quarta-feira, 29 de abril de 2009

Aos leitores da Revista Virtual P@rtes
 

Oração da Manhã


Nasce mais um dia

Aos poucos vamos abrindo janelas e portas

Deixando a luz entrar...

Tudo vai ganhando contorno, dimensão, calor e vida...

Senhor, nós te agradecemos por este dia

Abrimos nossas portas e janelas

Para que tu possas entrar com tua luz...


Queremos que tu, Senhor

Definas os contornos de nossos caminhos

A dimensão de nossos projetos,

O calor de nossos relacionamentos

E o rumo de nossas vidas


Podes entrar, Senhor!

Podes entrar em nossas famílias

Precisamos do ar puro da tua verdade...

Precisamos de tua mão libertadora

Para abrir compartimentos fechados


Precisamos de sua beleza para amenizar nossa dureza

Precisamos da tua paz para nossos conflitos

Precisamos de teu contato para curar feridas

Precisamos sobretudo da Tua presença...

Para aprendermos a partilhar e abençoar!...


(Lar da Luz Vicente de Paulo)


Encaminhada por Nair Lúcia de Britto

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Retrocesso no Iraque

Por Ayman El-Amir


O presidente dos EUA, Barack Obama, reservou algumas horas depois de sua recente visita à Turquia para ir a Bagdá com uma mensagem para o governo iraquiano do primeiro-ministro Nuri Al-Maliki: você agora é responsável por seu próprio país. A mensagem chega dois meses antes do prazo para a retirada das tropas de combate dos EUA das maiores cidades iraquianas, incluindo Bagdá, Mosul e Baquba, e quase um antes do fim das operações militares em agosto de 2010. No entanto, para alguns analistas iraquianos o recente aumento da violência em algumas cidades, incluindo Mosul, Bagdá e Kirkuk, levanta a questão de se o prazo de junho seria definitivo ou deveria ser mais flexível, dependendo da situação local. Para eles, a ressurgência da violência é uma síndrome da luta política interna entre o primeiro-ministro, e se credita a suas políticas desde 2008 se credita a diminuição do banho de sangue, e seus parceiros políticos.

Mosul ainda é uma incubadora de conflito. Mais de 25 mil militares iraquianos, apoiados pelas tropas de combate dos EUA, têm lutado contra lutadores da resistência xiita e sunita desde 2008. Pela primeira vez em 12 meses, cinco soldados dos EUA e dois policiais iraquianos foram mortos em uma explosão de bomba vinda de um caminhão, com outros 12 feridos. Em Kirkuk, 13 pessoas foram mortas e 22 feridas em explosão em uma instalação de petróleo que estavam guardando. Em Bagdá, 60 pessoas foram mortas em várias explosões em apenas duas semanas. A ressurgência da violência em tal escala é uma indicação de que Al-Maliki ainda está em desacordo com os curdos ao norte - que têm suas diferenças com seus co-habitantes árabes e turcomanos em Kirkuk -, os sunitas baathistas ao redor de Bagdá e alguns radicais xiitas em Mosul. Elementos desencantados dos 94 mil lutadores dos Conselhos do Despertar Sunita, que foram chaves na contenção dos ataques dos membros da Al-Qaeda e no asseguramento do sucesso das políticas de Al-Maliki para estabilizar a segurança, estão tornando-se uma crescente parte dos problemas para o primeiro-ministro. Eles estão furiosos com a detenção de alguns de seus mais proeminentes líderes, pois temem uma quebra do movimento que foi originalmente iniciado pelo comando dos Estados Unidos para lutar contra as forças da Al-Qaeda e, posteriormente, ficou sob responsabilidade do governo iraquiano. Os membros da Al-Sahwa (Despertar) e seus comandantes estão descontentes em relação ao atraso de pagamento e ao fracasso do governo em fazer bem cumprir a promessa de colocá-los em empregos da administração de altos salários.

O Governo Regional do Curdistão, liderado por Massoud Barzani, está também furioso pela falha de Al-Maliki fazer crescer as receitas da região, para permitir o retorno do que considera curdos deslocados a Kirkuk, e por bloquear as tentativas do governo do Curdistão de negociar contratos de petróleo de forma independente com companhias estrangeiras. Os curdos estão forçando um status semi-independente e Al-Maliki não parece querer cooperar. Acima de tudo, o primeiro-ministro resiste à pressão do Governo Iraquiano do Curdistão em tentar anexar ricas fontes de petróleo de Kirkuk à província, movimento que tem a oposição tanto de árabes quanto de turcomanos da região, o que pode prenunciar uma nova onda de violência. A tensão aumentou entre Al-Maliki e os líderes sunitas, particularmente o vice-presidente Tarek Al-Hashimi, por causa da detenção contínua de militantes sunitas, incluindo aqueles que foram libertados pelas forças dos EUA. A prisão de 15 líderes da brigada Al-Sahwa está provando ser um incômodo para o comando dos EUA, que observa a situação de perto. É preocupante que o acordo que deu base à criação dos Conselhos para destruir os combatentes da Al-Qaeda tenha sido desmanchado, com os militantes de ambos os partidos dando as mãos contra o governo e as tropas dos EUA. Estes estão ambos preocupados com a luta entre sunitas e xiitas pelo seu lugar no poder, a dança luxuriosa entre o Curdistão e o governo pelo petróleo, as implicações da ressurgência das milícias e a preocupação de que uma violência renovada possa perturbar o cronograma de retirada dos Estados Unidos.

