sábado, 31 de julho de 2010

Livro Artesã de Ilusórios de Leticia Palmeira






Pequena Resenha Crítica


Livro “Artesã de Ilusórios” - Um Tremendo Bordado Literário de Letícia Palmeira


A compreensão não é um saber abstrato.

É um saber em ação.

Paulo de Camargo



-Mas, afinal de contas, o que é mesmo que Letícia Palmeira escreve? Como classificar sua primeira obra, a estréia em alto estilo, de salto alto? Conto, crônica, ficção, prosa em verso, prosa poética, derramas subjetivos, criações letrais, pirações, qual a classificação narrativa do exuberante livro “Artesã de Ilusórios”, Editora Universitária, UFPB, 2009? Essa é a questão.

Você começa a ler e, baba baby, fica encantado; acha que está entrando num conto, depois periga ver é ensaio, quando não começa meio croniqueta e vira conto, ou vice versa, para não dizer que não falou de flores, ela entra e sai toda prosa de narrativas mirabolantes que seduzem, cativam, tornam o livro um mosaico de tudo o que ela purga, fermenta, depura; olhar de artista descrevendo a vida, com paradoxos, entraves, janelas abertas de sua alma em jorro letral. Já pensou? Artesã de Ilusórios, é, talvez, mas só talvez, uma heroína insatisfeita buscando-se a si mesma, auditando valores existenciais, momentos, transgressões, tentando a autenticidade num mundo perdido, degradado...

-A mulher e flor-fêmea no exercício exuberante de toda a sua existencialização enquanto alma pensante, transbordando, dando corajoso testemunho, quando retrata, recolhe, registra e diz a que veio. Talvez para pensar a vida em que habita, levita, constrói e resgata peculiaridades em verso e prosa. É a mulher que não se basta, não se contém, não se enquadra. Somos continuações. Letícia Palmeira é a liga. Escrevendo ela se dá inteira, questionadora, a consciência-passageira no viço da vida, buscando a felicidade de participar, enxergar, se inserir inteira na paleta sensível de seu estar em si. A artesã que escreve é isso.

-Artesã de ilusórios tem guardados incontidos, com suas vertentes, feito um rosário de parágrafos, de palavras bem torneadas. O texto sagrando a lida da vida. Romântica e crítica. Com seus conceitos e incompreensões que mapeia, entre afetos e circunstancias de viver e ser. “O mundo de janelas abertas. São palavras em terno e gravata, grávidas, idosos, infantis, famintas e libertas. Palavras são a certeza e a visão concreta das dúvidas”. (Pg. 21, Afeto Literário). Essa é a prosa viçosa dela, formada em Letras pela Universidade Federal da Paraíba.

Fala de bichos, gatos, elefantes, dragões, e também do bicho-homem, o bicho-ser, no olival bem ilógico da vida. Quer o arsenal dos verbos. A vida é crucial? Qual é a imagem de nós mesmos no contexto de uma sociedade adultizada e machista? Não, não podemos fugir do lugar e estar que somos. Ou podemos, no escreviver, os destemperos alucinados? No tear de Letícia Palmeira, de anjos a borboletas, cercando o circo da vida. Compondo ou recompondo. tudo. Flores e árias. Clarões. E ela mesmo também ri-se de si, do que agrega, do que envolve com sua criação “Tabuada decorada para dias de prova – Pg. 47, Flor de Decassílabo.)

-Coletivo de pluralidades. Janelas. A madura escritora Letícia Palmeira pinta o quadro do que registra. “Vestígios de mim em outra face, num disfarce de casa antiga querendo mudar de lugar. Pg. 63, Janelas da Voz. A Mãe de Pedro arde em si, evoca almas, momentos, cicatrizes, faz um espólio de tudo. Como Clarice Lispector, poda-se para permanecer inteira e sempre na florada. O submarino amarelo é mais embaixo. A vida tem seus subterrâneos, de anjos a demônios. O amor também pode ser uma droga? Ela é cheia de questões, feminina e lúcida. Poeta a parir prosa feito artesã de si mesma. Se não nascemos inteiros, vamos nos fazendo. Assim é a escritora Letícia Palmeira.

-Traz as compotas da vida em palavras. Os potes de açúcares literais. Diz do homem desconexo, de filosofias e ervas. A vida o que é? Fala de flores e de sabão em pó, fala de sol e de lua, de madalenas e banheiros. Será o impossível? Que perigo é uma mulher pensadora, sentidora, criadora, na plena posse questionadora de si e do que a cerca? A literatura de pequenos espetáculos resgatados. Ah os origamis dos dias...

-Quando escreve é só uma espécie de strip-tease, em que desnuda a vida em toda a sua magnitude? Que labirinto é o pensar/sentir/amar, um quebra-cabeças em que se situa sensual, come e bebe de literatura cozida em vapor de existencialização, feito um fio de Ariadne para ramificar a sua própria contemplação?

No livro, Zélia Farias (Especialista em Língua e Literatura Anglo-Americana pela Universidade Federal da Paraíba) muito bem diz: “Letícia foi Alice um tempo(...). Já era o tempo em que se cercava a Mário Quintana, Clarice Lispector, Virginia Woolf, Ana Cristina César, Lygia Fagundes Telles (...)”. Existir é a arte da paciência sem tédio ou remorso, ou muito pelo contrário? Letícia Palmeira é a busca viva desse entendimento. Mia Couto (in, Último Desabafo de Arcanjo Mistura), diz que esse mundo não é falso. Esse mundo é um erro. Será o impossível? Ah o solilóquio da reflexões depuradas!

