terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Kassab mostra evolução das políticas sociais em Direitos Humanos


No Dia Internacional dos Direitos Humanos, prefeito afirmou que os Núcleos em funcionamento nas subprefeituras são vitais para a evolução de São Paulo

Foto de Fábio Arantes/Secom





O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, participou na manhã desta segunda-feira (09), da Celebração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, em evento realizado na sede da prefeitura, região central. Na ocasião, representantes das subprefeituras falaram sobre a evolução dos Núcleos de Direitos Humanos (NDHs), implantados pela Portaria nº 001/CMDH/SMSP/2012 e regidos pelo Decreto Municipal nº 53.133/2012.



Kassab lembrou que implantar núcleos voltados para os Direitos Humanos representa mais um desafio superado nesta gestão. “Se uma cidade do tamanho de São Paulo conseguiu implantar políticas públicas voltadas para os Direitos Humanos, qualquer município pode conseguir”, disse e complementou: “Esses núcleos mantêm um trabalho sério realizado por pessoas comprometidas em fazer de São Paulo uma cidade melhor”.

Secretário municipal dos Direitos Humanos, José Gregori, fala sobre importância de disseminar a informação


A implantação dos Núcleos é uma iniciativa da Comissão Municipal de Direitos Humanos de São Paulo (CMDH-SP), e conta com o apoio da assessoria técnica do Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal (Cepam), atendendo ao item 42 do Programa de Metas da Prefeitura - Agenda 2012. O grupo é formado por representantes da comunidade local e funcionários das subprefeituras. Segundo o secretário municipal de Coordenação das Subprefeituras, Ronaldo Camargo, São Paulo é a única cidade do país a ter uma pasta exclusiva para esta vertente. “Isso é novidade, é empreendedorismo e modernidade. Um trabalho pioneiro implantado pela atual gestão”, completou.



Os órgãos de Direitos Humanos nas Subprefeituras têm a finalidade de mobilizar e ampliar o controle e fiscalização das políticas públicas em execução. De 2008 a 2010, o Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos formou aproximadamente 3 mil servidores municipais. O objetivo foi ampliar os debates sobre os Direitos Humanos, sensibilizar e capacitar os servidores municipais na gestão e monitoramento deste setor. Nesse contexto, as subprefeituras foram identificadas como espaço privilegiado à mobilização e articulação de ações, em conjunto com a CMDH. Para o secretário municipal dos Direitos Humanos, José Gregori, a implantação dos núcleos só foi possível devido ao apoio do prefeito. “Eu não teria feito nada se não fosse a liberdade e compreensão do prefeito sobre a importância de trazer para a esfera municipal as questões humanitárias”, finalizou.



sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ENC: MEDICINA DO ESPORTE - II Fórum do CFM debate preparação médica para Copa e Olimpíadas

As novas regras para controle da atuação do médico na medicina do exercício e do esporte são o tema do II Fórum de Medicina do Esporte do Conselho Federal de Medicina (CFM), previsto para o dia 27 de novembro, na sede da entidade, em Brasília (DF). O tema cresce em importância numa época em que o Brasil desponta no cenário internacional e se prepara para sediar grandes eventos desportivos, como a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

 

Entre os tópicos que serão abordados estão alguns de interesse especialmente para as modalidades que contam com atletas de alto rendimento. Durante o II Fórum serão analisados, por exemplo, aspectos relacionados à avaliação pré-participação, além da preparação médica para a Copa de 2014 e para as Olimpíadas de 2016.

 

As discussões contarão com a participação de atletas, de clubes - como o Flamengo -, e de representantes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). O encontro está com inscrições abertas, que podem ser feitas gratuitamente pelo site .....

 

Entre os expositores, aguarda-se a abordagem que Nabil Ghorayeb (chefe da seção médica de Cardiologia do Exercício e do Esporte do Instituto Dante Pazzanesi) e de Ricardo Munir Nahas (Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte ) darão aos riscos e benefícios relacionados à Medicina do Exercício e do Esporte.

 

Também serão abordados aspectos vinculados à legislação relacionada à atividade, com moderação do fisiatra e conselheiro federal Cláudio Franzen. A conferência contará ainda com uma apresentação sobre o tema As leis e o CFM, com relatoria do 3º vice-presidente da entidade, Emmanuel Fortes Silveira Cavalcanti, que também é o coordenador da Câmara Técnica de Medicina do Esporte do CFM.

 

As inscrições para o encontro estão abertas e são gratuitas. Para participar, inscreva-se aqui.




Confira abaixo a programação completa do evento.

 

II FÓRUM DE MEDICINA DO ESPORTE

 

 

NOVAS REGRAS PARA CONTROLE DA ATUAÇÃO DO MÉDICO NA MEDICINA DO EXERCÍCIO E DO ESPORTE

 

Data: 27 de novembro de 2012

Local: Auditório Antonio Gonçalves Pinheiro - CFM

 

 

 

8h30 às 8h45 - Credenciamento

 

8h45 - Abertura

           Roberto Luiz d'Avila - Presidente do CFM

           Emmanuel Fortes Silveira Cavalcanti - Coordenador da Câmara Técnica de

           Medicina do Esporte

 

MANHÃ

 

9h às 10h15 - Mesa: A Medicina do Exercício e do Esporte: riscos e benefícios

   Moderador: Nabil Ghorayeb

 

9h às 9h15 - A Medicina do Exercício e do Esporte: riscos e benefícios

Relator: Ricardo Munir Nahas

   Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte - SBME

 

09h15 às 10h15 - Debates

 

10h15 às 10h30 - Intervalo

 

10h30 às 12h - Mesa: A Legislação em Medicina do Exercício e do Esporte

     Moderador: Cláudio Franzen

 

10h30 às 10h45 - As Leis e o CFM

                             Relator: Emmanuel Fortes Silveira Cavalcanti

          Conselho Federal de Medicina - CFM

        

10h45 às 12h - Debates

                       

12h às 14h - Intervalo

 

TARDE

 

14h às 15h15 - Mesa: Conhecendo o Atleta de Alto Rendimento

     Moderador: Wilson Piazza

 

14h às 14h15 - Avaliação Pré-Participação

    Relator: Serafim Borges

       Clube de Regatas Flamengo - CRF

    

14h15 às 15h15 - Debates

                       

15h15 às 15h30 - Intervalo

 

15h30 às 17h - Mesa: Preparação Médica para a Copa e Olimpíadas

     Moderador: Wilson Piazza

 

15h30 às 15h45 - Copa do Mundo

        Relator: José Luiz Runco

Confederação Brasileira de Futebol - CBF                                                 

15h45 às 16h - Olimpíadas

                            Relator: João Alves Grangeiro

       Comitê Olímpico Brasileiro - COB

 

16h às 17h30 - Debates

 

17h30 - Encerramento

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

JOGO +1


DE 05 À 09/11/2012, PARTICIPEI DO CURSO COM A BRINQUEDOTECA
PROMOVIDO PARA OS SERVIDORES DA PREFEITURA DO MUNICPIO
DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. AGORA TAMBÉM JÁ SOU MAIS UMA
EDUCADORA BRINQUEDISTA.