Ayman El-Amir, jornalista e colunista do Al-Ahram”, jornal egípcio com versões em árabe e inglês.

Tradução de Arturo Hartmann
Publicado originalmente em www.icarabe.org

CARTÃO PARA AS MAMÃES!

CASA CONSTRUÍDA COM LIVROS DE MADEIRA



domingo, 26 de abril de 2009

FUNÇÕES DE MÃE

FUNÇÕES DE MÃE
(Autor: Antonio Brás Constante)

Vou falar de uma pessoa que é única em suas várias profissões: a nossa Mãe. Vocês já pararam para pensar em quantas atividades ela é capaz de desempenhar para cuidar de seus filhos? Pois vou elencar algumas:

Ela foi nossa primeira enfermeira, médica e curandeira, amenizando nossas dores e baldas com massagens, chás e beijos mágicos, desses que curam qualquer mal. Em outras ocasiões simplesmente trocou as nossas fraldas.

Mesmo sem muitas vezes ter um alto grau de instrução, conseguiu ser poliglota e entender nossos resmungos, choros e gemidos babados, decifrando quais foram de fome, sono ou de manha. Desempenhando os afazeres de cozinheira, babá e faxineira entre outras tantas funções que por ela clamavam.

A mãe foi nossa cantora exclusiva, conselheira, amiga. Aquela que doou sua vida para servir a nossa. Conseguia elevar nossa criatividade infantil, transformando nossa cabeça em um porta-aviões maluco, arremessando aviões em forma de colher para entrar e pousar ali. Com direito a ruídos cuspidos dos rasantes das aeronaves, nos deixando espantados e encantados, passando a abrir a boca com mais vontade.

Seu colo nos serviu de cama, de coberta e de lugar seguro. Também foi nossa primeira professora, nos ensinando a descobrir sobre tudo que se passava em nosso pequeno mundo.

Suportou calada as suas tristezas, os sofrimentos da vida, a lida diária de escrava e senhora do lar. Estampando um sorriso carinhoso. Atenta aos nossos problemas, nossas dúvidas. Sendo parceira de nossas alegrias e desencantos. Guardando para si seus próprios prantos.

Enfim, crescemos embalados pelo amor de mãe e tomamos nossos rumos, deixando para trás aquela frágil figura, que sempre nos serve como abrigo seguro quando a vida nos fere e precisamos aos seus braços retornar, nos recarregando de seu infinito amor, de seus afagos, da bondade de seu olhar.

Criamos um dia somente seu Mãe, tentando compensar os tantos anos de sua dedicação por nós. Neste dia, lhe homenageamos com flores, cartões e beijos. E eu lhe deixo este texto como uma humilde prova de amor, dando minha contribuição como pretenso aprendiz de escritor, desejando um feliz dia das mães para você e para todas as mães do mundo. Parabéns pelo seu dia.

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".


A PARTIDA DO HOMEM MAIS VELOZ DO MUNDO

A PARTIDA DO HOMEM MAIS VELOZ DO MUNDO
(Autor: Antonio Brás Constante)

Ele era considerado o melhor maratonista do mundo. Possuía diversos títulos, medalhas e troféus. Nunca havia perdido uma única corrida. Era tão veloz que não havia adversários que pudessem acompanha-lo. Foi ficando arrogante. Não encontrava desafios dignos de sua pessoa.

Dentre os prêmios conquistados, ganhou uma viagem para uma cidadezinha do interior. A cidade era localizada em um país distante, com hospedagem em um hotel de luxo, utilizado para conferencias internacionais. Como estava cansado e entediado, resolveu aceitar a viagem.

Ao chegar ao vilarejo da cidade onde se localizava o hotel, ficou sabendo que a floresta que cercava aquele lugar era rodeada por crenças e supertições. Diziam que era um lugar místico. “Um monte de bobagens” ele pensou, pois não acreditava em nada.

Após se registrar no hotel, foi direto para seu quarto. Jogou-se na cama, percebendo que havia deitado em cima de alguma coisa. Era um panfleto sobre uma corrida que iria acontecer na cidade. Um sorriso cruel preencheu seus lábios, ao imaginar a humilhação que poderia causar aqueles caipiras se resolvesse participar da corrida e deixar todos os demais competidores a quilômetros de distância. Pensou que seria divertido aquilo e resolveu se inscrever.

O evento era patrocinado pelo Hotel. Todos os competidores receberam um abrigo com capuz para corrida, com o número do corredor na frente e o nome do hotel escrito nas costas.