-Na sua exuberante literatura, Letícia Palmeira escreve recortes de vida, páginas de angústia e desprendimento, paradoxos e cisternas, olhares plangentes, fragmentos e matizes corajosos, prosa e poesia, um verdadeiro liquidificador de idéias e cobranças a partir disso, feito uma artesã que junta carne e luz, céu e terra, caracóis e pedras, defeitos de fabricação e peças de reposição, coletivos e plurais.

O mundo está dividido entre magoados e inquietos, disse Gabriel Garcia Marques. Nem sempre a lágrima é a medida de todas as coisas. Ler Letícia Palmeira é um deleite. A flor corajosa da arte e da vida, numa linguagem que situa a lucidez e a criatividade. A mulher exercitando a sua plenitude. Daí, a literatura pura.

-0-

Silas Correa Leite – Autor de Campo de Trigo com Corvos, Contos, Editora Design

E-mail:
poesilas@terra.com.br
www.portas-lapsos.zip.net




sexta-feira, 30 de julho de 2010

Opinião

Especialista em islã avalia os impactos da lei do véu aprovada recentemente na França

Doutora em Antropologia Social, a especialista em islã e professora do curso de pós-graduação em Globalização e Cultura da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, Francirosy Ferreira analisa os impactos da lei do véu aprovada recentemente pelo Parlamento francês

Cubram-se com os seus véus!

Francirosy Ferreira*

Em 13 de Julho de 2010 um projeto de Lei nº 524, que entrará em vigor em seis meses após a sua promulgação, foi aprovado na França. Este projeto proíbe o uso da burqa (vestimenta islâmica usada no Afeganistão e no Paquistão) e do niqab (mais usado na península árabe) em vias públicas, em lugares abertos ao público e os destinados aos serviços públicos.

Cabe refletir se este projeto garante autonomia às mulheres muçulmanas. Certamente que não! Considerar que toda mulher que usa burqa ou niqab são submissas e devem ser "salvas" pelos ocidentais é tão violento quanto obrigá-las a usar tal vestimenta. É importante dizer, que o véu não subtrai o pensamento, e a ausência dele não é significado de autonomia. Na França vivem mais de cinco milhões de muçulmanos, mais ou menos duas mil mulheres usam essas vestimentas (burqa e niqab), o que não justifica tal reação. Ao fazer tais proibições estamos deixando de reconhecer e de respeitar às diferenças étnicas e religiosas. A desculpa de proteger essas mulheres não convence à comunidade, nem os Direitos Humanos.

São dois os motivos para proibição do uso dessas vestimentas em público: por questão de segurança (associando o uso da burqa e do niqab ao terrorismo) e o outro motivo refere-se em termos de tradições e costumes de um país (liberdade das mulheres), como acontece na França. A proibição ao uso dessas vestimentas islâmicas tenta esconder um certo "discurso civilizacional" e "ideológico".

A polêmica sobre o uso do véu na França não é recente. Em 1989 o colégio Gabriel Havez teria proibido suas alunas muçulmanas de usarem hijab. Atitude essa que foi recebida com muito protesto. Em luta pelo direito de usar o véu como ocorreu na França em 1989, jovens muçulmanas, que estudavam no colégio saíram em passeata pelas ruas de Paris. A proibição fez com que mais meninas passassem a usar o hijab em sinal de demonstração da sua identidade.

Após o atentado terrorista ao World Trade Center em 11 de Setembro de 2001, o Islã virou foco da mídia, e da comunidade intelectual, mas é possível constatar o crescimento da religião neste período, pude constatar o crescimento de revertidos[1] à religião, sendo que a maioria dessas reversões foi feitas por mulheres. Essas brasileiras, como bem afirmou, no vídeo, Vozes do Islã, Nadia Hussein "não se sentem oprimidas pelo véu".

Sabemos, portanto, que o uso de burqas e niqab são designados por grupos muçulmanos que interpretam a determinação alcorânica de forma extrema, mas também, não seria conveniente avaliar que há aceitação por parte de mulheres que acreditam que essa seja a forma correta de se apresentarem publicamente e de demonstrarem a sua adoração a Deus? Por que quando se trata da religião dos outros, somos intolerantes? É preciso considerar que o desejo de liberdade e de libertação é histórico e situado.

A vestimenta islâmica usada pelas mulheres significa: a modéstia, estar conectado com a sua família, demonstra o orgulho que essas mulheres sentem da sua comunidade, da sua família. Deixar de usar a burqa (niqab, xador, hijab) pode significar um estranhamento muito grande dos laços de parentesco. Então, considerar a ocidentalização como alguma coisa boa, pode ser um grande erro, que pode deixar sequelas na vida dessas mulheres, como por exemplo, limitar a circulação dessas mulheres ao espaço doméstico, pois agora estão proibidas de saírem às ruas com as suas vestimentas. É importante considerar que o sentido do self, as aspirações e os projetos dessas mulheres foram constituídos no seio de tradições não liberais. E exigir que elas tenham a mesma visão de mundo, de pessoa, de comunidade dos outros é querer uma homogeneização social que não existe, pois se a diversidade cultural existe, ela deve ser boa para gente pensar - parafraseado Claude Lévi-Strauss - e para respeitar.