Claudia.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Desgovernados


por Marli Gonçalves

Se contar ninguém acredita. Não tem dia que você tem vontade de esfregar muito o olho para acreditar no que vê? Ou pensa em enfiar bem forte um cotonete no ouvido para ter certeza que não está entupido, e que você não está louco, não? E me diga se essa semana não bateu recorde, e se o número de sandices ditas pelas autoridades não ultrapassou os limites. Mais do que isso já poderemos decretar calamidade pública! Enchente de saco! Salvem-nos desses governantes!


Eu gosto. Gostaria de poder escrever com mais frequência sobre coisas leves e divertidas, ligadas a comportamento, costumes, mas quem disse que dá? Não dá para escrever sobre flores. Sobre crianças, só se for para recomendar que tampem seus ouvidinhos e não aprendam nada com esses tipos que declaram as coisas nas nossas caras e a gente tem de enguli-las. Tipo fala que eu engulo.

Por onde eu começo? Pelo governador atarantado ou pelo ministro desmedido com cara de sério?

Você, claro, ouviu, viu, leu - foi notícia internacional, para nossa vergonha - que o ministro da Justiça do país chamado Brasil declarou, em alto e bom som, tipo declaração bombástica, que preferiria morrer a ficar preso em uma de nossas cadeias? Pois foi! Ele fez isso. Sendo que, primeiro, as cadeias - realmente péssimas, entupidas, horrorosas - estão sob sua alçada há pelo menos dois anos, e, depois, há dez anos estão nas mãos da sua turma, e ele esse tempo todo ali, firme, sem dar um pio sobre o assunto, que a cada dia só se agrava. Inclusive gerando a onda de violência a que estamos assistindo, e que agora se espalha de São Paulo para outros Estados e até acontecendo em pequenas cidades. O horror dos horrores, tocado por um poder paralelo. E de dentro dos presídios.

Portanto, se eu fosse ele, o ministro, o próprio, com tudo que ele já botou de dedo na cara de outras pessoas, tipo justiceiro padrão, destratou interrogados em CPIs, e pelo conjunto da obra, também não ia querer ir para o presídio, não. Os caras iam realizar a parte que diz que ele preferiria morrer.

Há muitos anos vem se formando nas barbas do governo federal - e há quem acuse até de um certo conluio partidário, mas isso eu não acredito - uma ideologia de justiça paralela, com uma constituição própria, leis duras e que se fazem ser cumpridas a ferro e fogo, organograma de trabalho e agilidade em comunicação. Os caras têm até um vocabulário próprio, com personalidade e sangue tão naturais que gera sem parar palavras e expressões que estão nos raps, nos hips e nos hops da música que já invade nossas casas. Ou alardeada por alto-falantes potentes dentro de carros que apavoram nas ruas das cidades, fazendo até tremer a janela. Uma das palavras mais temidas é o "Salve". E o "Salve geral".

"Salve" é a ordem. De todos os tipos. Inclusive para matar, como confessou um integrante essa semana. Simples assim: ele devia 10 mil reais. Trocou a dívida pelo cumprimento de um assassinato de policial. Ainda declarou que ligou antes para saber se servia se ele matasse um policial civil que achou, ou se tinha que ser militar. Salve geral é ordem para todos os comandados, e não dá para sobreviver dentro do presídio se não o for. Vira uma legião de anencéfalos, zumbis, sem o que ganhar. Sem o que perder mais.

Isso não lembra a vocês certos partidos e movimentos da Europa no século passado, que acabaram por dizimar muitos milhares? Não lembra certo bigodinho? Na imprensa já se fala abertamente no Exército do crime, embora ainda se refiram ao PCC, como aquela "organização criminosa que controla os presídios". Para não fazer marketing.

Aí, como íamos dizendo, com tudo isso, o ministro vai e dá o caldo da canja, tentando sensibilizar o povo em favor dos amigos coitadinhos, aqueles do Mensalão, que já deu o que tinha que dar.

Ah, se fôssemos um país organizado e com vergonha na cara! Ouvi por aí que caberia agora legalmente um monte de ações possíveis, começando uma por improbidade administrativa. Até os criminosos poderiam tentar alguma coisa alegando falta de direitos humanos - já que os mandam para lugares tão infernais assim, como reafirma e admite o ministro.

Mas até agora não ouvi nem vi nada, a não ser tiros, e aqui na esquina de casa. A oposição está dormindo profundamente no seu bercinho cheiroso e seguro. Mamãe só olha e faz cara feia.

Haha! Pensaram que eu esqueci do governador tucano e atarantado de São Paulo que em dois dias poderia vencer o prêmio "Sem Noção" do ano, ou dividi-lo com o ministro? Não! Esse merece o Oscar do desconsolo e falta do que dizer para justificar que o secretário da Segurança ainda esteja lá sentado na cadeira falando em es-tra-té-gi-as, como se a situação não estivesse pegando fogo agora, periclitante! Fora isso, para o governador, o número de mortes, de chacinados e policiais, está dentro do padrão porque somos, segundo ele, em São Paulo, maiores que a Argentina. (?). Os telefones celulares pelos quais são dadas as ordens de dentro das cadeias não podem ser bloqueados - não conseguem. (?). E, inclusive - juro que ele falou isso, pode procurar -, esses celulares são importantes porque servem às investigações, quando são grampeados. (?).

Quer dizer: eles até sabem os números, a quem pertencem, e solicitam - não é chique? - que sejam grampeados, para ouvirem a conversa. Cortar a conversa, a comunicação, o que seria correto, dizem que não dá. Vou contar: sabem que chega a 20 mil reais o preço de um celular que entra no pedaço, dependendo do "lugar" e "prestígio" dos meliantes? Quem será que leva? Por que será que não dá para bloquear?

Hein?Hein? Governo, para que governo? Se hay Gobierno, soy contra! Mas busquei umas frases definitivas. Olha só:

- "Para mim, governo ético não é não roubar e não deixar roubar, isso é obrigação, é ridículo. Para mim, governo ético é eficiente." (Geraldo Alckmin)

- "Se o governo vai bem, todos vão bem. Se vai mal, afundamos juntos." (Luiz Inácio Lula da Silva)

- "O governo da demagogia não passa disso: o governo do medo." (Ruy Barbosa)


São Paulo, cidade tensa, 2012

Marli Gonçalves é jornalista - Fora as bobagens do pessoal da economia do governo. Eles deviam ir fazer umas compras no mercado.


E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

MuBE recebe mostra de lambe-lambe

 

Vi[r]e]VER será uma intervenção de trabalho gráfico sobre papel colado diretamente nas paredes realizada pelo Coletivo Água Branca. A exposição fica no museu de 24/11 a 26/12.