A corrida seria por dentro de uma trilha que cruzava a floresta. Não haveria risco de se perderem, pois era uma única trilha, bastante regular e ampla o suficiente para comportar os corredores.

Dada a largada ele foi passando com facilidade por todos os outros atletas, até conseguir ficar a uma boa distância deles, sumindo por entre as árvores. A floresta era fechada. Um ar suave penetrava por suas narinas enquanto ia vencendo os quilômetros do trajeto.

Foi então que percebeu alguém correndo na sua frente. Ele de inicio não acreditou. Achara que já havia passado por todos os demais competidores. Aquele corredor devia ter entrado na competição em alguma parte do caminho, achando que assim poderia levar vantagem sobre os outros. Isto até seria possível se ele não fosse um dos competidores. Passaria pelo trapaceiro e no final da corrida avisaria os organizadores sobre o caso.

O homem a sua frente era muito veloz. Por mais que aumentasse seu ritmo não conseguia alcança-lo. Aquele corredor era incrível. Nunca tinha visto alguém correr tão rápido, conseguindo se manter à frente dele por tanto tempo. O corredor misterioso só poderia estar drogado para se manter correndo tão rápido. Mas sua determinação era mais forte. Foi forçando suas passadas, e aos poucos se aproximando do outro corredor. O coração se acelerando com o esforço. O suor escorrendo pelo seu rosto.

Começou a escutar passos atrás de si. Seria outro corredor? Sim, e era alguém que ia se aproximando dele aos poucos. Que loucura. Se não bastasse ter encontrado um corredor tão rápido quanto ele, agora aparecia outro tentando ultrapassa-lo.

A floresta passou a ficar ainda mais escura e assustadora. Um calafrio percorreu todo seu corpo, sinalizando o medo de encontrar alguém melhor do que ele. De perder sua fama de invencível. De ser derrotado por meros camponeses de um lugarejo perdido no mapa.

Não poderia aceitar aquela humilhação. Ele venceria aquela competição a qualquer custo. Já estava a poucos metros do homem a sua frente. Infelizmente sentia a aproximação do outro nas suas costas ensopadas de suor.

O ar parecia estar faltando em seus pulmões. O excesso de esforço trazendo cãibras nas suas pernas. Dores nas costelas. O suor aflorando como uma vertente que escorria por todo seu corpo.

A cada passada a distância diminuía, e os três mais próximos ficavam. A visão passou a ficar embaçada. O coração parecia querer explodir em seu peito. Não podia parar. Tinha que vencer.

Já estava tão perto que quase podia ver o rosto do outro corredor. Intensificou ainda mais seu ritmo. Mas, por incrível que pareça quando ele fazia isto os outros dois faziam o mesmo. Quase como se lessem seus pensamentos.

A luta do homem contra seus limites estava sendo travada a cada momento. Nunca em todas as suas outras disputas havia corrido tão rápido. Parecia voar pelo caminho. A distância do primeiro corredor era agora tão pequena que podia toca-lo com o braço se assim desejasse e foi o que tentou fazer.

Ao longe se podia vislumbrar o final do percurso e os sons distantes das pessoas que gritavam em torcida. Esticou o braço e pousou a mão no competidor que seguia em primeiro lugar. Já se encontrava praticamente ao seu lado. Foi neste momento que também sentiu algo em seu ombro. Por reflexo se virou. Mas ainda pôde ver de relance o rosto do homem na sua frente, para enfim enxergar o homem atrás de si que também se virava e ao lado dele havia outros, muitos outros.

Seus olhos se arregalaram de horror ao ver sua própria face nos rostos daqueles homens, como se estivesse em uma sala de espelhos. Eles eram reflexos de si mesmo no decorrer de sua própria história. O coração falhou. O ar abandonou de vez seus pulmões. Suas passadas, porém continuaram. A floresta se abriu. Tudo girava ao seu redor. Sentiu a faixa da linha de chegada rasgar em contato com seu peito.

Caiu no chão. Aos poucos foi perdendo a consciência. Já quase desmaiado, escutou passos de pessoas correndo ao seu encontro. Sua vista escureceu. A respiração parou.

Ele morreu, mas entrou para a história como o homem mais veloz do mundo, tendo batido seu próprio recorde, um recorde praticamente impossível de se vencer. O preço da vitória, porém, foi alto, já que para ganhar de si mesmo, teve que perder a vida...

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

quinta-feira, 23 de abril de 2009

DIA DAS MÃES


VERSO PARA A MAMÃE


MÃE


DA ROSA MAIS LINDA,
NASCI COMO PÉTALA SUAVE!
CRIEI-ME EM TEU ACONCHEGO,
EMBALADA (o) POR MÃOS DE FADA,
RECEBENDO MIMOS E PERFUMES DE CARINHO,
NA BELEZA DO TEU COLO,
JARDIM DE AMOR!