*Francirosy Ferreira é doutora em Antropologia Social, docente do curso de pós-graduação em Globalização e Cultura da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), e organizadora da coletânea "Olhares femininos sobre o Islã: etnografias, metodologias e imagens". São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

 

[1] Para os muçulmanos, todos os homens nascem muçulmanos, isto é, nascem submissos a Deus, mas por qualquer razão se afastam deste caminho, o retorno ao caminho, à senda reta, como costumam dizer, significa retornar, por isso reversão e não conversão, como vários especialistas preferem usar. Para ser fiel aos termos usados pelos nativos, uso o termo reversão, para saber mais sobre esta categoria ver (FERREIRA, 2009, revista litteris)

 

 

terça-feira, 27 de julho de 2010

mensagem:) jogue fora as suas batatas!


MENSAGEM




Jogue fora suas batatas!



O professor pediu aos alunos que levassem uma bolsa cheia de batatas para a sala de aula em determinado dia.

Em cada uma delas, ele pediu que fosse escrito o nome de pessoas de quem não gostassem, que lhes magoaram

ou fizeram sofrer em algum momento da vida.

Eles começaram a pensar e foram lembrando uma a uma...

Algumas bolsas ficaram pesadas, com muitas batatas.

Como os alunos tinham que carregar a sacola para todos os lugares, algumas batatas acabaram estragando e ficando

com mau cheiro.

Ao colocar toda a sua atenção na bolsa, os alunos deixavam de observar outras coisas que estavam a sua volta,

inclusive a aula.

O objetivo da atividade era mostrar o peso espiritual diário que a mágoa ocasiona.

Moral da história: ao se incomodar com os outros, a pessoa acaba se esquecendo de si mesma.

Pense nisso e jogue fora as batatas e essas bolsas cheias de magoas. Como Padre?


No Colo de Jesus, e melhor, mais fácil ainda... Evangelizando!!






_

domingo, 25 de julho de 2010

Romance Um, de Geraldo Lima - Resenha de Silas Correa Liete









Pequena Resenha Crítica

Romance “UM”, de Geraldo Lima – O Discurso Amoroso da Dialética Consciencial




“Estou farto de muita coisa (...).
Eu quero a destruição de tudo o que é frágil”

Roberto Piva


O que pode o ser humano, senão, entre seres humanos, AMAR?. Parafraseando o poeta, é isso o que se dá, naquilo que Cazuza chama de sua metralhadora cheia de lágrimas, em Um, o romance de Geraldo Lima, LGE Editora, uma dialética do discurso amoroso em que permeia a consciência, o paradoxo, o ser humano (no caso, sensível), entre seres humanos, AMANDO. E com tudo isso, claro, a narrativa que vai e volta, choca e instiga, se esconde, aparenta, cita, permeia, desce e sobe, sempre sob o pântano da condição humana nas relações humanas. Será o impossível? Geraldo Lima debuta e enlaça narrativas como quadros cênicos dessa relação amarga-doce, bonita-feia, alegre-triste, sensual-bizarra, mas, antes de tudo, como as cartas de amores são ridículos – olha o Fernando Pessoa! – romances de amor nesses tempos pós-modernos também. Pior, se entre o sagrado e o profano, a carne e o sangue, o santo e o convexo, vivenciam diálogos impertinentes, bem costurados com arrojo de criar sem cair na pieguice romântica do quase ou tanto... pode se dizer que o amor acaba mas a saga continua. Ex-amores são para sempre?

Pois é: o amor tem sim, loucura que a própria lucidez desconhece.

Como se descascasse uma cebola de relação que ameaça, explicita, sai de cena, pensa-se, o autor vai retaliando a relação, fatiando sofrências, acontecências, dando tempo ao verbo e o verbo se faz carne, como se faz tensão, solilóquio, espírito e carranca. Olha a consciência como leitmotiv. Ana é o fio de Ariadne ou Ariadne é uma consciência sagrada pesando, fio condutor, para um interlocutor (interlocutora – a consciência?) onde sempre depositamos o pão e o vinho, do que se vem da carne nas relações proibidas/permitidas, só sonhadas, quem o sabe? Crime e castigo? Ah o crime de amor que faculta o existir... A consciência é a serpente que envenena intenções (ou possíveis intenções em treva branca), ou clarificando pensares, ilações/alusões, faz um inventário de partilhas íntimas, abre véus, aponta o que existe e até o que não existe?

Geraldo Lima demonstra isso aqui e ali, teatrizando ora o possível, o entendido como havido, o medo de algo-alguma coisa, resvalando ora na poesia, ora na prosa, ora meio que lispectoriano sem perder a mão (e a ternura) jamais. Gostoso lê-lo.

A Ana que foi (foi?) e já não é. A Ariadne que poderia ter sido e não foi. O entremeio, o intertexto, as citações, o seminário (que aqui vem de sêmen?...); o possível pecado de, o padre e os estudos, o corpo, a devassidão; nunca completam de uma perdição cobra-cega no paraíso do contar. Que consciência é o divã? Divã de idéias; divagar delas, ah o romance como fio de meada, fio de Ariadne, olhar enviesado, tirar de véus, entrecortar, contando, entrecontar, cortando, pinceladas mágicas de ternura, sensibilidade, como se tudo entre quatro paredes, o voyouver, e vai por aí o bolero-(tango-)mixórdia da contação. O castiço a rapariga, o mortiço dos ambientes propositalmente turvos, e o sexismo, o amor e o pudor. UM, o Romance de Geraldo Lima poderia também se chamar Inferno, fosse invocada a consciência como narradora. Tudo bem, é o espírito que ama o espírito, antes do corpo amar o corpo... isso, nas fáceis vidas difíceis, mas, entre uma sedução e um seminarista, tudo ralhado, há bulhas e cismas. Periga ver. Sentir, chocar com o olhar do que conta o vai-da-valsa, com um medo-coisa, uma solidão-embuste, uma aparência que, sim, engana. De propósito?