 

A partir de 24 de novembro o Museu Brasileiro da Escultura vai exibir a mostra Vi[r]e]VER, uma intervenção de lambe-lambe realizada pelo Coletivo Água Branca. As paredes externas da sede do museu vão ganhar centenas de obras produzidas especialmente para o espaço, partindo de diferentes linguagens como gravura, stencil, pintura, desenho e imagem digital. Alguns trechos do mural serão abertos à interação com o público, através de oficinas de lambe-lambe, realizadas em parceria com a ação educativa do MuBE. A entrada é gratuita e a mostra fica até o dia 26 de dezembro.

Sob coordenação de Hélio Schonmann, Lúcia Neto e Paulo PT Barreto, os coletivos participantes farão cinco intervenções, modificando o trabalho ao longo de um mês e meio. De acordo com Hélio Schonmann, membro da comissão de coordenação da mostra e artista participante, a mostra resolve bem a questão da transferência da linguagem da arte urbana para dentro de um museu. "Muitos dos dilemas que se colocam, no processo de migração das manifestações de arte pública para o espaço museológico, ganham nesse projeto uma resposta que mantém intacta a natureza do lambe-lambe, formato estreitamente vinculado à arte de rua: obra efêmera, colada diretamente sobre o muro".

O lambe-lambe é um formato largamente utilizado na atualidade: trabalho gráfico realizado sobre papel, colado diretamente no muro. De natureza essencialmente efêmera, a colagem será realizada, nesse projeto, com cola CMC (cola de metil-celulose), que permite a total retirada dos papeis, sem deixar resíduos sobre o concreto.

O Coletivo Água Branca, promotor do evento, está trabalhando junto a outros coletivos, realizando interferências periódicas sobre essa intervenção de lambe-lambe, com o objetivo de estabelecer uma dinâmica de respostas e contrarrespostas visuais que adense o processo de diálogo poético.

 

sábado, 10 de novembro de 2012

VOYEUR

VOYEUR

não cismo com você à mesma proporção
que os vãos da boca esboçam cantos e trejeitos indisfarçáveis
caminho pelo teu rosto como uma vaca no pasto
esquadrinhando todas as fendas
Tua face é um mapa de tu’alma que exploro sem pudor
e viajo por luas, sóis, céus e piso em nuvens
sem me importar com a espessura da travessia
e não adianta se entocar em pensamentos esmos que de tocaia avanço
todos os recônditos gestos inomináveis
e, assim, lhe deixo inapelavelmente nua
e o gozo me vem pelos olhos ao contemplar
a mulher que dentro de você há
Hideraldo Montenegro

sábado, 3 de novembro de 2012

Reprodução Cultural e Contra-hegemonia: Formação Docente para a Transformação Social | Revista Partes

Reprodução Cultural e Contra-hegemonia: Formação Docente para a Transformação Social | Revista Partes

Reprodução Cultural e Contra-hegemonia: Formação Docente para a Transformação Social


 

Cristiano Guedes Pinheiro*

Priscila Monteiro Chaves**

 

 

Resumo: O presente trabalho objetiva refletir acerca das relações de poder na formação de estudantes e futuros docentes, a partir dos conceitos de “reprodução cultural” e de "contra-hegemonia". A fim de compreender a necessidade de uma formação docente que consiga estabelecer relações entre o político e o pedagógico, articulando práticas de uma democracia radical também na educação.

Palavras-chave: Reprodução Cultural; Contra-hegemonia; Formação Docente.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Maria Aparecida Francisquini: Como quero...

Maria Aparecida Francisquini: Como quero...: Eu quero tanto estar num mundo melhor de verdade! Eu quero tanto um mundo onde eu possa sempre viver e sentir bem estar. Não quero mai...

O espetáculo não pode parar! | Revista Partes

O espetáculo não pode parar! | Revista Partes

“O espetáculo em geral, como inversão concreta da vida,

é o movimento autônomo do não-vivo.” Guy Debord

Lembrar? Para quê? | Revista Partes

Lembrar? Para quê? | Revista Partes

Foucault na Educação | Revista Partes

Foucault na Educação | Revista Partes

Foucault na Educação

Kelin Valeirão*

Resumo: O artigo visa discutir a práxis educacional na contemporaneidade, a partir do conceito de governamentalidade, desenvolvido por Michel Foucault. Trabalha-se a governamentalidade ligada à práxis educacional na atual sociedade de controle. Conclui-se que a práxis educacional na contemporaneidade atua como um dispositivo que funciona em sintonia com a forma de governamentalidade da sociedade de controle, contribuindo para capturar não mais corpos dóceis, mas flexíveis e ajustados às emergentes necessidades da sociedade.

Palavras-chave: educação - crise da escola – práxis educacional- governamentalidade - sociedade de controle



* Doutoranda em Educação na Universidade Federal de Pelotas – UFPEL.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Colunistas da Revista Partes - Soeli de Oliveira : O mito dos preços no processo de decisão de compra...

Colunistas da Revista Partes - Soeli de Oliveira : O mito dos preços no processo de decisão de compra...:   Por Soeli de Oliveira São vários os fatores racionais e emocionais que influenciam a negociação entre vendedor e cliente, e sem ...

Colunistas da Revista Partes - Soeli de Oliveira : Artigo: Dicas para ser motivado

Colunistas da Revista Partes - Soeli de Oliveira : Artigo: Dicas para ser motivado:     Por Soeli de Oliveira As plantas dependem do clima para sobreviver e crescer. Nós, seres humanos, podemos criar o clima onde ...

Revista Partes - Colunistas - Adilson L. Gonçalves: Vivendo e aprendendo

Revista Partes - Colunistas - Adilson L. Gonçalves: Vivendo e aprendendo:   Joe 90 era um antigo filme de animação, cujo protagonista, um menino, entrava num globo giratório para adquirir, temporariame...

Vitrine do Giba: O Tudo eu

Vitrine do Giba: O Tudo eu: Eu não furo fila/Eu não voto em ladrão/eu não sou consumista/ eu não cometo crimes/ eu não sou corrupto/ eu não pagpo impposto/ eu não sei m...

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Custo Brasil nos transportes | Revista Partes

Custo Brasil nos transportes | Revista Partes

O artigo em questão apresenta ao leitor a discussão acerca do “custo Brasil”, sendo que este acarreta no encarecimento de serviços e mercadorias, logo, atingindo os cidadãos oriundos das mais diversas classes sociais existente no país. Na tentativa de clarificar o que é o “custo Brasil”, dar-se-á enfoque sobre os meios de transportes do país, destacando que as péssimas condições de infraestruturas aliadas a falta de investimentos públicos para os transportes, tornam cada vez mais onerosos os custos de serviços e de mercadorias para os cidadãos brasileiros.

 

Palavras-chave: Transportes; Rodovias; Desenvolvimento.

 

Abstract

 

The article in matter presents to the reader the discussion about ‘’Brazil cost’’, becoming expensive the services and goods, reaching citizens coming from  diverse existing social classes in the country. In an attempt to make clear the meaning “Brazil cost”, it will be  given approach in the means of transportations from the country, highlighting bad conditions in infrastructure along with the lack of public investments for transports, becoming every more time expensive the costs of service and goods for Brazilian citizens.