MÃE,

ESSÊNCIA QUE BROTA
NO PEITO E ENRAIZA NA ALMA,
CAULE QUE SUSTENTA
E FORTALECE MEU VIVER!


MÃE,

FLOR QUE ALIMENTA O ENCANTO!
ÉS MOTIVO DO MEU CANTO,
SOU TUA SEMENTE
GERMINANDO ARDENTE,
REGADA (o) POR TUA PAIXÃO!

MÃE,

ROSA RAINHA,
NÃO ARRANHA,
NÃO ESPINHA,
PREENCHE O MUNDO DE COR!
TENS O VERDE DA ESPERANÇA,
LANÇA-GUIA,
RECANTO DE EMOÇÃO!

MÃE,

RECEBA HOJE COM ALEGRIA,
COM TEUS OLHOS DE PUREZA,
CHEIOS DE TERNURA,
ESTA HOMENAGEM,
A MINHA CERTEZA!
A GENTILEZA,
O MEU AMOR E GRATIDÃO!
TE AMO!


TE AMO!
Partes Mirim



domingo, 19 de abril de 2009

ENQUANTO O MUNDO TREME A HUMANIDADE PADECE

ENQUANTO O MUNDO TREME A HUMANIDADE PADECE
(Autor: Antonio Brás Constante)

Um novo terremoto aconteceu na Itália, e quando a terra treme é a humanidade que padece. Tremores que enterram esperanças e pessoas em toneladas de entulho. Tremores que aguçam nossos temores. Trememos frente à força descomunal desses terrores denominados de tremores.

Não é á toa que entre os maiores desastres naturais causadores de mortes ao longo da história estão os terremotos, e em alguns casos os seus primos, os maremotos também conhecidos por alguns como tsunamis.

O ser humano parece que tem problemas com placas. Sejam elas placas de trânsito, placas bacterianas, plaquetas no sangue (que também não deixam de ser placas), ou neste caso as chamadas placas tectônicas, que são formações de rochas subterrâneas. Quando estas placas se movem, todo mundo literalmente dança ao ritmo catastrófico de seu deslocamento.

Na realidade o que choca é quando essas gigantescas rochas ocultas aos olhos se chocam, ou se afastam ou ainda quando resolvem fazer outro movimento qualquer, de forma inesperada e brusca, causando os tais abalos sísmicos, que literalmente abalam qualquer estrutura.

Grandes prédios caem como se fossem frágeis castelos de cartas de baralho, dessas que as cartomantes não usam. O mundo ao redor parece enlouquecer, ganhar vida, apenas para levar tantos a morte. Não há para onde correr, ou mesmo se esconder. O que antes era solo firme, vira um pandemônio que estremece a sanidade, levando qualquer um as ruínas da loucura.

Os abalos são similares a espasmos em um corpo doente. Um corpo que parece tentar alertar que também está de certa forma vivo e merece respeito, já que parasitamos sobre seu peito indefeso. Mas seu apelo justo torna-se injusto frente ao sofrimento causado há tantas almas inocentes, vitimas de seu estrondoso gesto fulminante. O tecido da realidade se rasga, dobrando-se aos caprichos dessas convulsões no seio da própria terra, que um dia nos espera para em seu ventre eternamente repousar.

Em momentos como este compreendemos que todas as nossas ações que por tanto tempo vêem prejudicando e destruindo este mundo, não são nada se comparadas ao simples ato de tremer deste mesmo mundo (em qualquer um de seus vastos recantos). Habitamos em um planeta, mas mal percebemos suas existência, e seguimos caminhando apressados, sem olhar na face onde pisamos, até ser tarde demais.

EM TEMPO: Depois de tanto tempo acreditando e reclamando que os políticos deste Brasil não ligavam para nada, recebemos uma conta de celular de um de seus filhos, nos lembrando que é muito pior quando eles ligam... (E pior ainda é saber que este fato é apenas um grão de areia em meio ao deserto de imoralidades que acontecem na política).

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".


sexta-feira, 17 de abril de 2009

Roda Viva - segunda-feira, 20 de abril de 2009 às 22h10

 
Carlos Guilherme Mota
Historiador

O historiador Carlos Guilherme Mota é autor de dezenas de livros, ensaios e artigos, nos quais revisa e interpreta a história do Brasil e apresenta a nova perspectiva do país como nação.

Em um trabalho acadêmico de mais de quatro décadas, Mota apresenta os acontecimentos e personalidades que marcaram os rumos e a construção das idéias brasileiras e revela em seus estudos a movimentação política e social do país, buscando o significado das raízes e a formação do povo.

Carlos Guilherme Mota discute as formas de pensamento e a ambiguidade do povo brasileiro, contrariando a idéia de que o país é manso, de língua única e sem contradições.

Ele analisa quem influenciou o povo brasileiro durante os mais de cinco séculos de história e diz que ainda existe um Brasil a ser descoberto.