Depois que conhecemos o amor, em que lugar (de nós) deixamos as asas? Extremos e lumes. Sangria desatada a... de novo, consciência... repigando sentimentos e ressentimentos. Tudo a ler.

Que cenário é a mente, a casa, a história, lugares nenhuns, todos os lugares? Paulo tece os momentos que passou com Ana, a quase fêmea-fatale (não são todas?), a mulher-aranha com quem morou por algum tempo. Fala da amiga Ariadne, tece acontecimentos e pessoas como referências de vida de passagem. E há o padre Artur, que lhe foi uma espécie de mentor. Com o autor caímos na redoma de vidas, além, claro, de uma sua experiência transformadora que nos leva a reflexões ora incabidas, ora insabidas, ora sagraciais. Sim, meus irmãos, cada um sabe a dor e a delicia de ser o que é, e o que não é. Cada um sabe de que luz faz cruz, de que devaneio faz sentimento, de que santeria interior faz nau insensata, de que atitudes impróprias congela momentos, visões, prismas. Escrever é colocar dúvida em nós mesmos, a partir de olhares novos sobre frinchas revisitadas.

UM é isso: um romance sempre no começo de uma relação que é posterior e anterior ao seu tempo estagnado, mas que viça pela palavra, se alonga, debulha, questiona, avalia e até trinca intenções. Há entrelinhas no ler...

Que milagre é amar e escapar ileso? Escrever é lembrar, lembrar é escrever/ascender (e acender velas na solidão de uma alma em conflito). Depois que um corpo conhece outro corpo, fugir é mergulhar nele, mesmo que seja num palavrear confeitos, contrastes e ramificações do verbo sentir. E pensar é sentir com a alma. A carne é fraca, meus irmãos, o Romance UM foge do cepo da consciência, para cair no labirinto das confrontações. Um romance e tanto. E atual, moderno, nesses tempos em que uma igreja decrépita mostra as vísceras, em que a nódoa da historia nela depositada é remorso, e em que os que passam pelo genuflexório têm que rezar defeitos, lamúrias e resignações de fugas ainda não depuradas. Há um Deus? Periga ver.

A correnteza da narrativa é o contra-fluxo do medo de amar até a página tal, o lado b do que se passou. Há coisas no ar. UM é apenas o começo do zero ao infinito. Tudo pode ser, como também não. Tudo pode ter acontecido, como pode ser um delírio bem orquestrado entre o que houve e o que se coube na relação até o limite do provável.

A mão que oferece a maçã, oferece o delírio do corpo, da carne, do afeto trocado. Amou tem que rezar? A cartilha do amor é o corpo do êxtase levado ao destempero. Amar e sofrer. A corrupção do corpo. A delação da mente. Turvamos o historial para sentirmos a transparência de nós mesmos? Mia Couto dizia que a melhor maneira de mentir é ficar calado. E narrar o questionável? Si, sem o prazer não podemos parecer humanos. E o humano em nós desmonta o falso-sagrado em nós. Escrevemos para medir o destino, ou o amor é um erro?

Geraldo Lima é professor de literatura, e conhece do oficio de romancear. Tem outras obras, alguns prêmios, retrata as relações humanas levadas ao extremo, entre o zelo, entre a mancha; do achado entre o perdido, das neuras e dos perigos letrais das relações amorosas, feito um discurso da posse de, da libertação de, dos atropelos de.

Amar se aprende amando, diria o poeta. Há muita poesia no Romance UM de Geraldo Lima. Ler a obra é desnudá-lo. Ficamos cegos de tanto sentir, ou ler é tirar as tintas e panos do que ele conta, para sentirmos na pele que o livro vai além da experiência mística que inventa de contar?

Que hamster é o ser humano para o suplicio do conviver entre desiguais? Primatas querendo ser divinizados experimentam os horrores das contundências.

O Tibete talvez seja descobrir o humano em nós, depois que passamos tanto tempo no piloto automático da vida infame. E aí entra o amor na sua mais pura devoção, mesmo que paralelo ao medo do fotógrafo que retrata em nós a entrega despudorada, o inominável da submissão à carne, a tarja preta e o código de barras feito sermos todos nós ainda e assim, por isso mesmo o Número UM, introspectivo ou não, daquilo que sabemos de nós, entre o defensor e o algoz, a consciência e a circunstancia de.

O escritor é o que, com uma lanterna, procura o número que somos, que parecemos, que multiplicamos em silêncios, palavras, moinhos de ventos, filtrações e sagradas escrituras. Sagradas?

-0-

Silas Correa Leite – Poeta, Ficcionista, Resenhista
Autor de CAMPO DE TRIGO COM CORVOS, Contos, Editora Design
E-mail: poesilas@terra.com.br
Blogue: www.portas-lapsos.zip.net


Escritor Geraldo Lima






sexta-feira, 23 de julho de 2010

FW: Roda Viva - segunda-feira, 26 de julho de 2010 às 22h00 - Transmissão ao vivo pela Internet


Encaminhado por Nair Lúcia de Britto 
From: rodaviva@tvcultura.com.br
To: rodaviva@tvcultura.com.br
Subject: Roda Viva - segunda-feira, 26 de julho de 2010 às 22h00 - Transmissão ao vivo pela Internet
Date: Fri, 23 Jul 2010 19:29:33 -0300

Ana Beatriz Barbosa Silva
Médica psiquiatra e escritora

Psiquiatras alertam que a maneira de ser e de viver pode contribuir para uma cultura de violência. Na TV e no cinema, psicopatas ganham cada vez mais espaço e seus papéis adquirem quase status de heróis. As manchetes de jornais dão destaque aos crimes, assim como os telejornais exploram o assunto. Corrupção, pedofilia e casos de agressões dividem a atenção dos veículos de comunicação e dos cidadãos.