Áreas de Risco nas Cidades Brasileiras: Gerenciamento e Políticas Públicas | Revista Partes

Áreas de Risco nas Cidades Brasileiras: Gerenciamento e Políticas Públicas | Revista Partes
O presente artigo procura trazer algumas reflexões sobre a temática em torno das Politicas Públicas, e principalmente aquelas destinadas a prevenir e gerenciar as Áreas de Risco em nossas cidades. Este tema vem ocupando cada vez mais a agenda política da sociedade brasileira, frente aos constantes acidentes que vem vitimando parcela significativa da população que reside em áreas impróprias para a ocupação. Destacamos principalmente alguns marcos regulatórios e diretrizes gerais sobre política urbana contidas na constituição Federal de 1988; a Lei Nº 10.257, de 10 de julho de 2001 o Estatuto da Cidade; a criação do Ministério das Cidades (2003) assim como as diretrizes do Sistema Nacional de Defesa Civil (SINDEC) .

A mediação dos tutores no Fórum EAD em cursos de licenciatura: entre a teoria e a prática | Revista Partes

A mediação dos tutores no Fórum EAD em cursos de licenciatura: entre a teoria e a prática | Revista Partes
 A educação a distância (EAD), de acordo com Gonzalez (2005, p. 33), é uma estratégia desenvolvida por sistemas educativos para oferecer educação a setores ou grupos da população que, por razões diversas, têm dificuldade de acesso a serviços educativos regulares. Nessa modalidade, o professor e aluno estão separados no espaço e/ou tempo e o controle do aprendizado poderá ser realizado não apenas pelo professor, mas também pelo aluno.

Foucault na Educação | Revista Partes

Foucault na Educação | Revista Partes
O artigo visa discutir a práxis educacional na contemporaneidade, a partir do conceito de governamentalidade, desenvolvido por Michel Foucault. Trabalha-se a governamentalidade ligada à práxis educacional na atual sociedade de controle. Conclui-se que a práxis educacional na contemporaneidade atua como um dispositivo que funciona em sintonia com a forma de governamentalidade da sociedade de controle, contribuindo para capturar não mais corpos dóceis, mas flexíveis e ajustados às emergentes necessidades da sociedade.
Palavras-chave: educação – crise da escola – práxis educacional- governamentalidade – sociedade de controle

sábado, 27 de outubro de 2012

MAIS UMA VEZ... PROJETO DE LEITURA!

                                                
 MOMENTO COM A ESCRITORA

  CLAUDIA REGINA, a escritora Nina, agradece todo o incentivo para continuar com o PROJETO DE LEITURA, agora denominado: "MAIS UMA VEZ...". Segundo a Autora, o CRIANÇA FELIZ  permanecerá muito vivo em lembranças. Das atividades nas escolas e instituições, também a fantasia de palhacinha já sente saudade! É muito difícil falar sobre esta fase em minha vida sem que eu consiga conter a emoção (diz a autora). Aos 43 anos de idade, sabe que não há como desgostar de escrever para crianças e sente imensa satisfação de ver seus textos caminhando em atividades pedagógicas e principalmente fica feliz pela citação do seu PROJETO DE LITERATURA EM TELAS, em diversos trabalhos, artigos e novos projetos de leitura. Neste ciclo, vale recordar que em 2004, começaram as atividades mais intensas com a comunidade escolar, feiras e palestras. Após a publicação do infantil de literatura poética: "O MUNDO DE NINA", vieram novas realizações como: "NO RITMO DE PAZ E AMOR", "GIM", "BAILARINA TATUADA", "HAJI E A ROSA", "LILI E O POTINHO DE AÇÚCAR", "O REI SAPÃO SAPOLÃO E SEU CORAÇÃO", "QUIM KARATÊ", "A NUVENZINHA SAPECA", "VERSO PARA A MAMÃE", "MEMÓRIAS DE UM URSO", "TIGER, A TARTARUGUINHA DE ESTIMAÇÃO" e "MEU TRENZINHO". Na ocasião dos lançamentos, cada obra serviu para a divulgação do trabalho literário, mas também, parte delas, foi disponibilizada ao público em geral. No ano de 2011 realizou as últimas apresentações utilizando a fantasia de palhacinha em prol de um Projeto de Leitura que chamava de Criança Feliz. A determinação de abandonar o nome do Projeto, nasceu de dissabores, entre os quais: o plágio. Pelo mesmo motivo, também ficou evidenciado certo desconforto quanto a utilização do pseudônimo, e mesmo que precavidamente registrado nos direitos autorais, "a vontade e o interesse de continuar... indubitavelmente diminuíram" (diz a autora). Contudo, foi ainda numa despedida gradativa, fechando links, desfazendo-se de compromissos, que apareceu a oportunidade de reavivar a atividade da palestra com os livros para as crianças. A fase é de transição, mas sabe-se muitíssimo bem quão importante foi o início de todo o trabalho com a literatura exatamente aos moldes de como nasceu!



         

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Pedro Coimbra: Biografias não-autorizadas

Pedro Coimbra: Biografias não-autorizadas:     Pedro Coimbra ppadua@navinet.com.br              Terminando a primeira parte do meu romance "Meus amores, Mariana e Br...

Maria Aparecida Francisquini: E vivemos assim... ou não???

Maria Aparecida Francisquini: E vivemos assim... ou não???:   Interessante, como que habitualmente, muitos de nós, optamos em conduzir nossa vida agindo e interagindo de formas contrárias ao nos...

Quanto mais a gente reza..., por Marli Gonçalves

 

...mais assombração aparece! Bem, claro que já ouviu essa expressão. Certamente já a usou também. Só que nesses dias esse terror combina com Halloween, Dia de Todos os Santos, Dia dos Mortos. Brincadeiras ou travessuras?


É impressionante: não param de acontecer coisas esquisitas, como eleição de postes, busca de jornalistas para ser apontados como culpados, como se culpados fossem eles pela condenação de certas pessoas, policiais e bandidos em guerra de bang-bang total nas ruas, justiçando sem lei, administradores incompetentes que preferem negar os fatos a resolvê-los; brigas de facções de todos os tipos, cores, armamentos e tamanhos. A sequência de três dias desta semana combinará com esse clima de apagão geral.

No dia 31 de outubro, Halloween, a gente se veste de bruxa ou bruxo, feiticeiro com caldeirão, põe máscaras, e acende a lanterna de vela dentro da abóbora com cara (o Jack)- até porque é capaz de precisar mesmo. A luz pode apagar geral, como anda ocorrendo nas nossas barbas, bigodes, eriçando nossos pelos como os gatos pretos de olhos amarelos das histórias de terror.

Dados certos resultados e encaminhamentos políticos esperados vamos soltar morcegos nos castelos assombrados. Vamos ouvir uivos e correntes arrastando. Lamentos pelo que deveria ter sido feito e não foi - daí a derrota. Talvez a gente precise usar a vassoura para enxotar gente chata - aliás, a origem da expressão que "quanto mais a gente reza, mais assombração aparece" - ou para voar para bem longe.