Formado em história pela Universidade de São Paulo, onde seguiu carreira acadêmica até se tornar professor titular de história contemporânea, Carlos Guilherme Mota também dá aulas de história da cultura na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie.

Participam como convidados entrevistadores:
Oscar Pilagallo, jornalista e autor do livro A Aventura do Dinheiro e da série "A História do Brasil no Século XX", da Publifolha; Claudio Lembo, advogado, ex-governador de São Paulo e secretário de negócios jurídicos da Prefeitura de São Paulo; Robinson Borges, editor do caderno de cultura do jornal Valor Econômico; Mônica Manir, editora do caderno Aliás do jornal O Estado de S. Paulo.
Twitters no estúdio: Lilian Starobinas, historiadora (http://twitter.com/liliansta) ; Robison Silva, estudante de história (http://twitter.com/robson_leandro); Cadu Simões, historiador (http://twitter.com/cadusimoes).
Fotógrafo convidado: Michell Zapa, designer (http://flickr.com/michellzappa)

Apresentação: Heródoto Barbeiro


Transmisão ao vivo, pela Internet, a partir das 17:30.


O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h10.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.

Orchestre des Champs-Elysées

 
[] 

Mídia, Esporte e Cultura: Jornalismo Esportivo na UERJ

A Faculdade de Comunicação Social da UERJ abriu esta semana inscrições para o curso Mídia, Esporte e Cultura: Pensando o Jornalismo Esportivo. Para fazer a matrícula é necessário já ser graduado ou estar cursando a graduação.

O curso tem como um dos objetivos discutir os recursos acionados pela imprensa na construção das figuras públicas de ídolos esportivos, além de apresentar e discutir questões relacionadas às teorias clássicas sobre esporte e comunicação.

O coordenador do curso, Prof. Ronaldo Helal, possui graduação em Comunicação Social, mestrado e doutorado em Sociologia, e pós-doutorado em Ciências Sociais.

As inscrições podem ser feitas até dia 06 de maio de 2009, no Centro de Produção da UERJ, no campus Maracanã. As aulas acontecerão sempre às segundas-feiras, de 19h30 às 21h30.

Para mais informações, acesse o site http://www.cepuerj.uerj.br ou ligue para 2587-7707.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Lançamento Exposição Grand Prix

 

 

A arte da velocidade

 
Série de quadros sobre a história do automobilismo será destaque durante campeonato nacional de GT3.
 
A largada para o campeonato automobilístico Telefônica Speedy GT3 Brasil será dada em 25 de abril, em São Paulo, no autódromo de Interlagos. Enquanto campeões como Emerson e Wilson Fittipaldi, Ingo Hoffmann e Chico Serra aceleram na pista, no paddock VIP poderá ser vista um pouco da história do automobilismo, em uma série de quadros do artista plástico Maramgoní.
 
A exposição Grand Prix faz um retrospecto mundial do esporte por meio de belas telas em acrílico, cujas imagens foram inspiradas em fotografias antigas, fornecidas por colecionadores. Assim, pinturas das 100 milhas de Indianápolis em 1910 até os dias atuais, como a intitulada Fórmula GT3, passando pela década de 50 com as Ferraris e Coopers do Grand Prix de Mônaco de 1958, poderão ser vistas.
 
Dez telas ao todo irão compor a exposição, que continuará nas etapas seguintes da GT3 (ver box), onde serão apresentadas sempre uma série inédita. O campeão de cada etapa receberá de presente uma tela, diretamente das mãos de seu criador.
 
Abertura
 
No evento de abertura da GT3, realizado para convidados na Daslu, em 14 de abril, as obras de Maramgoní chamaram a atenção dos presentes, entre eles pilotos como Wilson Fittipaldi, Chico Serra e o jornalista Reginaldo Leme. "O trabalho me impressionou demais, pela beleza em preto e branco e pelos detalhes", afirmou Fittipaldi, que já encomendou ao artista uma tela retratando o Copersucar, primeiro carro brasileiro a disputar uma prova de Fórmula 1, construído pela escuderia dos Fittipaldi na década de 70.
 
O trabalho de Maramgoní, que já havia presenteado o tricampeão de Stock Car Chico Serra com uma pintura de seu carro no início da temporada da Stock Car em 26 de março, no autódromo de Interlagos 
(
http://jornalnacional.globo.com/Telejornais/JN/0,,MUL1063124-10406,00.html )
,
também foi admirado por Reginaldo Leme, um dos principais nomes do jornalismo automobilístico do país: "Me atrai bastante o tema da São Paulo antiga retratada por Maramgoní, mas essas telas sobre o corridas me atingiram em cheio!", comentou ele.
 
"Esta série é uma idéia antiga. Me interesso por história de uma forma geral. Retrato a cidade de São Paulo do século XIX pela admiração que tenho por aquela época. E assim pensei em uma série sobre carros antigos, outra grande paixão minha", explicou ele, que nestas telas emprega o mesmo estilo daquelas sobre a São Paulo antiga – pinturas em preto e branco, com alguns elementos (como luzes) em cor (à exceção das telas dos dias atuais, coloridas).
 