Ana Beatriz Barbosa é psiquiatra, especializada em medicina do comportamento e estudiosa das questões ligadas à violência. Ela se dedicou ao estudo do funcionamento do cérebro, transtornos e vários outros temas ligados ao comportamento humano. Ana Beatriz Barbosa é autora de sete livros, onde chama a atenção tipos de violência que precisam ser tratados como problema social.

Participam como convidados entrevistadores:
Renato Lombardi, comentarista da TV Record; Ivan Martins, editor-executivo da Revista Época; Cláudia Collucci, repórter de saúde do jornal Folha de S. Paulo e mestre em história da ciência pela PUC de São Paulo e Suzane G. Frutuoso, chefe de reportagem do jornal Diário de S. Paulo

Colaboradores:
Juliana Ferreira Fernandes, publicitária (http://twitter.com/jufernandes); Michel Micas Namora, publicitário (http://twitter.com/micasisses); Simône Noronha, médica (http://twitter.com/simonenoronhaMD) e William Biagioli, produtor audiovisual (http://www.flickr.com/wbiagioli).

Apresentação: Heródoto Barbeiro


Transmissão ao vivo pela Internet a partir das 21H00.


O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h00.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
http://www2.tvcultura.com.br/rodaviva
 


LEVE SEU MESSENGER PARA ONDE VOCÊ ESTIVER PELO SEU CELULAR. CLIQUE E VEJA COMO FAZER.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

VIVA!



VIVA!

QUE BOM QUE VOCÊ VEIO!
A SUA PRESENÇA ALEGRA O MEU DIA!
A FOTO É UM MINI QUADRO DE GUACHE E AMOR:
UMA CÓPIA... MUITO SIMPLES DE ALGO QUE VISUALIZEI
NUMA SALA FRIA. LÁ ONDE HÁ SAUDADE E DONDE NÃO TENHO SAUDADE!
UMA BELÍSSIMA SEMANA!

PROJETO DE LEITURA

OLÁ!

É uma alegria estar aqui na parte infantil do "site".
Aliás, a Revista está excelente!
Parabéns aos editores e colaboradores!

Agora já podemos brindar com o resultado desse trabalho
MARAVILHOSO e 9 capas dos livros do nosso PROJETO DE LEITURA!
Abraços!


sexta-feira, 16 de julho de 2010

De olho na alimentação dos jogadores de futebol

Em 1863, na Inglaterra, nascia o esporte mais popular no Brasil: o futebol. Mas ele só veio pra cá em 1894, graças ao paulista Charles Miller. E em comemoração ao esporte que movimenta o país o dia 19 de julho é o Dia Nacional do Futebol, escolhido por ser a data da criação do primeiro time de futebol, o Sport Club Rio Grande, no ano de 1900.

Mas e para jogar os 90 minutos e não perder todas as energias, qual a alimentação ideal para os jogadores de futebol? “É muito importante que os atletas se alimentem de forma equilibrada com alimentos de qualidade e que sejam variados, para favorecer o desempenho esportivo e evitar as carências nutricionais. Assim se reduz as doenças, o cansaço, recupera os músculos e melhora a saúde em geral” explica o nutrólogo e membro da Sociedade Brasileira de Alimentos Funcionais, Maximo Asinelli. O médico fala sobre a importância dos carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas, minerais e até da água para estes atletas. Confira:

 

Carboidratos

O consumo diário de carboidratos na dieta dos jogadores deve ser de  60 a 70% do valor energético total. “São encontrados em alimentos como pães, massas, cereais, batata, arroz, frutas, mel, entre outros. Sua função é fornecer a energia necessária para o corpo realizar as atividades”, afirma Maximo.

 

Proteínas

Elas servem para construir e reparar os músculos, tecidos, células e auxiliam na produção de anticorpos, enzimas e hormônios. Segundo Maximo, alimentos como carnes, ovos, leite e derivados, feijão, ervilha, lentilha, grão de bico, nozes e castanha são ricos em proteínas. “Caso não haja a reposição através da alimentação pode haver comprometimento do processo normal de síntese protéica, o que leva a perda muscular e a queda do desempenho durante um jogo” esclarece.

 

Gorduras

A gordura é considerada uma das principais fontes de energia durante os exercícios físicos e é utilizada para poupar o uso do glicogênio muscular. Além disso, auxilia na absorção de vitaminas lipossolúveis (A,D, E e K), produz hormônios, protege e isola órgãos e tecidos e fornece saciedade. “As gorduras devem ser consumidas com moderação para não prejudicar o desempenho, já que possuem absorção demorada. O ideal é que o consumo não ultrapasse 30% do valor energético total diário”, ressalta o nutrólogo. Maximo acrescenta ainda que existem as gorduras saturadas e as insaturadas. As saturadas são encontradas em alimentos como carnes, derivados de leite, bolos, salgadinhos, bolachas recheadas e sorvetes. Ela faz mal a saúde e deve ser evitada. Já as insaturadas são mais saudáveis e podem ser encontradas na forma líquida como os óleos de soja, oliva e girassol.