Com o fim do período eleitoral, deve acabar a impressionante e verdadeira saga do saco de bondades a que assistimos nos últimos tempos, batendo nas portas, tocando a campainha e fugindo, juros baixos, isenção de IPI, promessas de contas de luz mais baratas, e de crédito ou empréstimos - parece tão fácil na propaganda, sopa no mel, tirar pirulito da criança. Só que se não tem almoço de graça, lembre que eles só adoçam nossas bocas quando querem alguma coisa em troca.

E, como dizem, quando não precisam agora vão poder tocar o terror - oficial e extra-oficial. Municipal, estadual e federal.

Temo, em breve - fora das datas - ver mortos-vivos em andrajos nas ruas se as bolhas estourarem, bolhas iguais às que aparecem quando a gente usa sapato novo. Só que o calcanhar será outro. E as bolhas, maiores. Bobeou e o Papai Noel vai aparecer vestido de Drácula para sugar ainda mais o sangue dos devedores, os inadimplentes que não se comportaram bem durante o ano, não pagaram suas contas direitinho, as contas do consumo que lhes foi apresentado de forma tão irresponsável, e que coitadinhos ainda ousam mandar cartinhas pedindo presentes. Fora que está tão chata essa discussão de kit-gay, homofobia, religião, que as renas vão pensar duas vezes antes de sobrevoar nosso país.

Mas nem tudo acaba mal, nessa noite que prepara a chegada do outro mês. Amanhece o dia 1º de novembro, de Todos os Santos, a nossa cara, que mistura alho com bugalho, igreja com terreiro, Miami com Copacabana, chiclete com banana. Eu quero ver a grande confusão.

Finalmente chega o feriado, dia 2, Dia dos Mortos. Mas aí a gente vai lembrar que não vive lá no México, onde essa data é festa, toda colorida, porque o povo se arruma e se prepara para receber a "visita" dos que já foram, e distribuem caveirinhas de açúcar.

Aqui a moçada resolveu usar a caveirinha de enfeite, em tudo, repare - do chique ao popular, até em roupa de criança. Caveirinhas até meio viadinhas, no bom sentido, com strass, lacinho, e até sorriso (!). Muito esquisito: um símbolo que traz más lembranças, como a do Esquadrão da Morte, Scuderie Le Coq, que a usava, praticando extermínios parecidos com o que novamente acompanhamos placidamente.

E, continuando a guerra, as mortes que estão acontecendo nas ruas, tantas chacinas para lá e para cá, manchando tudo de sangue, ainda vamos ver é muitos fantasmas.

Bem nos nossos bigodes. Outro símbolo que anda na moda, mas eu ainda não descobri por que. Pelo Sarney é que não deve ser, ora bolas!

São Paulo, onde se vende de tudo, 2012



Marli Gonçalves é jornalista - As meninas boazinhas vão para o céu. As meninas más vão aonde querem. Essa é a estampa de um lado e de outro de uma de suas camisetas prediletas.

************************************************************



E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

domingo, 21 de outubro de 2012

ISEPE_19/10/2012
Durante a contação de histórias na palestra junto ao ISEPE, registramos algumas imagens, ouvimos as literaturas: "TIGER, A TARTARUGUINHA DE ESTIMAÇÃO", e "NO RITMO DE PAZ E AMOR". As crianças participaram de duas dinâmicas simultâneas a contação: na primeira, cada criança teve a oportunidade de segurar a tartaruguinha colorida de pelúcia, falando o seu nome (apresentando-se) e passando-a para as mãos do colega. Assim, sucessivamente até todas as crianças tocarem e conversarem com a nossa personagem! Depois disso, ao final da história, foi solicitado um voluntário para participar da dinâmica seguinte: ir até a frente e responder oralmente perguntas sobre a história. A nossa atividade é a reprodução textual, e para a alegre surpresa, tivemos mais de um bracinho erguido! Pela coragem e para acalentar afetivamente o desejo de participação, a escritora convocou à frente, todos que se dispuseram como voluntários. Foi formada uma fileirinha de crianças no tablado e para cada uma delas foi formulada uma questão. Esta atividade ficou extremamente rica nos termos de fixação da literatura, já que as perguntas foram originadas desde: - QUAL O NOME DA TARTARUGA? Gradativamente, toda a história foi reproduzida com questionamentos na sequência exata do texto original! Foi muito bacana e cada criança aplaudida mediante a sua participação.
NO RITMO DE PAZ E AMOR é a literatura em rimas que nasceu das telas. Mostra as fases do desenvolvimento humano através da literatura e de um meigo personagem: o "coração". A apresentação da literatura em telas foi um momento muito especial! Para a maioria dos presentes, a técnica utilizada pela escritora foi mesmo algo novo, diferenciado! As crianças gostaram bastante das ilustrações feitas com tinta guache, canetinha e muito amor! Observando a transformação das páginas em telas para as páginas de um livro, também puderam reconhecer que para a Autora, cada publicação é uma enorme recompensa, assim como é somente alegria a possibilidade de contribuir com o incentivo da leitura, com palestras e doações em comemoração à cada nova edição!
Finalmente, os participantes conheceram mais um pouquinho da vida da nossa escritora que passou boa parte de sua infância em Guaratuba, quando o litoral era mesmo a rota certa da família nas férias e dias de pescaria do papai. Muito especial será a recordação da reação dos alunos enquanto a escritora segurou a bandeira da cidade: Nas palavras da escritora: - "A conversa, o bate papo foi agradável mas será INESQUECÍVEL a vibração das crianças que unidas entoavam: "GUARATUBA, GUARATUBA, GUARATUBA", ao mesmo tempo em que batiam palmas!" "Emocionante! Gratificante! Inesquecível! DE ARREPIAR!"
As crianças manusearam o livro do QUIM KARATÊ em BRAILE. Também uma novidade! Após todos "tatearem" o livro em braile, entregamos dois exemplares ao coordenador literário LUIZ ARTHUR MONTES RIBEIRO, o qual recebeu um livro para a biblioteca da Instituição ISEPE e o outro foi encaminhado para a Associação dos Deficientes Visuais da cidade de Guaratuba-Paraná. Ao mesmo tempo agradecemos o contato inicial com o MARCOS FEDATO quem nos direcionou para esta atividade literária tão querida, e à ALINE, também organizando de forma eficiente a agenda do FESTIVAL LITERÁRIO ISEPE 2012! Muito obrigada! Agradecemos a valiosa oportunidade em participarmos do evento e também de contribuir.
Agradecemos especialmente as gentis bibliotecárias: ANA HELENA e MARLENE! Agradeço o meu tesouro recebido, entregue em ares de maresia, confeccionado com paciência, pela habilidade do artesanato: meu lápis preto, da rosa ganhou formato. Com enfeite de pérola, com pétalas de tecido estampado!
UMA RECORDAÇÃO DA CLAUDIA PEQUENINA, TÃO ALEGRE COM SUAS HAVAIANAS E CADEIRINHA DE SOL! VIVA GUARATUBA! CLAUDINHA.