As obras ficarão expostas na Daslu Homem até 23 de abril.
 

No final do ano, um livro com as telas expostas ao longo do campeonato GT3 – 80 ao todo – será publicado.

 

Exposição Grand Prix na Daslu Homem

Data: 15 a 23 de abril

Local: Avenida Chedid Jafet, 131 – Vila Olímpia – São Paulo/SP

 

Telefônica Speedy GT3 BRASIL - Calendário 2009

 

1ª e 2ª etapas: 25 e 26 de abril - São Paulo

3ª e 4ª etapas: 30 e 31 de maio - Curitiba

5ª e 6ª etapas: 27 e 28 de junho - São Paulo

7ª e 8ª etapas: 25 e 26 de julho - Londrina

9ª e 10ª etapas: 15 e 16 de agosto - São Paulo

11ª e 12ª etapas: 26 e 27 de setembro - Rio de Janeiro

13ª e 14ª etapas: 10 e 11 de outubro - Santa Cruz do Sul

15ª e 16ª etapas: 28 e 29 de novembro - São Paulo

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Inscrições abertas para o II Fórum Internacional Síndrome de Down

Com o tema “A construção de Identidade e a Relação com o Outro”, o II Fórum Internacional Síndrome de Down pretende se firmar como um espaço diferenciado para discussão de assuntos ligados à pessoa com deficiência intelectual. Além de inúmeros convidados nacionais, o evento receberá profissionais do Canadá, México, Itália, Espanha e Argentina, entre os dias 27 e 30 de maio, em Campinas. Educação, políticas públicas, trabalho e vida familiar estão entre os principais assuntos do Fórum, que buscará discutir melhores caminhos para uma efetiva inclusão social.

Uma exposição de Artes de Pessoas com Deficiência do Centro “Nina Haggerty”, do Canadá, abrirá o evento. Jovens com síndrome de Down e familiares terão participação ativa em painéis de entrevistas. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas via Internet, pelo e-mail forum@fsdown.org.br ou pelo site www.fsdown.org.br. O II Fórum Internacional Síndrome de Down é voltado a familiares e profissionais que atuam na área de educação e saúde, além de estudantes e demais interessados. O evento é organizado pela Fundação Síndrome de Down, que atua há 24 anos em Campinas. A idéia central é discutir a condição das pessoas com deficiência intelectual frente ao mundo contemporâneo. “

A Fundação passou por uma importante mudança de posicionamento, que resultou numa nova concepção sobre a pessoa com deficiência intelectual e o papel dos serviços a ela destinados. Hoje, a Fundação auxilia estas pessoas a desenvolverem-se com mais independência e autonomia”, afirma Luciana Mello, coordenadora.A Fundação oferece serviços terapêuticos nas áreas de fonoaudióloga, fisioterapia, terapia ocupacional e hidroterapia, além do suporte a etapa escolar, formação e inserção ao mercado de trabalho e lazer. Tais serviços contam com o apoio das áreas de psicologia e serviço social, que atuam de modo transversal na instituição.

Serviço
II Fórum Internacional Síndrome de Down – A Construção da Identidade e a Relação com o Outro
Data: 27 a 30 de maio de 2009
Local: Teatro Bentinho - Rua Luzitana, 1555 - Centro - Campinas-SP
Informações e inscrições: Pelo site – www.fsdown.org.brPor e-mail – forum@fsdown.org.br Telefone: (19) 3289-2818
Inscrições:Valor: R$ 200,00 Estudantes: R$ 100,00Instituição: 2 inscrições R$ 150,00/cada3 ou mais R$ 100,00/cada

sexta-feira, 10 de abril de 2009

JORNAIS X RELIGIÕES

JORNAIS X RELIGIÕES
(Autor: Antonio Brás Constante)

Jornais e religiões, tão diferentes e distantes, mas ao mesmo tempo tão próximos e similares. De um lado temos os jornais, que visam difundir a verdade através de seus veículos de comunicação. Mostram o mundo como realmente o mundo é (pelo menos é o que se espera deles). Estão sempre em busca de notícias, de furos de reportagem, tentando desvendar cada novo mistério que aparece, transformando-o em notícia. Rodam o mundo colhendo palavras e fatos para suas matérias e capas.

Do outro lado temos as religiões, tentando divulgar a verdade através de suas crenças. Mostram o outro mundo como acreditam que o outro mundo realmente é. Estão sempre em busca de milagres, de atos de fé, procurando espalhar cada novo fenômeno religioso que aparece como um mistério a ser adorado, fortalecendo as bases de seus ensinamentos. Rodam o mundo pregando a palavra de suas religiões.

Enquanto muitas pessoas utilizam a religião para confessar suas verdades e pecados sob juramento de que nada será divulgado, outros buscam os jornais para falar de verdades e pecados ocorridos, transformando-os em fatos, esperando que eles sejam divulgados para o maior número possível de pessoas.

