorecer o acesso à cultura. E um bom começo para o enfrentamento desse problema é a expansão do número de bibliotecas públicas pelo País. Hoje, ainda faltam bibliotecas em mais de 300 municípios brasileiros. O desafio de zerar esse déficit deve ser encarado como uma dívida histórica, por todos nós.

         Além de disponibilizarem livros variados para todos os tipos de público, as bibliotecas funcionam, principalmente nas cidades de menor porte, como espaços importantes para a aquisição da cultura e o exercício da arte e da criatividade. Salas são aproveitadas para cursos de teatro, música e artesanato, e aquelas que recebem equipamentos para projeção se convertem em pequenos cinemas. Graças ao ambiente aconchegante e convidativo, as bibliotecas são opções excelentes para o convívio de crianças e de jovens que, sem essa alternativa, acabariam ficando horas e horas na rua, expostos a toda sorte de riscos e estímulos negativos.

Infelizmente, porém, ainda nos falta trabalhar o apreço pelo livro com a ênfase que ele mereceria. Talvez porque os livros não sejam promovidos por meio de comerciais na televisão, nem tenham, por trás deles, importantes marcas licenciadas a reforçar seu apelo comercial, eles só são lembrados, em boa parte dos lares brasileiros, quando os pais recebem a lista de material escolar no início do ano. Dessa forma, transformam-se em símbolos da obrigação e da rotina, e deixam de ser identificados com aquilo que eles são de fato: companheiros para todas as horas, principalmente as de lazer.

Transformar os livros em objeto de desejo é uma missão que deve ser encampada por toda a sociedade. Eles são inigualáveis na sua posição de alimentadores de corações e mentes. E é importante trabalhar essa questão com uma ênfase bastante grande junto às crianças e aos adolescentes. Coloco ênfase nos mais jovens porque é justamente nos primeiros momentos da vida que as pessoas despertam para o novo e começam a cultivar os valores e as crenças que irão acompanhá-las pelo resto de suas vidas.

Se as crianças sonharem em ganhar livros com o mesmo ardor com que desejam as pistas de corrida, as bonecas e até as pistolas de brinquedo, estaremos mais próximos da construção de um país melhor. Pois não há riqueza maior do que o conhecimento, e é desse tesouro que o Brasil mais precisa.

 

* Antoninho Marmo Trevisan é empresário, educador e consultor. Preside a Trevisan Escola de Negócios, a Trevisan Consultoria e Outsourcing e o Conselho Consultivo da BDO, e integra o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

 

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Estelionato Educacional

ESTELIONATO EDUCACIONAL.
Data: Sábado, 23 de Janeiro de 2010, 21:00


Quase metade dos professores  temporários,que vão lecionar na escola pública de São Paulo, não conhecem a matéria que vão ensinar. São cento e oitenta e dois mil….
 Fizeram uma prova e não conseguiram a média. O critério foi mudado.Contou pontos até os anos que estavam na sala de aula. Estavam na sala de aula e não sabiam a matéria que deveriam ensinar, foi contado como pontos. Nem assim conseguiram.
Ler mais em:
http://blig.ig.com.br/cremilda/2010/01/23/estelionato-educacional-2/

Revista Partes

http://www.partes.com.br/2017/11/01/poema-fora-de-moda/ Poema Fora de Moda Gilda E. Kluppel No vestuário comercial calças de boca de sino...