sábado, 20 de outubro de 2012

TODOS CONVIDADOS PARA O FESTIVAL LITERÁRIO EM GUARATUBA - PARANÁ! NÓS JÁ PARTICIPAMOS EM 19/10/2012! FOI EXCELENTE O NOSSO ENCONTRO E PELA COLABORAÇÃO DE JEANPAOLO, PAULO, ADRIANA; TAMBÉM PELA COLABORAÇÃO DE EDY MALHAS E UNIFORMES, EM CURITIBA PARANÁ, AS CRIANÇAS DO LITORAL QUE ESTIVERAM EM NOSSA PALESTRA RECEBERAM LIVROS.
TIVEMOS A ALEGRIA DA PRESENÇA DE 139 CRIANÇAS! DEIXAMOS POR LÁ, BASTANTE EMOÇÃO, LEVAMOS E TROUXEMOS: ESPERANÇA! A NOVIDADE MAIOR É QUE LANÇAMOS O NOME PARA O NOSSO PROJETO CULTURAL, QUE FICOU ASSIM:) "MAIS UMA VEZ... PROJETO DE LEITURA!" MUITAS FELICIDADES!
Serão treze dias de arte, cultura e muita diversão. De 15 a 27 de outubro, a Faculdade do Litoral Paranaense – ISEPE, traz a Festa Literária de Guaratuba. O evento tem como tema a literatura em todas as suas manifestações – artes visuais, folclore, música, artes cênicas, vídeo, mídias impressas, radiofônicas, televisivas e eletrônica. O evento contará ainda, com a presença de autores do Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro. Serão 108 eventos divididos em palestras, oficinas, saraus, contações de histórias, conversas com escritores, jornalistas, artistas, músicos, apresentações de teatro, apresentações de musica, dança, capoeira e sessões de autógrafos. A festa homenageará a poeta e escritora curitibana Adélia Woellner. • Mais informações: Onde: Rua Joaquim Menelau de Almeida Torres, 101 - bairro Piçarras Telefone: (41) 3442-8500 E-mail: secdirecao@isepeguaratuba.com.br Site: www.isepeguaratuba.com.br Horário: Das 09 as 22hs ** Incentivo da Academia de Letras do Brasil e Associação Internacional Poetas Del Mundo. Vale a pena participar, prestigiar nossos colegas paranaenses e também os colegas que vieram de outros estados para este evento tão importante! Equipe Biblioteca Virtual • Programação : (Para acessar a programação completa com horários e detalhes dos eventos, acesse o site: www.isepeguaratuba.com.br) ► Dia 15/10 - Apresentação do Grupo Seresteiros do Mar do Clube da Melhor Idade Guará e da Universidade Livre. - Solenidade de abertura da Festa Literária de Guaratuba – ISEPE 2012. - Palestra com o Professor Doutor Escritor Imortal Miguel João Simão, Presidente da Academia de Letras do Brasil para Santa Catarina. - Abertura da Exposição “Livros de Artista” (Book Art) confeccionados por artistas visuais do Centro de Arte Contemporânea Edílson Viriato. ► Dia 16/10 - Apresentação da peça teatral infantil: “As Filhas dos 3 Porquinhos” . - Momento Poético. - Contação de histórias. - Oficina e bate papo: “Literatura, Blog e Opinião”. - Bate papo, lançamento, e sessão de autógrafos do livro: “O que fazer para recuperar empresas em crise” com o administrador Luiz Gonzaga da Rocha Filho. - Bate papo: “A presença feminina na Polícia Civil” com a Dra. Wânia Almeida. - Bate papo e apresentação dos livros “Novos Mundos” com o artista visual Marcel Fernandes. ► Dia 17/10 - Oficina: “Técnicas de contação de histórias” pelo artista plástico, escritor e ator Antonio Nildo D. da Silva. - Apresentação de duas danças infantis (uma delas em Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS) com os alunos da Escola Municipal Governador Moisés Lupion. - Momento Poético. - Bate papo: “Projeto e Produção Literária – Como viabilizar a impressão de livros – licitação pública, e editais de concursos” com Cirillo Barbisan. - Contação de histórias com Alfredo Mourão, Chefe de Divisão de Literatura da Secretaria Municipal de Cultura de Ponta Grossa. - Oficina: “Iniciação Teatral” com o ator, diretor e dramaturgo Cirillo Barbisan. - Palestra motivadora: Incentivo a leitura e Escalada para o sucesso com a Escritora Imortal Janira Oliveira Lisboa, Presidente da Academia de letras do Brasil/SC. - Bate papo e lançamento do livro: “Como uma colcha de retalhos” com a escritora Zélia Vianna. - Sarau Literário. - Palestra motivadora: “Incentivo a uma vida sem preocupações” com a Escritora Imortal Janira Oliveira Lisboa. ► Dia 18/10 - Apresentação da peça teatral infantil: “As Filhas dos 3 Porquinhos” - Cia. de Teatro Encantadores de Histórias. - Momento Poético. - Bate papo sobre Projetos Literários desenvolvidos pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Araucária (Pr) com Jaqueline Carteri e Simone Nunes Gonçalves. -Oficina: “Confecção de Bonecos com Jornal” com a diretora, dramaturga e atriz Ana Paula Frazão. - Palestra motivadora: “A arte de fazer os outros felizes” com a Escritora Imortal Janira Oliveira Lisboa, Presidente da Academia de letras do Brasil/SC. - Momento Literário. ► Dia 19/10 - Sessão de autógrafos do livro infantil: “Trato Feito” da escritora María Rosana Mestre. - Bate papo: “O Conceito de Aprendizagem Significativa Subjacente às Teorias Construtivistas” com o professor Hilário Jairo Moreira Junior. - Apresentação de duas danças infantis. - Contação da história: “Paz e amor” com a escritora Nina Rocha. - Bate papo, sessão de autógrafos de livro e oficina: "Desenhando com todos os lados do cérebro - para quem não sabe ou pensa que não sabe desenhar" com a Professora Doutora Arte Educadora Maria Letícia Vianna. - Bate papo, lançamento e sessão de autógrafos do livro: “Os cem anos do século XX” com o escritor Claudio Antonio Negosseque. - Sessão de autógrafos do livro infantil: “Trato Feito” da escritora María Rosana Mestre. - “Alguns Aspectos da Psicanálise na contribuição para a Educação” com o Psicanalista Sildemar de Barros. - Bate papo, lançamento e sessão de autógrafos do livro “Ilustração Botânica – Princípio e Métodos” com a Artista Plástica e Ilustradora Cinetífica Diana Carneiro. - Lançamento do livro: “Luz” com o artista plástico e poeta Daniel Conrade. - Sarau Poético: “Poesia: Tons e sons?” com Daniel Conrade, Belmiro Ribeiro Felix, Fernanda Montiel e Samir Saif Tomaz. - Bate papo, sessão de autógrafos e lançamento dos livros infanto juvenis: “Passarinho Sonhador” e “O Passeio de Avião” com a escritora Yara Mara de Castro Araújo. - Sessão de autógrafos, bate papo, oficina e leitura de trechos do livro: “Cena Hum Dramaturgia” com Airen Wormhoudt, George Sada e Humberto Gomes. ► Dia 20/10 - Oficina: “Poemas com Imagens” com a poeta, artista plástica e pós-graduada em Arte Terapia Regina Leopardi. - Bate papo/oficina: “Poesia e Literatura Ilustrada” com jornalista, poeta e escritor Zéca Correia Leite. - Intervenção Teatral e Poética: “Vampiro da Tristeza” encenada pelo grupo “Poema em Som”. - Bate papo, lançamento e sessão de autógrafos do romance: “Labirinto de Mil Corações Mudos” com o escritor Fabio Gimovski. - Bate papo, lançamento e sessão de autógrafos do livro: “Os Estranhos” com a escritora Jaqueline Mello. - Sessão de autógrafos do romance: “A mulher Santa” do escritor José Antonio Porse. - Sessão de autógrafos do livro de poesias “Doce Gesto” do escritor Antonio Ramos da Silva. - Bate papo: “Incentivo ao Professor à Prática da Escrita e Leitura” e sessão de autógrafos do livro: “Um Ano de Quartas: fatos, idéias e opiniões” do professor e escritor Alfredo Leonardo Penz. - Bate papo e sessão de autógrafos sobre o livro: “Amor Perfeito Amarelo” da escritora Maria Elisa Ferraz Paciornik. - Apresentação do Grupo Seresteiros do Mar do Clube da Melhor Idade Guará e da universidade Livre sob a coordenação da Dr. Elcely Terezinha Franklin. - Instalação da Academia de Letras do Brasil/Paraná – Região Metropolitana Guaratuba, com a presença do Professor Doutor Escritor Imortal Mário Carabajal, Presidente da Academia de Letras do Brasil. - Intervenção Teatral e Poética: “Vampiro da Tristeza” encenada pelo grupo “Poema em Som“. - Abertura da exposição: “Porta Retratos Poéticos – Meu Amor por Você” e da exposição: “Jardins Imaginários da Barra do Say II” (pintura, desenho e instalação) do artista plástico e escritor Luiz Arthur Montes Ribeiro. ► Dia 21/10 - Apresentação da Peça Teatral: “Uma Releitura do Filme Gnomeu e Julieta”. - Apresentação de Capoeira com os componentes do Centro de Modalidade Física e Culturais Ilha Bela - Mestre Crispin. - Apresentação da peça “O Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna, pela Cia. de Teatro da UFPR – Litoral. ►Dia 22/10 - Apresentação da peça teatral infantil: “As Filhas dos 3 Porquinhos”. - Momento Poético. - Apresentação de duas danças infantis. - Cine Literário, Cultura em Debate, sob a Monitoria de Luciano Raiter. - Oficina: “Literatura e Arte Abstrata” com a artista plástica Edna Zeni. - Bate papo sobre o projeto “Salão de Artes”. - Bate papo: “Depressão: como conviver com os sintomas” e apresentação do livro: “Depressão: juntando os cacos” da Psicanalista Neuza Frantz Bonilla. - Palestra: “Planejamento Ambiental” com o Professor Doutor João José Bigarella. - Palestra: “Momento atual da Polícia Judiciária” pelo Dr. Marcos Vinicius da Costa Michelotto. - Sarau de Poesias Gaudérias com Neusa Frantz Bonilha. ► Dia 23/10 - Apresentação de duas danças infantis. - Cine Literário Cultura em Debate, sob a Monitoria de Luciano Raiter. - Palestra: “Ministério Público – Infância e Juventude” proferida pelo Dr. Olympio de Sá Sotto Maior Netto, Procurador de Justiça do Estado do Paraná. - Stand up: “Literatura” com Francieli Corletto Borges. - Apresentação da Peça Teatral: “Antígona” pelo Grupo de Teatro Vox Corpus. ► Dia 24 /10 - Apresentação da peça teatral infantil: “As Filhas dos 3 Porquinhos”. - Oficina: “Criatividade, Educação e Sala de Aula” com o Professor Mestre Luiz Arthur Montes Ribeiro. - Apresentação de duas danças infantis. - Bate papo e sessão de autógrafos do livro: “Oratória Descomplicada” da jornalista e escritora Adriane Werner. - Bate papo e sessão de autógrafos do livro: Mil e quinhentas maneiras de combater o stress” do Parapsicólogo e Cientista Mental, Presidente da Associação Brasileira de Parapsicologia e Ciências da Mente (ABPCM) José Bonezzi, com a participação da psicóloga, especialista em parapsicologia e Diretora do Instituto de Parapsicologia e Ciencias Mentais de Joinville/SC professora Enir D. Beckhauser. - Stand up: “Literatura” com Francieli Corletto Borges. ► Dia 25/10 - Oficina de Artes Plásticas, pintura a óleo em tela com a artista plástica Ilva Aguiar. - Oficina: “TCC passo a passo” com a diretora executiva da Texto Finito Marilene Dias, e Diretora administrativa da Texto Finito Yara Dias. - Stand up: “Literatura” com Francieli Corletto Borges. - Apresentação da peça teatral: “Assembléia dos Deuses”. - Oficina: “Linguagem nossa de cada dia...” com a diretora executiva da Texto Finito Marilene Dias. ► Dia 26/10 - Apresentação da peça teatral infantil: “As Filhas dos 3 Porquinhos”. - Cine Literário Cultura em Debate. Sob a Monitoria de Luciano Raiter. - Ouvindo histórias com a pedagoga e pós-graduada em Gestão Escolar Ivonete Almeida. - Bate papo sobre questões ambientais com Renato Goldschimidt. - Bate papo sobre questões ambientais, culturais e literatura com Werney Serafini. - Oficina: “A arte de contar histórias” com a pedagoga e pós-graduada em Gestão Escolar Ivonete Almeida. - Oficina: Dança do Ventre com a professora Telma Bauer. - Bate papo, lançamento e sessão de autógrafos do livro: “A Polícia na História do Brasil – homenagem aos duzentos anos da Polícia Civil” com o Delegado da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul e Presidente da ONG Brasil Verdade Dr. Paulo Magalhães Araujo. - Desfile de moda, música e poesia com o estilista Eliton Krun. - Sarau Poético com o Especialista em Cultura Popular, poeta, escritor, dramaturgo, ator e diretor Olinto Simões e convidados. ► Dia 27/10 - Oficina: “Haicai – poética oriental” com a Governadora do Estado de Santa Catarina para a Associação Internacional Poetas Del Mundo Terezinha Manczak. - Bate papo e lançamento do livro: “Mundo Novo” com o escritor, poeta e Presidente da Associação dos Poetas de Florianópolis/SC Augusto de Abreu. - Abertura da exposição de varal de poesias da Associação dos Poetas de Florianópolis/SC. - Bate papo e sessão de autógrafos com a Escritora Acadêmica Imortal Adélia Woellner homenageada da Festa Literária de Guaratuba – ISEPE 2012. - Apresentação Cultural do Studio de Dança Profº Santos: “Em ritmo Cigano”. Participação especial da bailarina Débora Dawlin (Curitiba - Pr), pelo Departamento de Cultura de Guaratuba - Pr. - Apresentação do Grupo Seresteiros do Mar do Clube da Melhor Idade Guará e da Universidade Livre, sob a coordenação da Dr. Elcely Terezinha Franklin. - Instalação da Governadoria do Paraná para a Associação Internacional Poetas Del Mundo com a presença da Embaixadora Universal da Paz pelo Círculo Universal dos Embaixadores da Paz – Genebra/Suíça e Presidente para o Brasil da Associação Internacional Poetas Del Mundo, Delasnieve Despate. - Solenidade de encerramento da Festa Literária de Guaratuba ISEPE 2012