 

 

Vitaminas e Minerais

Elas são fundamentais no metabolismo energético, na contração muscular, na regulação do balanço hídrico, nas funções estruturais e participam do funcionamento intestinal, digestão, circulação sanguínea e sistema imunológico. “O consumo de frutas e hortaliças assegura para o organismo o fornecimento adequado de micronutrientes. Eles são necessários para o crescimento normal e manutenção do organismo”, sintetiza Maximo.

 

Água

A hidratação é importante antes, durante e depois dos treinos e jogos. A cada hora o jogador pode perder até dois litros ou mais de suor. Segundo o Consenso da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (2009) o ideal é que o atleta tome cerca de meio litro de água duas horas antes do exercício e durante a prática deve-se ingerir líquidos a cada 20 minutos. No geral é recomendada a reposição de 150% da quantidade perdida.

“A água mantêm a saúde e a eficiência do organismo na digestão, absorção, circulação e excreção. A hidratação deve ser feita periodicamente durante os exercícios físicos e podem ser usadas, além da água, bebidas isotônicas”, afirma Maximo. O médico ressalta ainda que os atletas devem tomar mais de 2,5 litros de água por dia, devida a grande perda de líquidos durante os exercícios.

 

Serviço:

Doutor Maximo Asinelli (CRM-Pr 13037)

Médico Nutrólogo

Site: http://www.clinicaasinelli.com

terça-feira, 13 de julho de 2010

Cinderelas, lobos e um príncipe encantado

 

                                 Filme de caráter educativo é exibido em curso de qualificação

 

Brasília 13/07/2010- Os participantes do curso de formação de multiplicadores do Projeto de Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes assistiram nesta terça-feira (13) ao filme "Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado", de 2008, dirigido por Joel Zito Araújo. O longa-metragem mostra o sonho de cinderela de brasileiras que buscam encontrar um marido estrangeiro. No entanto, em busca dessa concretização, acabam entrando no caminho da prostituição e das drogas. Algumas delas entram ainda meninas no universo da exploração sexual, buscando melhores condições de vida.

De acordo com a coordenadora-geral do programa Turismo Sustentável e Infância (TSI), Elisabeth Bahia, do Ministério do Turismo (MTur), a exibição do documentário teve o objetivo de sensibilizar e promover a reflexão entre os participantes do curso.

“Muitas vezes, o turismo é o meio utilizado para a exploração sexual de crianças e adolescentes. Nossa meta aqui é contribuir para que os estados tenham condições de elaborar e implementar ações para prevenir este tipo de crime dentro de hotéis, restaurantes, bares e outros estabelecimentos ligados ao setor”, destaca a coordenadora.

Para Maria Alice Araújo, representante do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do Estado de Tocantins, é importante levar a diante esse entendimento. “Sexo com alguém que tenha menos de 18 anos é crime, é exploração, não é simplesmente prostituição. A sociedade não pode aceitar como algo normal”, acrescenta.

O curso na Região Centro-Oeste teve início hoje (13) e vai até a próxima sexta-feira (16). Participam cinco representantes de cada estado, todos de órgãos e empresas ligadas ao turismo. Na semana que vem, será a vez da Região Sul receber o curso.

DENUNCIE

A exploração sexual de crianças e jovens, até 18 anos incompletos, é crime. E a legislação brasileira prevê punição para quem pratica ou facilita. Para denunciar os casos, ligue gratuitamente para o Disque 100 ou procure o Conselho Tutelar mais próximo.

 

Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Agnelo Pacheco cria campanha em prol das vítimas de tortura e maus tratos

A agência elaborou peças publicitárias e vinhetas em rádio para estimular denúncias em todo estado


A Agnelo Pacheco Comunicação acaba de lançar a campanha para a OAB SP contra a tortura. Com o título "É impossível apagar as marcas da tortura", a mensagem busca enfatizar o fato de os crimes de tortura e maus tratos deixarem marcas inesquecíveis e irreparáveis nos seres humanos.
Veiculada em spot de rádio, banner na internet e cartaz, a campanha visa estimular a denúncia de qualquer tipo de tortura, prática que configura crime inafiançável, ainda muito comum no Brasil. "O resultado final da campanha expressa os traumas e as lembranças que esta prática de violência provoca para o resto da vida", afirma Agnelo Pacheco.
Esta campanha vem somar-se às outras da OAB SP, voltadas diretamente para a defesa da sociedade civil, como contra a violência à mulher, ao idoso, ao meio-ambiente, ao trote violento entre outros. Destaque para a campanha contra a pedofilia, elaborada pela Agnelo Pacheco em 2005, vencedora do prêmio Voto Popular.

domingo, 11 de julho de 2010

O ESPELHO DE ALICE




Alice era muito magra, muito pálida e muito calada. Caminhava se encolhendo, tentando se esconder. Alice e o seu corpo eram uma dificuldade. Ele a limitava, a aprisionava, a castrava.

Mas, Alice era uma sonhadora. Bastava ficar em frente ao seu espelho que ela se transformava.

Para ela, a única coisa real na vida era aquele espelho. Ele, sim, é que refletia a sua verdadeira natureza e essência. Assim, sua vida era toda desenrolada na frente dele.

Nele, ela realizava sua história. Despia-se à vontade. Ria, chorava, cantava, gesticulava, fazia amor, segredava suas fantasias. Enfim, o espelho era a única coisa concreta em sua existência.