Nas religiões o ser humano busca conhecer a um Deus que lhe mostre o caminho, que lhe proteja das maldades do mundo, que traga conforto para suas tristezas e lhe ajude em suas necessidades. Já nos jornais as pessoas buscam conhecer o mundo que as cerca, tomando ciência das maldades que acontecem e também dos atos de nobreza. Através de suas notícias pode-se encontrar o reconforto de saber que a justiça foi feita em determinados casos, ou ficar inconformado com as injustiças que ocorreram em outros tantos, que continuam sem solução. Diretamente a informação ali contida talvez não atenda as necessidades do leitor, mas mostra caminhos, abre oportunidades, esclarece, e até diverte, com variados textos, que entre seus assuntos fazem até analogias sobre jornais e religiões. A propósito, outros textos deste autor podem ser encontrados em: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

As pessoas costumam ir aos templos de sua preferência para ouvir alguma boa nova a respeito da fé que praticam. Algo que lhes prepare e estimule para servir a divindade que adoram. As religiões possuem dogmas que devem ser cumpridos para que seus seguidores sejam considerados verdadeiros fiéis.

Os jornais vão até as pessoas levando boas novas, assuntos gerais, e até muitas notícias ruins, deixando-as preparadas como cidadãos do mundo, indivíduos que poderão servir de forma produtiva a sociedade. Esses veículos de comunicação possuem matérias que cumprem um papel social, tornando os leitores, fiéis ao seu conteúdo informativo.

Enfim, no decorrer da história às religiões têm buscado divulgar suas verdades universais através de livros que consideram sagrados, e que se mantém inalterados através dos séculos, com a premissa de salvar almas através de um caminho de luz. Em contra partida encontramos o jornalismo, que divulga os fatos mundiais através de seus cadernos (política, esportes, ciência, etc), que são renovados todos os dias, pesquisando novas verdades, cujo objetivo principal é mostrar os muitos caminhos de luz e trevas que existem, deixando para cada um a decisão de escolher por onde querem seguir.

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

domingo, 5 de abril de 2009

Poesia

À P@rtes, nossa revista virtual
 
Poema do Trabalhador
 
(Afonso Monforte)
 
Senhor, ajuda-me, quero vencer
Eu sei que posso, é só querer
Com vontade e determinação
Com tua ajuda eu hei de poder
Não pensarei jamais em perder
Levarei avante esta decisão
 
Meu Senhor, que és meu pai
Sei, quem em ti confia, não cai
E minha fé em ti, que perdura
Diz que para frente é que se vai
E com o poder que de teu nome sai
Minha Vitória já está segura
 
  (Encaminhada por Nair Lúcia de Britto)                                    

CANHOTOS (OS DIREITOS DOS ESQUERDOS)

CANHOTOS (OS DIREITOS DOS ESQUERDOS)
(Autor: Antonio Brás Constante)

O mundo não foi feito para os canhotos, ou talvez, os canhotos não tenham sido feitos para este mundo. Basta olhar ao redor para notar que desde os relógios e violões até classes de universidades foram projetadas e criadas, em sua maioria, para os destros.

Alguns canhotos não conseguem escrever com a mão esquerda, mas este fenômeno tende a acontecer apenas com os que ainda são analfabetos. Em tempos mais remotos, a vida não era muito fácil para os usuários do lado esquerdo. Quem demonstrava predisposição em ser canhoto, tinha a mão esquerda amarrada e era obrigado a aprender a escrever com a direita (podendo sofrer sequelas). Outros eram queimados, por se achar que ser canhoto era um indício de bruxaria, ou de pacto com o demônio. Aliás, no próprio dicionário a expressão: “canhoto” é uma das formas de se referir ao diabo.

Não é á toa que as palavras: “esquerdo” e “canhoto”, dispõe em muitos casos de conotações pejorativas em seu uso, até pelo simples fato de serem o oposto do que é direito, já que o homem pode ser uma pessoa honesta, direita... Ou não. Se o dia está sendo péssimo, talvez seja porque a pessoa acordou com o pé esquerdo.

Mas em meio a tantos fatos ruins para esta turminha que pensa com a direita e por isso acaba usando a esquerda, tenho uma notícia boa. Li uma matéria publicada há algum tempo atrás (Revista ISTO É nº 1971 de 08.08.2007), onde dizia que foi descoberto um tal gene denominado LRRTM1 (talvez a razão deste amontoado de consoantes para expressar o nome do gene seja porque todos os nomes legais já tenham sido usados) causador da inversão de lados (direito e esquerdo) e que daria uma ligeira vantagem em algumas atividades para os canhotos, principalmente aquelas envolvendo a criatividade. Em contrapartida este gene também poderia levar a pessoa a ter doenças psicóticas, como a esquizofrenia, por exemplo. Ainda assim, a incidência destas doenças não é menor entre os destros, conforme também descrito no mesmo artigo.