domingo, 7 de outubro de 2012

Minha Carochinha querida, por Marli Gonçalves

 
Sempre, e olha que eu nasci faz muito tempo, pensei na Carochinha como uma pessoa que inventava histórias infantis; pensava em uma velhinha bondosa de voz doce. Mas também sempre a associei a quando tentam me enrolar, mentindo, fantasiando, gaguejando.Tadinhas das crianças que ainda somos.



É a proximidade da data da qual sempre gostei muito, porque sempre ganhei ou mesmo me dei algum presente bobo, que está trazendo à tona memórias do tempo do onça. Pronto. Desenterrei mais um termo. Quanta coisa em um só dia, 12. Dia da Criança. O feriado é por causa de Nossa Senhora Aparecida, padroeira desta pátria, embora pouca gente lembre porque é que não vai trabalhar e vai emendar este ano, com sexta e tudo. Também descobriram a América num dia desses, Dia Nacional da Leitura, entre outros tantos comemorativos que se instituem, todos os dias, principalmente para passar o tempo, nos parlamentos.

Somei tudo e lá veio a Carochinha, de quem recordei bastante esta semana enquanto ouvia o voto do revisor, ministro Lewandowsky, no STF. Engraçado. Não por ele ter absolvido o José Dirceu, que isso era esperado, mas porque ele passou horas dando uma volta, fazendo rodeios, esticando a conversa, a história, os personagens.Era uma história para boi dormir. Parecia uma criança quando não diz a verdade, desviando os olhos, algo trêmulo, algo tenso. Parecia estar fazendo birra, batendo pé: "Nem te ligo!" "Bem feito, seu nariz tá com defeito!"

Com todo o respeito, que ninguém chega lá em cima, na corte máxima, por acaso: até seus amigos de classe zoaram com ele, como fazíamos na escola com aqueles que puxavam o saco dos professores ou do diretor. Terá ele querido chorar? Terá lido alguns comentários que pipocaram na internet? Visto os desenhos e montagens que fizeram com sua cara? Terá conseguido sorrir, ao menos?

Mas voltando à Dona Carochinha que se existisse estaria boba de ver como é que as histórias vêm sendo contadas para os brasileirinhos e brasileirinhas, vejo que mesmo adultos continuamos sendo tão tutelados que parece que somos incapazes de perceber a realidade. O governo dá ordens, a presidente ralha, o ex faz "fusquinha". A imprensa quer orientar nossos pensamentos e ideais, seja para um lado, para outro, ou melhor ainda, para nenhum, apenas para uma idiotia, se é que isso existe. Querem separar o que lemos, o que vemos. Até legenda repete a imagem.

Nada melhor do que dar boas gargalhadas disso tudo. Para aguentar o tranco até o fim de nossos dias temos de buscar nossa criança interior, ou se você já a abandonou tente as memórias - certamente, por pior que tenha sido sua infância, as tem. Lembrará do primeiro amor, aquele que meio inconsciente nos deixava tontos. Do primeiro dodói? Da primeira perda? Daquele brinquedo velho e sujo que, um dia, quando voltou da escola ele tinha sumido e nunca ninguém lhe deu satisfação? Dos medos? Dos que tinha e dos que não tinha. Mas agora tem.

Você, acaso, fazia um diário? Sabe onde está? Na minha época as meninas faziam um álbum, bonito, que passavam para as amigas de classe, que nele escreviam algo para a eternidade, como numa cápsula do tempo, invariavelmente pintadinho com lápis coloridos, lápis de cor. Poeminhas, nada que não fizesse hoje muito sucesso no Facebook como pensamento pueril. Outro dia achei o meu: era verde, com capa de madrepérola. Dentro dele achei também um hábito idiota, de adolescente: algumas guimbas de cigarro, acreditem, que certamente haviam sido fumados escondidos por amores de época, mas que não estavam identificadas. Meu livrinho não tinha cadeado, como o da maioria, por medo da famosa invasão de privacidade, a devassa que todos os pais faziam nas nossas coisas, sempre com o famoso aviso: "Não aceite nada de ninguém, nem bombom". Mas nunca ninguém me ofereceu nem bala. Havia uma lenda que dentro dos doces "eles" entuchavam uma droga. Hoje é a droga que é chamada de bala. Ironia.

Infância, infância, não tive muita, sempre criada no meio e no centro de São Paulo, e no tempo que a dita cuja ditadura comandava as avenidas e as informações. Sem muita saúde, brincava quietinha, sozinha, criando histórias com pequenas bonequinhas que fazia com Bombril, assistindo Cidinha Campos, pimpampum, desenhos com uma bolinha branca que pulava cantando em cima da letra de alguma música. Estudava e era boa aluna.

Interessante também é lembrar de quando perdemos essa infância. Para mim não foi no primeiro soutien, coisa que até hoje odeio, nem mesmo na primeira menstruação. Foi a vida: o suicídio de um amigo que tinha tudo, o que me fez pensar em porquês; foi a separação social - ricos não andavam com pobres; foi a separação religiosa: judeus, para muitos pais, não andavam com goys (não-judeus), e um dia minhas amigas não puderam mais falar comigo. Foi também uma tentativa de abuso sexual feita por um eletricista horroroso me puxando para o seu colo. Foi me dar conta da maldade humana.

Foi quando eu percebi que não acreditava mais nas histórias da Carochinha. Que não havia faz-de-conta.

São Paulo, onde é difícil ser criança, 2012




Marli Gonçalves é jornalista- Escrevendo este artigo lembrei de uma palavra que era uma obrigação, meio que uso aqui, porque talvez até hoje esteja no meu inconsciente: o cabeçalho. Tinha de estar lá em cima da página de tudo o que fazíamos. O meu seria assim, há quase 50 anos: Externato Luiz Magnanini, dia 12 de outubro de 1966, escrito com letra bem bonita. Tudo era mesmo muito rígido.

Revista Partes

http://www.partes.com.br/2017/11/01/poema-fora-de-moda/ Poema Fora de Moda Gilda E. Kluppel No vestuário comercial calças de boca de sino...