No espelho ela via sua beleza, sua força, seu talento, sua bondade, seu destino. Ele era mágico, pois, tudo nele era realizável. Nele, ela se reconhecia. Nele, ela se completava.


PARA ADQUIRIR O LIVRO ACESSE:

http://www.simplissimo.com.br/store/o-espelho-de-alice.html

VIOLÊNCIA À MULHER

DE MULHER PARA MULHER IV
Na noite de ontem, no JORNAL NACIONAL, da Rede Globo, foi assustadora a estatística apresentada nos casos de violência à mulher.
Os motivos que estão em maior evidência são "pensão alimentícia" e o "machismo" ainda presente na população masculina quando o homem não aceita  o término do relacionamento
amoroso por iniciativa da mulher.
Os casos de violência aumentam a cada dia não só quando o homem é  agressor como também quando  não existe a devida cautela por parte da mulher, ao se envolver intimamente com um parceiro que mal conhece.
Psiquiatras e médicos ginecologistas têm feito vários alertas às mulheres através da mídia sobre o grave perigo num envolvimento imaturo...
Quanto à saúde, o resultado são doenças que se alastram.
A falta de cuidado em relação à própria saúde leva a vários tipos de enfermidades; e a irresponsabilidade e o desrespeito para com o outro leva à proliferação dessas mesmas doenças.
Sob meu ponto de vista, para se previnir da violência, a mulher deveria, antes de se envolver num relacionamento, procurar saber os antecedentes do rapaz pelo qual se interessa.
Como ele se porta com os amigos? E com a mãe dele, ele é um filho carinhoso, protetor e amigo? Como ele se comportou com suas antigas namoradas? Soube enfrentar bem as frustrações que todos nós temos na vida?
É uma pessoa de hábitos higiênicos e que valoriza a saúde?
Que tal ambos checarem se estão devidamente imunes de algum problema de saúde antes de se relacionarem e,  depois, manter fidelidade mútua?  
Ter filhos com um homem com quem você não tem nenhum vínculo afetivo e nem a menor chance de um dia poder constituir uma família... Depois exigir pensão propicia muitas desavenças que quase sempre acabam em violência, com muitos prejuízos emocionais para uma criança inocente.
Na minha opinião, quando o homem não assume a paternidade, o melhor a fazer é desistir da "pensão", oferecer à criança um ambiente de paz e criá-la com o fruto do próprio trabalho.    
Mas isso não é justo! Não, não é. É difícil! Bastante.
Por isso a mulher deve escolher muito bem o pai do seu filho.
Para o bem dele e da própria mulher que o gerou.
                                                 Nair Lúcia de Britto.                                             

quinta-feira, 8 de julho de 2010

O DEMôNIO DE CADA UM DE NÓS



O DEMÔNIO EXISTE REALMENTE?

Nada é o que parece ser. Pra começar, com o conteúdo deste livro. Isto confirma que podemos facilmente nos enganar e sermos enganados.
Somos tentados ou repudiamos as coisas por pura ilusão. As pessoas constroem interpretações antecipadas e isto é a origem dos preconceitos.
Como é dito na Bíblia: “Conhecerás a verdade e a verdade vos libertará”. Para nos libertarmos dos demônios que nos atormentam precisamos eliminar a ignorância que nos assombra.
Se existe um demônio que nos amedronta este é o medo e o medo, neste campo, é fruto da ignorância. Assim, se existe uma fórmula para exorcizarmos algum demônio, então, esta está no conhecimento.
Só a verdade pode libertar o ser humano de todos os seus demônios.

PARA ADQUIRIR O LIVRO ACESSE:
http://www.simplissimo.com.br/store/o-demonio-de-cada-um-de-nos.html

segunda-feira, 5 de julho de 2010

SAMPARAGUAI - Regurgitando Roberto Piva - Silas Correa Leite





Samparaguai, Regurgitando o Escárnio


E para que ser poeta em tempos de penúria?

Roberto Piva

......................................................................................................................


A grande metrópole de Sampa entregue a tantos demônios
De máfias e quadrilhas do crime organizado paraestatal
(Inclusive o miolo formal das privatarias, privatizações-roubos)
Pela falsa lei de oferta e procura com subornos no entorno
O mercado-cadela parindo monturos de rejeitos sociais
O narcocontrabando informal e os new-richs da terceirização
Prostitutas, travestis, e os excluídos sociais entre favelados
E marginais baratos rendidos ao jogo de aparências e ao crack
Na cidade grande o núcleo do charco iluminado pra consumo
Entre estátuas e cofres e restos de seres entre tantas vendas
A consciência-formiga querendo o açúcar das noites efêmeras
Entre a tecnologia cabritada e a sensibilidade hollywoodiana
Numa augusta sampa que cria modelitos para o resto do Brazyl
Embrutecida urbe de escarros e dejetos entre abraços de palhas

Totens, bancos, catedrais - e parasitas de todos os estilos
Personagens bizarros, decrépitos; revistarias de novidades sórdidas
O álcool-íris das cirroses letrais como furos de labirintos e panelas
Arames-fariseus, lamúrias com discórdias consentidas
E jugos superiores no status-quo a preço de vidas descartáveis
E a cidade grande feito Samparaguai sitiada entre guaritas
Pelo cinturão verde da muamba chinesa entre parasitas
E o dólar neoliberal do neoescravismo inconsequente