De qualquer modo vale lembrar de alguns nomes de canhotos famosos (ou nem tanto), que entraram para história (ou ainda estão tentando), são eles: Barak Obama, Albert Eisten, Madona, Ayrton Senna, Tom Cruise, Angelina Jolie, Charlie Chaplin, Antonio Brás Constante (quem é esse cara?), Machado de Assis, Jimi Hendrix, Julia Roberts, Pablo Picasso, Milene Suzel Nepomoceno Piva, Michelangelo, Napoleão Bonaparte e Leonardo da Vinci, entre outros.

Nos dias de hoje, ao menos na arte da escrita informatizada, já não existem mais destros ou canhotos, pois as duas mãos dançam igualmente em cima do teclado. Enfim, independente do indivíduo ser destro ou canhoto, amarelo, rosado ou negro, baixo ou alto, religioso ou ateu, o que realmente deveria importar é o que fazemos de bom e útil com nossas mãos, com nosso corpo, com nossa mente e com nossa alma. Um abraço afetuoso não necessita de lado, pois sempre utiliza as duas mãos.

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

sábado, 4 de abril de 2009

ANO DA FRANÇA NO BRASIL - SANTOS - BUNNER VIRTUAL


Roda Viva - segunda-feira, 6 de abril de 2009 às 22h10

 
Jairo Bouer
médico psiquiatra

Sexo, erotismo, drogas, violência, comportamento e educação. Problemas que preocupam autoridades, educadores, pais e filhos e discutir esses temas abertamente com a sociedade torna-se essencial.

O médico psiquiatra Jairo Bouer é referência quando o assunto é saúde e comportamento da juventude brasileira. Além da prática de consultório, ele tornou-se conhecido do público através dos meios de comunicação. Com colunas em jornais, blog, programas em TVs, rádios e internet, Jairo Bouer conversa há vários anos sobre temas que afligem a juventude numa linguagem que o jovem escuta e entende.

Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Jairo Bouer fez residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP e voltou-se para a sexualidade a partir do seu trabalho no Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Ele já publicou cerca de uma dezena de livros sobre sexualidade, adolescência, álcool, cigarro e drogas.

Na TV Cultura, em parceria com o Canal Futura, Jairo Bouer apresenta o programa "Ao Ponto".

Participam como convidados entrevistadores:
Fabiane Leite, repórter da editoria Vida & do jornal O Estado de São Paulo; Maria Helena Vilela, educadora sexual e diretora do Instituto Kaplan; Tatiana Schibuola, redatora chefe da revista Capricho; Ivan Martins, editor executivo da revista Época.
Twitters no estúdio: Bruna Calheiros, gerente de presença digital (http://twitter.com/baunilha) ; Guilherme Valadares, gerente de mídia social (http://twitter.com/papodehomem); Jeane Callegari, jornalista (http://twitter.com/jeannecallegari).
Fotógrafo convidado:Manuel Jr., analista de sistemas (http://www.flickr.com/photos/manoelbr).


Apresentação: Heródoto Barbeiro


Ao vivo, na Internet, a partir das 17:30.


O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h10.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
http://www.tvcultura.com.br/rodaviva

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Morre o acadêmico Crodoaldo Pavan

Faleceu na tarde desta sexta-feira (3), aos 89 anos, no Hospital Universitário (HU) da USP, em São Paulo, o biólogo e membro da Academia Paulista de Letras, Crodoaldo Pavan, devido a falência múltipla de órgãos e sistemas.

O velório será nesta sexta-feira, a partir das 18h30, no Anfiteatro Acadêmico do Instituto de Biociências da USP (Rua do Matão, Travessa 14, 321, Cidade Universitária, São Paulo). O enterro será no sábado, às 14 horas, no Cemitério Getsêmani (Praça da Ressurreição 1, Morumbi, São Paulo).

Crodoaldo Pavan nasceu em Campinas/SP, no dia 1 de dezembro de 1919. Foi casado com a Profª Dra. Maria de Lourdes de Oliveira Pavan. Formado em Biologia pela USP, especializou-se em Genética. Foi aluno e discípulo de André Dreyfus. Fez carreira universitária no Instituto de Biociências, chegando a Professor Titular. Em 1964, trabalhou dezoito meses e fundou um laboratório de Citogenética no laboratório Nacional de Oak Ridge-Tenessee, Estados Unidos. Em 1968 foi contratado como Profº Titular na Universidade do Texas, onde permaneceu sete anos.

Seus trabalhos principais são sobre Genética de População de Drosophilas Tropicais e Citogenética de Ciarídeos, um grupo de insetos encontrado no Brasil e por ele descoberto. Estudos feitos nesses insetos trouxeram novos conhecimentos de Citologia, Genética e Fisiologia Cromossômica.

 

MANIFESTO – Coletivo Paulo Freire por uma Educação Democrática

MANIFESTO – Coletivo Paulo Freire por uma Educação Democrática : “Defender Paulo Freire como ‘Patrono da Educação Brasileira’ é defender nos...