Tabletes de felicidade química em pó marmóreo sulatino
Ah Geração Teflon que esquenta mas não quer aderência
Cérebros-barrinhas-de-cereais com esquisitices exóticas
O bordel excelência da Avenida Paulista de liberais escrotos
As máfias da expropriação et caterva por atacado
Os cérebros nanicos de aluguéis gerando lucro com a fome
As proust-trutas de uma peregrinação miserável para a sobrevida
O câncer social via Pinóquio de Chuchu e outros leprosários
Tudo um gigante Carandiru a céu aberto com bandeiras do Brasil

Os beco-hambúrgueres ardis, estacionamentos-cidades hostis
Os guetos-tubainas, cortiços e a sofrida periferia S/A
As oxige-nadas da alta sociedade num podre pop-star
A tevê que esconde a senzala mas se mostra cloaca
O governo paralelo do crime organizado nutre e viça
As propinas estatais pró-partidárias de tucanos insanos
Professores ganhando salário de mendigos na exclusão proposital
Quadrilhas em praças de pedágios entre brucutus fantasmas
E o cogumelo do self; a sopa de egos-bandeirantes, assaz sina
Tudo putrefetado em modus operandi ordem e progresso
A nova mpb que não é nova não é popular e não é brasileira
A cultura pindorama miojo-nojo de almanaque de ocasião
A sazonal oposição caça-níquel à república de Brasília

Os operários da web com barrrigas de tanquinho e links dúbios
Na esquina da Ipiranga com a São João a máfia dos transportes
E Samparaguai prevaricando improbidades públicas
O minimo estado cínico corrupto e inumano e amoral
O patê de víboras na sala vip das autoridades histéricas
O som jeca com grife, na orgia pagã-pirata, a elite branca
O cadafalso do rodo-anel que foi um tremendo roubo-anel
O cassino estaiado superfaturado para agradar a gregos e baianos
Sociedade hipócrita de sampa e seus universos paralelos, primatas
A midia-nódoa, o crime de obras inúteis sem castigos sonhados

O lucro fóssil, o poder camarão, os caras de pau
Marginais engabelando capos de surubas com erário público
As tecnologias de cipós entre regimes de exceção e arbítrio
O turismo lepra, pedofilias e tráfico de influências sistemizadas
Ongs de araque em campus minados de consciências com glosas
O centro velho entre velhacos de porões e arranha-céus decadentes
Nas periferias mutantes com machadinhas de raps mandorovás
As tetas do capitalhordismo americanalhado e circo e pão e brioches
Descarregos-pivôs entre o boi-bumbá e os migrantes com ódio-ópio
E os orientais chegando... chegando... para o futuro chino-brasilis
Depois do afrobrasilis-tupídavidico e suas orgias natividades...


Os nóias filhinhos de papai em clãs falsos como notas de três reais
Os seres-reses em situação de rua - não constam em estatísticas
O morumbi (se gritar pega ladrão não fica um na geografia-beronha)
As importações insensíveis e o medo de mudanças que mudem mesmo
A mágica do dezelo público impune re-elegendo quem rouba e diz que faz
Discórdias sindicalizadas com pelegos no flanco querendo levar vantagem
Caras pintadas subjugados com medo da cota dos negros aos brancos
Condomínios sitiados por favelas, enchentes e ladrões de faróis
A Máfia do Lixo em contratos que cheiram mal e se consumam

(Trombadinha é a fome)

A bela prostituição generalizada de grosso calibre
As pegações-ping-pong dos estábulos entre jecas e rodeios criminosos
A manada de parangolés embrutecidos pela cidade desmiolada
Futebol-marionete entregue ao deus-dará da lavagem de dinheiro
A antimateria, a antipoesia, a marginália querendo gangrenar miolos
Tecnologias efêmeras, assédios de consumos em amebas com grana
Uma espécie de sub-rota para uma fuga em massa pra Miami-Esgoto
Alckmin, CPIs abortadas, bem parecendo um genérico de Collor-cover
O ladrão municipal e o ladrão estadual no mesmo antro cordial
Criticando uma Brasília federal com seus asnos e seus sonhadores
A justiça caolha e canalha de uma elite sem pudor em falsos credos
A imprensa marrom de um caostólico que cheira a formol
O padre-circo, o pastor-bunker, o espírita flanelinha num bat-macumba
E os jumentos da espécie entre universiotários e o sertãonojo
De brasis gerais em sépias de gruas entre o cimento armado

Os demônios do lucro amoral, riquezas injustas, propriedades-roubos
Lucros impunes - e os emo – ai de ti paulicéia desvairada
O rei rói a roupa do rato do maracatu atônito
Alguma brega parada suspeita, ou balada ou rave
O luxo-fusco: compram e gastam para saciar rebeldias inócuas
Lexotam: tomam coke zero e arrotam poses com flatulências sonoras
As tetas da vaca sampa suga sangue suor e a alma
De crianças e jovens, entre grades e aparelhos no dente como gps

E somos todos engabelados pelo corvo do consumo vil, na volúpia
Um Samparaguai sujo pela marginália de tantos num cardume
Entre fracassos-drops e casagrandes de oprimidos

Não conduzimos: somos conduzidos

Basta ver

No poder

De terno, gravata, túnica, toga, farda

E colarinhos brancos, os bandidos!


-0-


Silas Correa Leite
E-mail: poesilas@terra.com.br
www.portas-lapsos.zip.net

Ilumideias, novo livro de haicaisde Silas Correa Leite

ILUMIDEIAS, HAICAIS – Resumo, o livro novo de Silas Correa Leite Apresentação: haicai é o denominador comum das poesias todas” Mas...